22.8 C
Uberlândia
quarta-feira, julho 17, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosCafeeiro: Prática de esparramação dos resíduos vegetais

Cafeeiro: Prática de esparramação dos resíduos vegetais

Autores

Dalyse Toledo Castanheira
Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV)
dalysecastanheira@hotmail.com
Raphael Comanducci da Silva Carvalho
Engenheiro agrícola

A cafeicultura atual passa por enormes desafios relacionados, principalmente, ao equilíbrio econômico, ambiental e social. Umas das etapas no cultivo do café que mais onera o custo de produção, com implicações diretas na sustentabilidade da atividade, é a colheita, fato esse que pode ser justificado pelos inúmeros procedimentos que são realizados nesta etapa.

A colheita, principalmente quando realizada na forma de derriça, necessita de práticas adicionais de forma a otimizar o processo produtivo. Neste cenário, cita-se a esparramação, também conhecida como ‘chegada de cisco’, em que, logo após a derriça e a varrição do café, o material vegetal presente na entrelinha do cafeeiro é destinado para a linha de plantio, ou seja, para debaixo da “saia” das plantas de café.

Essa prática é o inverso da arruação, procedimento que antecede a derriça do café, em que são retirados todos os resíduos vegetais que estavam na projeção da copa do cafeeiro e são depositados no meio da entrelinha.

Realidade

É importante comentar que, devido à dificuldade de mão de obra e aos altos custos de produção, a esparramação tem sido muitas vezes desconsiderada pelos cafeicultores. Essa decisão, na maioria das vezes, é adotada em virtude do maior gasto com contratação de pessoas ou necessidade de utilização de mais horas-máquina para executá-la.

No entanto, na maioria das ocasiões não são analisados os benefícios da esparramação no sistema de produção do café como um todo. É necessário, portanto, analisar criteriosamente a viabilidade de executar ou não essa prática, já considerada como tradicional na cafeicultura, conforme as características de cultivo e tipo de colheita de cada propriedade.

Recomendações

De forma geral, quando se opta por realizar a arruação do café, prática anterior à derriça, aconselha-se prosseguir com a esparramação logo após a varrição do café, evitando que o cafeeiro seja cultivado com o solo exposto (nu).

Em alguns casos, realiza-se o primeiro parcelamento das adubações antes da esparramação, aumentando assim o aproveitamento e a eficiência de alguns fertilizantes.

Os resíduos vegetais, também chamados de ciscos, que são ano a ano depositados embaixo da saia do cafeeiro, são parte de folhas, ramos e frutos das plantas de café em que foram acumulados macro e micronutrientes aplicados anteriormente na lavoura.

Esse material funciona como cobertura morta do solo, exercendo papel fundamental na ciclagem de nutrientes, na incorporação de matéria orgânica e na manutenção da umidade, aspectos esses que proporcionam incrementos diretos na produção, principalmente quando ocorrem adversidades climáticas.

Quando a casca de café é aplicada junto a esses resíduos vegetais na linha do cafeeiro, as melhorias e os incrementos em produtividade são ainda maiores.

Mecanização

Atualmente, para reduzir os gastos pertinentes à esparramação, já existem implementos que podem ser acoplados ao trator ou equipamentos manuais capazes de mecanizar e semi-mecanizar essa operação.

ARTIGOS RELACIONADOS

Duckbill comercializa mais de 33 mil cafés por mês em suas lojas

A marca investe em cafés especiais e bebidas à base da especiaria.

Prêmio “Coffee of The Year” tem recorde de amostras inscritas

A primeira fase do concurso, que inclui as inscrições e envio dos materiais por produtores de todas as regiões, foi encerrada no início de outubro.

Incremento diamétrico do mogno africano em resposta a diferentes sistemas de cultivo

José Edmar Urano de Carvalho Pesquisador em Fruticultura Tropical da Embrapa Amazônia Oriental jose.urano-carvalho@embrapa.br O mogno africano tem sido uma das espécies preferidas dos reflorestadores no Brasil,...

Embrapa lança cultivar de arroz para áreas de sequeiro

A Embrapa e parceiros lançaram a cultivar de arroz BRS A502, indicada para o cultivo em áreas de sequeiro em terras altas nos Estados do Maranhão, Pará, Rondônia, Piauí, Goiás e Mato Grosso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!