20.5 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosCalagem - Na dose certa, faz toda diferença

Calagem – Na dose certa, faz toda diferença

Autor

Leandro Flavio Carneiro
Doutor e professor do Departamento de Ciências Agrárias da Universidade Federal de São João Del Rei – campus Sete Lagoas (MG) e coordenador do Grupo de Apoio à Pesquisa e Extensão em Fertilidade do Solo (G-FERT)
carneiro@ufsj.edu.br

Crédito Nutrion

A maioria dos solos agricultáveis do Brasil apresenta, naturalmente, baixa fertilidade do solo, baixa capacidade de retenção de nutrientes e elevada acidez, caracterizada por baixos valores de pH e elevado teor de alumínio.

A prática de correção da acidez do solo é denominada de calagem. Para que o agricultor obtenha sucesso com a calagem é preciso fazer uma amostragem representativa de uma área que apresente o mesmo tipo de solo, histórico de uso, declividade e cor, interpretar os atributos químicos do solo e atentar para os aspectos técnicos e econômicos do uso de corretivos de acidez do solo.

Os aspectos técnicos estão relacionados à composição química (teores de óxidos de cálcio e magnésio) e granulométrica (tamanho das partículas) dos corretivos. O Poder Relativo de Neutralização Total (PRNT) dos corretivos é uma característica que combina a composição química e granulométrica. Esta característica é usada para corrigir a dose dos corretivos que será aplicada e ajudar na escolha do corretivo mais econômico disponível no mercado.

Todos os métodos de cálculo de calagem consideram que os corretivos serão incorporados na camada de 0 a 20 cm de profundidade, devido à baixa movimentação no solo, e que possuem um PRNT de 100%.

Porém, a maioria dos corretivos de acidez do solo comercializados não possui este valor de PRNT, necessitando, portanto, de correção da dose do corretivo que será aplicado ao solo com o uso do PRNT.

Cálculo

Para avaliar o corretivo mais econômico, o produtor deve relacionar o custo da tonelada do corretivo na propriedade (incluir o frete), dividindo o valor pelo PRNT, ou seja, quanto ele estará pagando por unidade de PRNT.

O corretivo de acidez mais usado no Brasil é o calcário, por apresentar boa distribuição das jazidas e menor custo. Na escolha do calcário, o técnico deve atentar aos teores de magnésio no solo. Se o solo estiver com baixos teores de magnésio, deve escolher um calcário com maior teor de magnésio, pois é a fonte mais barata de magnésio usada na agricultura.

Caso o técnico deixe de fornecer magnésio via calcário, ele terá como opções o sulfato de magnésio e o termofosfato magnesiano, os quais são de alto custo e menos disponíveis no mercado.

Hora da decisão

O correto manejo do calcário envolve decisões relacionadas, além da escolha do calcário, à dose, época de aplicação e modo de aplicação. Para a escolha do método de cálculo da calagem, o técnico deve atentar para as particularidades de cada método, regionalidade e tipo de solo.

O calcário precisa ser aplicado e incorporado no solo pelo menos 90 dias antes do plantio, pois possui baixa solubilidade. Para tanto, é importante um planejamento que envolva a época de amostragem (seis meses antes do plantio), escolha do laboratório e aquisição do insumo.

Em sistemas conservacionistas de produção que não fazem o revolvimento do solo, como o plantio direto, cultivo mínimo, sistemas integrados de produção e agroecológicos, o calcário é aplicado a lanço sem incorporação, e neste caso, deve-se corrigir a dose, uma vez que os métodos consideram a incorporação a 20 cm de profundidade.

Dicas importantes

É importante ressaltar que, antes de adotar um sistema de plantio direto, cultivo mínimo ou sistema agroecológico (sistemas de produção que não revolvem o solo), é recomendado fazer uma calagem, incorporando e optando por um calcário de menor PRNT (maior efeito residual).

Além da calagem, também é importante fazer aplicação de fósforo e potássio para aumentar os teores destes nutrientes no solo, caso este apresente baixos teores.

Investimento

O custo da prática da calagem no primeiro ano é considerado alto, porém, o mesmo deve ser amortizado ao longo do tempo, uma vez que na maioria dos solos o efeito residual está em torno de três anos.

Durante esse tempo, o técnico deve amostrar o solo todo ano para ir acompanhando a necessidade de reaplicação do calcário. Uma calagem malfeita pode acarretar sérios problemas que afetam a disponibilidade dos nutrientes no solo, como por exemplo, de fósforo e micronutrientes como ferro, manganês, cobre, zinco e boro.

Por outro lado, uma calagem bem-feita, além de corrigir o pH, diminui as perdas de potássio, cálcio e magnésio, aumenta a atividade dos microrganismos benéficos no solo, corrige a toxidez de alumínio, fornece cálcio e magnésio, proporcionando aumento de produtividade e lucratividade para o produtor rural.

ARTIGOS RELACIONADOS

A importância da calagem e gessagem na cultura do cedro australiano

  Eduardo Stehling Biólogo e gestor de melhoramento da Bela Vista Florestal   Talvez por ser biólogo, tendo trabalhado como professor por alguns anos, gosto de escrever para...

Melão – Sabor conquista consumidores

  A região Nordeste, onde as temperaturas atingem níveis escaldantes, é propícia para a produção de melão - de grande valor de mercado no País...

Cebolas: Qual o formato preferido pelos consumidores?

No País são cultivadas em torno de 50 variedades de cebola, sendo elas de coloração amarela, roxa, branca, pérola e chalotas.

Green Has – Soluções para uma agricultura sustentável

A Feibanana tem uma projeção nacional, para onde são levadas informações importantes sobre o mercado e as atualidades do setor. A Green Has, como...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!