Cafeeiros Arara: alta capacidade produtiva da cultivar

0
37

José Braz Matiello

jb.matiello@gmail.com

Marcelo Jordão Filho

Saulo R. Almeida

L. Bartelega

Engenheiros agrônomos – Fundação Procafé

Foto: José Braz Matiello

Cafeeiros da cultivar Arara têm se mostrado com alta capacidade produtiva, seja nos ensaios conduzidos nos campos experimentais, seja em lavouras extensivas, a nível comercial, nas propriedades dos cafeicultores.

A cultivar Arara foi desenvolvida e registrada pela Fundação Procafé, tendo origem em uma hibridação natural entre o Obatã e o Icatu amarelo 2944. A planta original foi identificada por técnico do ex-IBC no Paraná. Ela reúne, portanto, genética de um Sarchimor (Villa Sarchi = Caturra da América Central) cruzado com Catuai e mais um cruzamento com um Icatu. Com essa base, que alia atributos de produtividade, com resistência e vigor, seria de esperar boas características nos cafeeiros da cultivar.

De fato, a cultivar arara vem apresentando qualidades importantes, como: resistência à ferrugem e tolerância a Pseudomonas e Phoma, bom vigor e alta produtividade, com frutos graúdos e de boa bebida.

Produtividade

No aspecto de produtividade, a boa genética fornece o potencial às plantas, as quais, com o manejo adequado, vai se expressar em safras altas. Esses bons resultados, depois de comprovados pela pesquisa nas parcelas experimentais, conforme resumo apresentado na tabela 1, vêm se confirmando na prática, nas lavouras dos cafeicultores.

A boa produtividade dos cafeeiros da cultivar Arara vem se mantendo ao longo de várias safras, evidenciando o adequado vigor das plantas. Uma demonstração desse vigor e da boa capacidade produtiva dos cafeeiros pode ser observada pelos resultados de recuperação e de produtividade no pós-poda de esqueletamento/desponte. Em dois estudos efetuados, em Varginha e em Franca, com esqueletamento sobre plantas aos 13 e 12 anos de idade, resultaram em produtividades de 137 e 148 sacas/ha.

Um exemplo recente, agora em lavoura comercial, de 10 hectares, no município de Franca (SP), mostrou que após a poda de desponte mais um decote, a 2,5 m de altura, foi obtida, na área, a média de 133,1 scs/ha.

Esta lavoura tem 12 anos de idade e se encontra no espaçamento de 3,5 x 0,6 m e é irrigada. Os cafeeiros da cultivar Arara possuem condições adequadas ao uso de podas de esqueletamento, no sistema safra zero. A saia das plantas é mais larga e os ramos laterais são mais grossos e vigorosos, o que se reflete numa boa rebrota e, consequentemente, em alta capacidade produtiva das lavouras.

Tabela 1 – Comparativo de produtividade, em nove ensaios, em cafeeiros da cultivar Arara, em relação ao padrão Catuai, em diferentes localidades e número de safras.