22.6 C
Uberlândia
domingo, junho 23, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesCafés especiais e ApexBrasil: parceria de sabor, aromas e valor agregado na...

Cafés especiais e ApexBrasil: parceria de sabor, aromas e valor agregado na exportação

Novo episódio do ApexPod, o podcast da ApexBrasil, fala sobre o diferencial competitivo dos cafés especiais e traz a história de Carmem Lucia Chaves de Brito, que passou a infância brincando em cafezais até se tornar um dos principais nomes da cafeicultura.

Divulgação

Para muitas pessoas ao redor do mundo, a “pausa para o cafezinho” é a hora mais aguardada do dia. Já para Carmem Lucia Chaves de Brito, brasileira de Três Pontas (MG) e conhecida como Ucha, desde a infância o café ocupa bem mais que algumas horas da rotina. No novo episódio do ApexPod – podcast da Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (ApexBrasil) –, Ucha conta um pouco da sua história: as brincadeiras de criança nas plantações de café, o investimento em estudo e capacitação, a repaginada que promoveu nos negócios da família ao focar na linha de cafés especiais e o fundamental apoio da ApexBrasil na promoção do produto fora do país.

Primeira mulher a presidir a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), cargo que ocupa atualmente, Ucha é um dos principais nomes da cafeicultura do Brasil. Sua família produz café arábica há mais de 100 anos e ela ressalta que sua própria identidade foi estruturada a partir desse produto, que tem o Brasil como maior produtor e exportador. “A gente que é do mundo do café diz que isso está na veia”, reflete, lembrando cada passo dado como empreendedora até a grande virada de chave, em 2006, quando apresentou à família um projeto para agregar valor ao negócio. “Partimos para a linha de cafés especiais, mais próxima do consumidor final, trazendo um pouquinho desse glamour”, explica. A estratégia funcionou e a produção se tornou um sucesso no país e fora dele.

Por meio da história de Ucha, o episódio do ApexPod, que vai ao ar na próxima sexta-feira (31), apresentará informações sobre o potencial competitivo dos cafés especiais e sobre o projeto setorial “Brazil.The Coffee Nation”, que a ApexBrasil realiza em parceria com a BSCA para promover o produto mundo afora.

Cafés especiais

Os cafés especiais são grãos isentos de defeitos com atributos sensoriais diferenciados, que incluem bebida limpa e doce, corpo e acidez equilibrados e qualificação acima de 80 pontos na análise sensorial. Além da qualidade, os cafés especiais devem ter rastreabilidade certificada e respeitar critérios de sustentabilidade ambiental, econômica e social em todas as etapas da produção.

Junto com a BSCA, a ApexBrasil realiza o projeto setorial “Brazil. The Coffee Nation”, atuando na promoção de cafés especiais do país pelo mundo, por meio de feiras internacionais, rodadas de negócios, concursos de qualidade e campeonatos de barismo. O objetivo é reforçar pilares de qualidade e sustentabilidade, buscar os mais altos requisitos de qualidade e atender às rígidas normas internacionais.

De acordo com a analista da gerência de Agronegócio da ApexBrasil, Luciana Furtado, também entrevistada nessa edição do podcast, o Brasil conta com a maior produção certificada do mundo em cafés especiais socioeconomicamente sustentáveis, o que vem sendo um diferencial. “É respeito à natureza e às pessoas envolvidas”, observa.

Ucha elogia essa evolução e lembra que, no passado, havia uma distância grande entre o centro urbano e o campo, além de um desconhecimento sobre a produção. “Isso mudou. O café não nasce no supermercado ou na xícara”, brinca. “É um monte de gente cuidando para que o café possa preencher de sabor a vida das pessoas que sentam a uma mesa para se conectar”.

Segundo a cafeicultora, a parceria entre ApexBrasil e a BSCA foi essencial para a conexão com o mundo. “Pudemos ter o diálogo com pessoas que estavam ávidas por nos conhecer e que nós também queríamos ter acesso”, analisa. “O mundo começou a vir para cá. Hoje, nossos clientes de vários lugares do mundo são quase uma parte aqui da fazenda”.

