26.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosCafeicultor - O inimigo pode estar na raiz do seu cafeeiro

Cafeicultor – O inimigo pode estar na raiz do seu cafeeiro

Ernane Miranda Lemes

Engenheiro agrônomo, fitopatologista e doutor em Fitotecnia

ernanelemes@yahoo.com.br

Lísias Coelho

Engenheiro florestal, fitopatologista, Ph.D. e professor do ICIAG-UFU

lisias@ufu.br

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Um dos maiores causadores de perdas à produção de café são as doenças do cafeeiro, entre elas aquelas causadas por nematoides (nematoses), que são bastante prejudiciais.

Os nematoides podem ser parasitas de plantas e animais ou predadores de vida livre. Aqueles que parasitam plantas são denominados fitonematoides, e são mais de 600 espécies descritas atualmente, com novas espécies sendo regularmente identificadas.

Os gêneros de fitonematoides mais importantes para a agricultura são: Meloidogyne, Pratylenchus, Heterodera, Rotylenchulus, Globodera e Tylenchulus (Rossetto e Santiago, 2005).

Danos

Os fitonematoides geralmente atacam as raízes das plantas provocando alterações morfofisiológicas que comprometem a absorção de água e nutrientes do solo, afetando o desenvolvimento regular da cultura e, consequentemente, sua produção.

As perdas anuais causadas por fitonematoides às culturas agrícolas mundiais estão entre 80 e 125 bilhões de dólares (Chitwood, 2003; Decraemer; Hunt, 2006; Nicolet al., 2011).

A cultura do café não é exceção e é consideravelmente afetada por nematoides que prejudicam o desenvolvimento de seu sistema radicular. As espécies de nematoides que causam mais danos e perdas ao cafeeiro são dos gêneros Meloidogyne (nematoide de galha) e Pratylenchus (nematoide de lesões).

O caso do Brasil

No Brasil, os híbridos de cafeeiro cultivados são de duas espécies, Coffeacanephora e C. arabica, que é a menos resistente, principalmente ao nematoide de galha (Inomoto, 2013). O aumento do plantio de cafeeiros, a movimentação livre de mudas e a condição perene da cultura contribuem para disseminar e aumentar o número de espécies de fitopatógenos parasitas do cafeeiro (Campos; Villain, 2005).

As duas espécies de Pratylenchus (P. brachiurus e P. coffea) que infectam o cafeeiro penetram e se movimentam ao longo das raízes causando lesões, necroses e podridões que inutilizam as raízes e constituem portas de entrada para outros microrganismos do solo, como Fusarium, Phytophthora, Ralstonia, Rizoctonia e Verticillium.

A espécie P. brachiurus é a mais comum no Brasil, enquanto P. coffea é mais comum nas demais regiões cafeícolas do mundo (Gonçalves et al., 1987; Kuboet al., 2001). Contudo, apesar dos estragos causados ao sistema radicular do café por Pratylenchus spp., os prejuízos infligidos por nematoides do gênero Meloidogyne são maiores.

Os fitonematoides geralmente atacam as raízes das plantas - Crédito Luize Hess
Os fitonematoides geralmente atacam as raízes das plantas – Crédito Luize Hess

Os nematoides desse gênero infectam centenas de plantas hospedeiras das mais diversas famílias botânicas (Mitkowski; Abawi, 2003). No cafeeiro, as seguintes espécies de nematoide de galha já foram descritas no Brasil: M. arenaria, M. coffeicola, M. exigua, M. hapla, M. incognita, M. javanica e M. paranaensis (Campos, 1997; Santos, 1997; Carneiro et al., 2005).

Em 1997, o professor Jaime Maia Santos, em cooperação com Dr. AnarioJaehn, da FCA de Botucatu (falecido) e Dr. Wallace Gonçalves, do IAC Campinas, descreveram uma nova espécie de Meloidogyne coletada em Dracena (SP) e a nomearam M. goeldii.

Entre essas espécies de Meloidogyne que infectam o cafeeiro, as mais agressivas são M. incognita (alta persistência no solo sem hospedeiros, encontrado em PR, SP, MG, ES), M. paranaensis (muito prejudicial, causando morte rápida do cafeeiro, encontrado em PR, SP, MG, MT) e M. exigua (amplamente distribuído, encontrado em RJ, SP, MG, PR, ES, CE, BA e DF) (Castro et al., 2003; Campos; Villain, 2005; Oliveira, 2006).

Os prejuízos à produtividade são significativos, com o ataque de nematoides - Crédito Netafim
Os prejuízos à produtividade são significativos, com o ataque de nematoides – Crédito Netafim

Sintomas

As raízes atacadas por nematoides de galha ficam permanentemente comprometidas, ocasionando reduções significativas na produção de grãos e, dependendo da infestação, podem levar ao abandono da cafeicultura na área (Gonçalves; Silvarolla, 2001).

As perdas de produção por nematoide de galha no cafeeiro variam entre 10 e 25% (Campos; Villain, 2005; Koenninget al., 1999), sendo estas perdas um reflexo dos danos causados ao sistema radicular pelas galhas formadas.

As galhas causadas pelo nematoide de galha são expansões das raízes, que se iniciam com a infecção das radicelas e assumem um aspecto globoso com o tempo. As galhas podem ser solitárias ou coalescidas (união de várias galhas) e resultam em uma raiz deformada, inchada ao longo de sua extensão.

As raízes infectadas pelo nematoide de galha absorvem água e sais minerais precariamente, causando a clorose das folhas do cafeeiro, desfolha prematura, maior sensibilidade a estresses (p.ex. veranicos), reduzido desenvolvimento da parte aérea, queda de produção e, em condições extremas de infestação, a morte da planta.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de abril 2018 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cafeeiro: uso de produtos promotores de equilíbrio fisiológico

Os aminoácidos, as algas marinhas e os organominerais são alguns dos produtos que geram equilíbrio fisiológico ao café.

Panorama nacional da produção de abacate

Autores Elisamara Caldeira do Nascimento Pós-doutoranda PPG – Agricultura Tropical – Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) elisamara.caldeira@gmail.com Glaucio da Cruz Genuncio Doutor e...

Silício aumenta número de perfilhos da cana

Angélica Araújo Queiroz Engenheira agronomia e professora no IFTM, campus Uberlândia angelica@iftm.edu.br A cana-de-açúcar é uma espécie acumuladora de silício (Si), com 0,14% nas folhas jovens e...

Programa de certificação atesta a sustentabilidade da produção dos cafés mineiros

Certifica Minas Café incentiva a melhoria da gestão das propriedades e estimula a competitividade do café produzido no Estado frente ao mercado nacional e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!