23.5 C
Uberlândia
quinta-feira, fevereiro 29, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosCafeeiro: Qual o momento correto de entrar com a calagem?

Cafeeiro: Qual o momento correto de entrar com a calagem?

Autor

Bruno da Silva Moretti
Engenheiro agrônomo, doutor em Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas e consultor em cafeicultura
bsmoretti@hotmail.com

É de amplo conhecimento entre pesquisadores, técnicos e profissionais envolvidos com agricultura que os solos brasileiros são, em sua grande maioria, pobres em nutrientes e naturalmente ácidos. Esta combinação é um dos fatores mais limitantes para o desenvolvimento de diversas culturas de interesse agronômico.

Apesar destas limitações químicas dos nossos solos, muitos desses problemas podem ser contornados com uma adequada calagem e adubação, prescritas por um engenheiro agrônomo. Em especial para a cultura do café, por ser uma cultura que permanecerá na área por muitos anos antes da sua substituição, a calagem pré-plantio tem uma importância ainda maior.

Entenda melhor

A calagem, para quem não tem familiaridade com o termo, é a prática de aplicar o calcário, na forma de pó, na área onde será implantada a cultura. Na cafeicultura, esta aplicação se dá na superfície e no sulco de plantio.

A calagem é a forma mais difundida, prática e econômica de realizar a correção da acidez e, ao mesmo tempo, suprir a demanda de cálcio e magnésio para o cafeeiro. Além disso, ela melhora o aproveitamento das adubações, aumenta a atividade microbiana no solo, acelerando a liberação dos nutrientes contidos na matéria orgânica, e aumenta a capacidade de troca de cátions do solo.

A raiz do cafeeiro pode ser dividida, basicamente, em duas partes, uma pivotante, que tem como finalidade principal a sustentação e absorção da água em maiores profundidades, e outra parte na camada superficial, até próximo de 20 cm da superfície.

Cerca de 80% das raízes mais ativas em absorver nutrientes se encontram nesta camada superficial e são estas as principais responsáveis pela absorção dos nutrientes. Estas raízes estão mais concentradas na projeção da copa do cafeeiro, porém, podem ultrapassar esta distância a ponto de encontrar com a raiz de plantas da outra linha.

Este fato, por si só, justifica a aplicação do calcário em área total, proporcionando ao solo uma condição mais favorável ao crescimento e desenvolvimento das raízes, uma vez que, além de neutralizar o alumínio toxico, o cálcio é um importante nutriente para formação da parede celular, o que proporciona um melhor desenvolvimento e resistência das raízes.

Dúvidas pertinentes

Como dito, as raízes superficiais representam cerca de 80% das raízes ativas, mas, e os outros 20%? E a raiz pivotante, que sustenta e busca água em maior profundidade? Devido a esses questionamentos, vem-se estudando formas de melhorar a qualidade do solo em subsuperfície, a fim de proporcionar às raízes condições favoráveis para o crescimento e desenvolvimento em profundidade. Uma dessas técnicas é a aplicação do calcário no sulco de plantio.

O aumento de raízes em profundidade pode trazer ganhos significativos ao cafeeiro, como maior resistência a veranicos; melhor aproveitamento da adubação, principalmente dos nutrientes mais facilmente lixiviados nos períodos de chuva; maior resistência física e até mesmo a pragas e doenças, já que uma planta melhor nutrida tende a ser mais resistente do que outra com deficiência nutricional.

Na dose certa

Quanto à dose, a forma básica de se calcular é a mesma para superfície, todavia, quando se calcula para a superfície, tem-se que considerar que as recomendações são padronizadas para uma camada de 20 cm. Assim, se o preparo do sulco será até 60 cm, a camada de 20 cm já será corrigida pela calagem superficial, então será necessário fazer os cálculos para a camada de 20 a 60 cm.

Recomenda-se, nesse caso, fazer três pontos de coleta de solo para levar ao laboratório de análise de solo, uma de 0 a 20 cm (para o cálculo da calagem superficial), e outras duas de 20 a 40 e de 40 a 60 cm, que serão usadas para a determinação da dose de calcário no sulco.