Parceria de sabor e sucesso

Desde 2002, a ApexBrasil vem atuando em diversas frentes de apoio à exportação de café. As iniciativas vão do auxílio ao produtor à obtenção de certificados e documentações até uma variedade de serviços de capacitação e promoção do produto no exterior.

A parceria com a BSCA surgiu em 2013. O último projeto “Brazil. The Coffee Nation” apoiou 288 empresas, sendo 75 exportadoras que venderam para mais de 100 destinos. O convênio atual, renovado em setembro de 2023, tem como meta alcançar a exportação de USD 2,5 bilhões com 9,5 milhões de sacas e ampliar para 80 empresas exportadoras. Até abril/2024, o valor exportado foi de mais de USD 520 milhões, com 323 empresas participantes, 33 dessas exportadoras que enviam o café para 79 destinos.

Capacitação e lucros exponenciais

Para os produtores brasileiros que desejam exportar café, há um caminho importante a ser trilhado na busca do sucesso: capacitação, foco na qualidade dos grãos, agregar valor à produção e cuidado com a sustentabilidade. Luciana Furtado destaca que o produtor de café especial que atinge a excelência vê o valor do produto subir exponencialmente no mercado externo.

Um exemplo: enquanto a saca de café arábica de 60 quilos custa cerca de US$ 225, o lote do café especial campeão da edição de 2018 do “Cup of Excellence Brazil” – evento realizado no âmbito do projeto setorial “Brazil. The Coffee Nation” – foi de US$ 13 mil. “A gente vê como o café especial é valorizado e pode impactar na renda do produtor”, explica Luciana, lembrando que na edição de 2022 do evento, a saca de um café especial da Bahia também alcançou valores elevados, comercializada por US$ 8 mil.

“Os mercados que têm a consciência dos cafés especiais estão dispostos a remunerar por isso”, assegura Luciana, explicando que a ApexBrasil realiza um ranqueamento de mercados prioritários, tanto para cafés verdes e torrados, como para torrados e moídos. Estados Unidos, Canadá, China, Coréia do Sul, Japão, Espanha, Polônia, África do Sul, Emirados Árabes e Chile são alguns países que se destacam na compra de grãos selecionados.

Maior produtor e exportador de café do mundo

O Brasil é o maior exportador mundial de café. Em 2022, o valor exportado foi de USD 8,542 bilhões – mais que o dobro que o segundo colocado (Colômbia representa 8,9%). Em 2023, de acordo com o Agrostat – Estatísticas de Comércio Exterior do Agronegócio do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), o Brasil exportou USD 8,086 bilhões. Somente em janeiro de 2024 foram exportados USD 2,423 bilhões.

Segundo o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) a produção de cafés na safra 2023/2024 deve atingir 171,4 milhões de sacas, 6,9 milhões a mais que no anterior. Essa expectativa se baseia principalmente nas projeções realizadas para a produção no Brasil, Colômbia e Etiópia.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cotonicultores veem potencial para aumentar vendas externas

Industriais da Turquia, Vietnã, Paquistão, Coreia do Sul, Bangladesh e México conheceram lavouras e algodoeiras de estados do Brasil.

Brasil exporta 3,6 milhões de sacas de café em fevereiro

Apesar do elevado índice de atrasos nos navios com café nos portos, volume representa alta de 49% na comparação com fevereiro de 2023 e reflete atratividade dos canéforas brasileiros no mercado global

ApexBrasil está com inscrições abertas para Programa que impulsionará as exportações

O evento de lançamento do Exporta Mais Amazônia ocorrerá na semana de 27 de novembro, em Rio Branco (AC), e incluirá umas rodadas de negócios com compradores internacionais e um painel de alto nível. Inscrições estão abertas.

Alta realiza maior exportação de sêmen bovino do Brasil

40 mil doses de sêmen da raça Gir Leiteiro foram exportadas para a Índia, país de origem da raça

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!