25.8 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosCafés diferenciados: Cresce demanda por sabor

Cafés diferenciados: Cresce demanda por sabor

Fonte:

Dr. Aldir Alves TeixeiraEngenheiro agrônomo, doutor, CEO/diretor geral da Experimental Agrícola do Brasil Ltda.aldir.teixeira@illy.com | diretoria@illy.com

Café – Crédito: Shutterstock

O movimento internacional conhecido como a “quarta onda do café”, ou seja, momento em que a forma de consumo da bebida se transforma em uma experiência sensorial e o produto passa a ser mais valorizado.

Em 2019, Minas Gerais produziu cerca de 24 milhões de sacas de café. O recuo é de quase 30% em relação ao ano passado, o que não retira o Estado do posto de principal produtor do País, respondendo por metade de todo o café colhido em território brasileiro.

Mas, com o crescimento do nicho de cafés diferenciados – com qualidade superior ou certificado de práticas sustentáveis – as possibilidades de recuperação do setor também se ampliam. Quase 7,0 milhões de sacas do produto foram exportadas em 2019, segundo o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), número quase o dobro do alcançado duas safras atrás. 

“O volume representa 18,6% de participação no total do grão exportado em 2019 e um crescimento de 23,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já a receita cambial foi de US$ 1,1 bilhão no período, representando 23,5% do total da receita gerada pelo Brasil com as exportações realizadas em 2019”, destaca o relatório.

Produtor e empreendedor do comércio de cafés especiais, Bruno Souza vê novos mercados de consumo que o produto mineiro e brasileiro de alta qualidade e certificado pelas práticas sustentáveis nas plantações poderá conquistar em 2020, ano de natural renovação do fôlego das lavouras. “O crescimento é constante desse segmento no País há pelo menos três anos. Café especial sempre teve preço. Cheguei a pagar R$ 3.500 a saca (de 60 quilos) quando o preço de mercado (cotado em bolsa de valores) era de R$ 380”, afirma.

De olho no crescimento do mercado de cafés especiais, a Cooxupé, maior cooperativa do País, criou em 2009 uma subsidiária só para cuidar desse tipo de produto, a SMC, e incentivar os associados a entrarem na onda.

Há quatro anos, criou um programa específico para identificar os grãos premium entre as toneladas que chegam à cooperativa pelos mais de 14 mil cooperados. Funcionários treinados identificam os lotes que entram na classificação e encaminham para a SMC, que faz a oferta ao produtor de acordo com a pontuação atingida.

Em 2016, primeiro ano do programa, a cooperativa identificou 10,5 mil sacas de cafés especiais entre toda a sua produção. Em 2017, o número saltou para 17,9 mil. Em 2018, foram 31,3 mil sacas — ainda pouco perto das 6,4 milhões de sacas recebidas no ano.

No ano passado, a SMC pagou, em média, de R$ 40 a R$ 150 a mais pela saca de cafés especiais em relação ao preço da commodity. É o caso do pequeno produtor rural, Gabriel Antônio Madeira, que sempre produziu café em Nova Resende (MG). Na última safra, seguiu o ritual de colher suas 200 sacas nas montanhas e destiná-las à cooperativa.

Foi, porém, surpreendido ao descobrir, por acaso, um lote de cafés especiais em meio à sua produção. Em vez dos cerca de R$ 460 atuais pela saca de 60 kg, vendeu cada uma por R$ 2.750. E, se depender da demanda, o cultivo voltado ao produto ‘premium’ deve continuar em alta.

O assessor técnico especial do café na Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), Niwton Moraes afirma que a mudança no perfil produtivo do País vem ganhando força há duas décadas. “Chegamos a um patamar interessante de exportação desse café diferenciado porque o preço é pelo menos 15% superior ao valor do café commodity, podendo custar até o dobro.

Vale lembrar que a qualidade não tem tanta vinculação com a variedade, mas sim com a condição climática, a altitude e o zelo do produtor com a colheita”, analisa.

Mercado externo

Estados Unidos, Alemanha, Japão, Itália, Bélgica, Canadá, Reino Unido, Suécia, Finlândia e Espanha já importam a maioria do café especial produzido em Minas. E a demanda crescente não se dá por acaso: a procura está ligada ao movimento internacional conhecido como a “quarta onda do café”, ou seja, momento em que a forma de consumo da bebida se transforma em uma experiência sensorial e o produto passa a ser mais valorizado.

“Na primeira onda, o estímulo era para aumentar o volume consumido no mundo. Na segunda, nasce a ideia de qualidade com a escala de classificação internacional. Na terceira, surge o consumo em monodoses, como as cápsulas, além da venda direta do produtor para o varejista”, explica o especialista.

