20.5 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiCalagem - Recomendações para o repolho

Calagem – Recomendações para o repolho

Autor

Bruno da Silva Moretti
Engenheiro agrônomo e doutor em Ciência do Solo
bsmoretti@hotmail.com

O repolho pertence à espécie Brassica olerácea e duas variedades são as mais conhecidas no mercado nacional – são elas a B. oleracea L. var. capitata L. (Repolho Liso) e a B. oleracea L. var. sabauda Martens (repolho crespo). As formas mais conhecidas são alba (repolho branco) e rubra (repolho roxo).

Antes de preparar a calagem e a adubação, é importante que o produtor conheça alguns detalhes da natureza da raiz da planta de repolho. Por não ser a parte comercial da espécie e o seu maior volume não estar exposto, a raiz geralmente é pouco conhecida pelos produtores. Assim, conhecê-la certamente ajudará na tomada de decisão a respeito do manejo geral da cultura, incluindo a calagem e adubação.

Na fase inicial de crescimento da planta, chamada de juvenil, a raiz é axial, ou seja, possui poucas ramificações, que tendem a aprofundar mais do que ramificar. Durante a maturidade, aumentam bastante as ramificações. Nesta fase o crescimento em profundidade diminui, aumenta o crescimento horizontal e formam-se raízes adventícias junto ao colo.

A maior parte da raiz, cerca de 80%, estão entre 20 e 30 cm de profundidade, todavia, em sistemas de manejos irrigados ou que possuem cobertura morta ou plástica, que tem finalidade de preservar a umidade e amenizar a temperatura superficial, as raízes podem se concentrar próximo de 10 cm de profundidade.

O plantio do repolho deve ser feito em solo argilo-arenoso, profundo, com boa aeração, teor de matéria orgânica entre 2,0 e 3,0% e teor de alumínio muito baixo ou nulo, de preferência, pois o repolho possui baixa tolerância a esse elemento.

O pH deve ficar na faixa ideal entre 6,0 e 6,5, sendo que próximo de 6,5 há um melhor equilíbrio na disponibilidade geral dos nutrientes.

A calagem

O calcário, além de sua importância na redução da acidez e neutralização do alumínio tóxico, é a principal fonte de cálcio e magnésio. Vale ressaltar que esta cultura é exigente em magnésio, assim, recomenda-se o uso de calcário com alto teor MgO, acima de 12%. Todavia, a escolha do calcário deve ser feita em função da análise de solo.

Há duas formas mais comuns de calcular a necessidade de calcário – uma com base na neutralização do alumínio e elevação do cálcio e magnésio, e outra com base na elevação da saturação de bases do solo, que para o caso do repolho é de 70%. Para ambas, é imprescindível a análise de solo, que é a base para qualquer cálculo, seja ele de calagem ou adubação.

Após aplicar o calcário, é recomendada a incorporação com grade, operação que proporciona a incorporação de forma homogênea no perfil de atuação da raiz.

Custo-benefício

Com o uso de um calcário de qualidade (teores significativos de MgO) e na dose recomendada, o produtor terá a neutralização do alumínio, adequação do pH e, consequentemente, melhor aproveitamento dos nutrientes, melhor condicionamento do solo para a atividade dos microrganismos benéficos, além do fornecimento de cálcio e magnésio.

Cabe relembrar o produtor que em comparação aos demais insumos necessários para o desenvolvimento da planta e considerando todos os benefícios citados, além de ser de suma importância o uso adequado deste corretivo, o calcário é um produto de custo relativamente baixo, cerca de R$ 50,00 a tonelada (sem o frete).

Seguindo todas as recomendações de calagem, utilizando um calcário de boa qualidade e os demais insumos recomendados, os produtores têm atingido produtividades acima de 50 toneladas por hectare com o uso de média tecnologia, o que indica potencial para produtividades ainda maiores, apesar desta medida ser influenciada pela variedade e pelo clima da região.

Fique atento

O produtor tem que ficar atento para evitar os erros mais comuns nas etapas que envolvem a calagem, dentre os quais, podemos destacar:

; Coleta errada do solo: este erro é bastante comum. O produtor coleta solo em profundidade diferente da profundidade de atuação da raiz no sistema que ele utiliza, muito profundo ou muito superficial, o que pode superestimar ou subestimar a real quantidade de nutriente que o solo possui.

; Área representada: os métodos de cálculo padrão da calagem consideram uma área de 01 hectare e uma camada de 20 cm. Assim, o técnico deve considerar a área real do canteiro, se for o caso, e a profundidade de incorporação do calcário, que na prática, para esta cultura, vai de 10 a 30 cm.

; Amostra não representativa: o produtor deve observar o local onde ele está coletando para evitar fazer a amostragem em cima de adubo ou esterco residual da safra anterior. Também deve-se atentar ao número de amostras que será coletada dentro de cada talhão homogêneo para fazer uma amostra composta que será enviada ao laboratório. Em média, uma amostra composta é obtida a partir de outras 20 subamostras de um mesmo talhão considerado homogêneo.

; Erros de cálculos: geralmente para cima, recomendações acima de cinco toneladas por hectare não são comuns. Nesses casos, vale a pena rever os cálculos e, novamente, consultar um engenheiro agrônomo.

Por fim, com o preço médio de venda nas CEASAs variando de R$ 1,00 a R$ 4,00 o quilo do repolho, com o surgimento de novas variedades mais produtivas e resistentes a pragas e doenças, o custo/benefício tem animado os produtores que estão investindo na cultura.

ARTIGOS RELACIONADOS

A importância da adubação de cobertura da batata

Douglas José Marques Professor de Olericultura e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano (UNIFENAS) douglas.marques@unifenas.br Hudson Carvalho Bianchini Professor de Fertilidade do Solo da UNIFENAS O solo...

Caqui – Panorama nacional da produção

AutoresMarco Antonio Tecchio Coordenador do Programa de Pós-graduação em Agronomia/Horticultura - Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA)/UNESP marco.a.tecchio@unesp.br Ronnie Tomaz Pereira ronnie@educarpv.com Victória Monteiro da...

Adubos verdes controlam nematoides

  Fabio Lúcio Martins Neto Técnico em Desenvolvimento Rural da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA) e doutorando em Fitotecnia da Universidade Federal de Viçosa (UFV) fabio.martinsneto@ebda.ba.gov.br Tatiana...

Gesso agrícola tem ação no solo que protege a lavoura

Um solo bem preparado pode ser o diferencial na produtividade de qualquer lavoura. No caso dos Hortifrutigranjeiros, a proporção adequada de cálcio, enxofre, alumínio,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!