Deve-se prestar bastante atenção à determinação desta dosagem, pois tem-se que considerar que as fórmulas são padronizadas para uma área de um hectare (10.000 m²) e uma profundidade de 20 cm.

Assim, o cálculo da aplicação no sulco deve ser feito duas vezes, uma para a camada de 20 a 40 cm e outra para a camada de 40 a 60 cm. Supondo que o sulco tenha 50 cm de largura e o espaçamento entre linhas seja de 3,60 m, em um hectare terá cerca de 2.778 metros lineares (sem considerar áreas de passagem), o que representa cerca de 1.389 m², ou seja, cerca de 14% de um hectare.

Assim, se não forem tomadas as devidas proporções e o produtor aplicar a dose completa, pode cometer o erro mais comum nesta técnica – causar uma supercalagem e as consequências mais comuns serão a deficiência de micronutrientes e desbalanço nutricional.

Barreiras

Outro problema atrelado à aplicação de calcário no sulco é a forma de aplicação. Apesar de o cálculo ser feito para a camada de 20 a 60 cm (duas camadas de 20 cm), a distribuição ocorre de forma concentrada e, se não for homogeneizado, ocorrerá uma zona de supercalagem próxima de onde houve a concentração do corretivo.

Um equipamento que vem sendo utilizado na cafeicultura, apesar de ainda controverso e requerer mais estudos dos seus efeitos na estrutura de solos distintos, é o batedor de cova. Este equipamento trabalha acoplado a um trator e revolve o sulco de plantio, pulverizando e misturando o solo e os produtos que ali foram inseridos.

Visto isso, a calagem superficial e em sulco, quando requerida, é de suma importância para o bom desenvolvimento do cafeeiro. Além de controlar a acidez e fornecer dois importantes nutrientes, cálcio e magnésio, condiciona o solo para um bom desenvolvimento radicular.

Custo ou investimento?

Outro ponto importante referente ao uso do calcário é o custo. Trata-se de um produto que, no geral, tem um custo bastante baixo quando comparado aos demais tratos necessários para o desenvolvimento do cafeeiro.

Por exemplo, enquanto a tonelada de um adubo nitrogenado ou formulado chega a custar mais de R$ 1.500,00, a tonelada de um bom calcário, sem o frete, custa cerca de R$ 60,00. Como o Brasil tem uma boa distribuição da rocha calcária em seu território, apesar do frete no geral custar mais caro que o produto, o calcário ainda chega às propriedades rurais com um preço bastante acessível.

Por fim, cabe ressaltar que o calcário é a fonte mais barata para o fornecimento de cálcio e magnésio ao cafeeiro, que são nutrientes indispensáveis para um bom crescimento vegetativo e uma boa produção.

ARTIGOS RELACIONADOS

Trichoderma controla doenças e estimula crescimento

Janaina Marek Engenheira agrônoma, mestre e doutoranda em Produção Vegetal - Universidade Estadual do Centro-Oeste janainamarek@yahoo.com.br Dione de Azevedo Engenheiro agrônomo e consultor Fungos do gênero Trichoderma se destacam...

Multitécnica comemora 25 anos de história

  Ao longo desta trajetória de 25 anos no agronegócio, a Multitécnica sempre acreditou na parceria entre a pesquisa e a indústria como forma de...

Manejo da adubação fosfatada para cana no cerrado

  Sandro Roberto Brancalião Pesquisador científico VI, Centro de Cana do Instituto Agronômico/Manejo de Solos brancaliao@iac.sp.gov.br   A cana-de-açúcar requer, como qualquer cultura comercial e industrial, cuidados no manejo...

Influência da nutrição mineral na qualidade da bebida do café

Autores Guilherme A. Souza Engenheiro agrônomo, PhD. e consultor de Desenvolvimento de Mercado Sul e Sudoeste/MG – Compass Minerals Lucas Ávila Engenheiro agrônomo, PhD....

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!