Agora, reforça Moraes, as pessoas não querem apenas beber o café, mas experimentar as notas de aroma e sabor do produto. “Da mesma forma, o ambiente aconchegante das cafeterias e a história por trás do cultivo, com informações sobre a colheita e o terroir da região produtora, fazem toda diferença. Em síntese, saímos da preocupação com o volume para o foco na qualidade”, conclui Moraes.

____________________________________________________________________

O que se entende por café especial?

O mercado de cafés especiais começou há quase 30 anos, depois que o Dr. Ernesto Illy, presidente da torrefadora italiana illycaffè, veio ao Brasil em 1991, tendo em vista que ele não estava encontrando os cafés brasileiros de qualidade para o seu “blend”.

Decidiu, na época, lançar um Prêmio de Qualidade para Café Espresso, passar a comprar diretamente do produtor e pagar um preço melhor ao cafeicultor pelos cafés de qualidade. Logo após essa iniciativa, tudo começou a mudar no Brasil. Até então, o nosso café era comercializado como comodity, sem diferença de preço entre um café comum e um de qualidade.

Os cafeicultores começaram, então, a investir em qualidade. Muitos outros prêmios de qualidade surgiram e denominações de origem começaram a aparecer no Brasil. É importante salientar que a illycaffè, que utiliza em seu blend 60% de cafés brasileiros, nunca mais teve problemas em encontrar cafés especiais.

Como ser considerado especial

Um café deve ser considerado especial quando tiver suas características físicas preservadas e as sensoriais agradáveis. O café deve conter grãos perfeitos e sadios, sem defeitos capitais, como verdes (imaturos), pretos verdes, ardidos e pretos, ter um bom aspecto e uma boa seca.

Além disso, deve ser um café gostoso quando bebemos, com aromas e sabores especiais (de chocolate, caramelo, amêndoa, flor, fruta, entre outros) e suave acidez. A boca deve ficar limpa (retrogosto ou “after taste”), principalmente quando apreciado sem açúcar ou outro aditivo qualquer.

Visão interna

O mundo já está descobrindo as qualidades do café brasileiro, principalmente aquele sem defeitos e que deixa um gosto agradável na boca. O café brasileiro bem preparado tem características particulares que agradam os consumidores estrangeiros. O nosso café tem corpo, sabor de chocolate, caramelo, ou de pão torrado, suave acidez e doçura que permanece na boca.

Valor agregado

Com as vantagens de um preço melhor, os nossos cafeicultores estão tendo mais cuidado no preparo de cafés de qualidade, e com isso tem crescido a demanda e oferta de cafés especiais. O consumidor que começa a tomar um café melhor não consegue retornar para o tradicional, mesmo sendo barato. 

A possibilidade de prepararmos os cafés descascados, aquele em que o fruto é colhido cereja maduro e descascado (onde se retira a casca, sem a retirada da mucilagem), tem permitido a produção de cafés de qualidade e em quantidade em todas as áreas do Brasil.

Com boa produtividade e qualidade, o valor agregado passa a ser compensador. Tanto é que a cada dia cresce o número de produtores que procuram fazer qualidade e, consequentemente, a produção desses cafés aumenta.

Os produtores brasileiros já perceberam o preço pago pelos cafés especiais e resolveram investir nesse nicho de mercado, inclusive criando as suas próprias marcas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Agrobras – Mulching como destaque para o café

A Agrobras destacou o equipamento para aplicar mulching e os tubos de gotejo na lavoura de café, durante a feira, o que vem tendo alta demanda em novos plantios. “Trata-se de uma manta plástica que preserva a umidade da lavoura nova e elimina a competição das plantas daninhas. O resultado é um desenvolvimento mais rápido das mudas e, principalmente no período de seca, mantem-se a umidade adequada do solo para as plantas”, define Jean Paul Cousy, sócio administrador da Agrobras.

A importância de medir a umidade do grão de café

Parceria entre a empresa paranaense Locsolution e a Emater de Minas Gerais quer ...

Agrishow supera expectativa de negócios e alcança R$ 2,7 bilhões

Foram 159 mil visitantes qualificados do Brasil e do exterior que conheceram diversas novidades e lançamentos de mais de 800 marcas nacionais e internacionais   A...

Cafés de alta qualidade exigem planejamento

O cenário da cafeicultura atual mostra uma tendência cada vez maior para a produção de cafés diferenciados de alta qualidade, sendo uma alternativa para o produtor agregar valor ao seu produto e aumentar sua rentabilidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!