21.3 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosCalagem superficial - Como a soja responde à técnica

Calagem superficial – Como a soja responde à técnica

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

A correção da acidez do solo em profundidade é fundamental. “Esse é o alicerce da casa, e é preciso fazer a correção“, ressalta Leandro Zancanaro, pesquisador da Fundação MT.

Segundo ele, os solos de Cerrado são naturalmente ácidos e pobres em nutrientes, porém, após muito investimento na correção do solo e prática de adubação anual, realizadas ao longo dos anos de cultivo, a prioridade passa a ser a implantação de sistemas mais diversificados quanto às espécies vegetais, buscando inserir culturas que permitam introdução de elevada biomassa radicular e aérea, com resistência à decomposição, mas também culturas que introduzam nitrogênio ao sistema, que façam a ciclagem de nutrientes e que participem do manejo integrado de doenças e nematoides.

Tudo isto irá contribuir para a melhoria da fertilidade do solo no sentido mais amplo do conceito, pois vai permitir melhorias das condições físicas, biológicas e químicas do solo.

Há, no entanto, a necessidade de ter consciência de que as respostas do sistema de produção não ocorrem no mesmo ano. Após a correta implantação do sistema de plantio direto, com o decorrer de vários anos, ocorrem a alterações da dinâmica da água, da acidez, dos nutrientes no solo. E cada produtor, ou até mesmo cada campo dentro da propriedade, pode ter qualidade de solo diferente, devido a qualidade de como o sistema de produção é conduzido.

Como funciona a calagem superficial

A calagem superficial nunca deve ser feita por motivos operacionais ou por ser de custo menor, e sim para preservar um sistema. Para preservar, primeiro, tem que ter um bom Sistema de Plantio Direto, obrigatoriamente.

A aplicação superficial de calcário tem, a curto prazo, efeito bastante reduzido. Por este motivo, se o diagnóstico de uma lavoura for de que a acidez do solo está afetando a produtividade, a prática da calagem superficial a curto prazo não é a recomendada tecnicamente.

“Há nove anos resolvemos realizar um experimento para estudar a calagem superficial. A primeira pergunta que buscamos responder foi: como será a resposta à calagem superficial se esta for praticada em três sistemas de produção diferentes? Como podemos fazer quanto à definição de dosagens e frequência de aplicação? Para isto escolhemos uma área que a princípio estava com condições ideais de acidez e montamos estratégias de calagem superficial em três sistemas de produção: soja pousio, soja/milheto continuamente e soja com alternância de culturas na segunda safra“, detalha Leandro Zancanaro.

Ele conta que na soja em pousio, independente da dose do calcário e do modo que foi aplicado esse calcário, com o tempo a parcela apresentou desenvolvimento inferior, potencial produtivo menor e começaram a aparecer heterogeneidadesdentro das parcelas.

Quando foi colocadomilheto ou outras culturas que agregam raiz e palhada, a resposta visual ao calcário não apareceu e a cultura soja apresentou melhor desenvolvimento e potencial produtivo, além da maior uniformidade.

Em termos de produtividade, nas condições em que o experimento foi implantado e está sendo conduzido é possível afirmar que, ao longo do tempo, o efeito do sistema de produção prevalece sobre a resposta isolada do corretivo de acidez do solo. “Onde foi aplicado o calcário isolado no sistema de produção em pousio, a produtividade no oitavo e nono anos foram muito baixas,mostrando que a calagem superficial só pode ser feita quando houver um sistema de qualidade implantado a preservar“, avalia o pesquisador.

É possível, portanto, fazer um plantio direto bem feito no Cerrado, gerando melhoria do ambiente de produção e também melhor renda ao produtor.Após nove safras, colhemos 60 sacas a mais na área que tinha cobertura permanente do solo em relação à soja em pousio, com o mesmo fertilizante (apenas o de reposição) e com a prática da calagem superficial, e tendo um solo com menor população de nematoides e melhor condição física“, finaliza Zancanaro.

Essa matéria você encontra na edição de setembro 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Adubação “inteligente“ para a cenoura

  Laércio Boratto de Paula Engenheiro agrônomo, D Sc em Fitotecnia e professor do IF Sudeste de MG " câmpus Barbacena laercio.boratto@ifsudestemg.edu.br Fertilizantes de liberação lenta ou controlada...

Ácido húmico e fúlvico presente nos fertilizantes organominerais atua no metabolismo da planta

A busca por novas tecnologias que contribuam para o alcance de maiores produtividades de forma equilibrada e sustentável é constante na agricultura atual. Neste contexto, o uso das substâncias húmicas, presentes nos fertilizantes organominerais, tem crescido em sistemas de produção agrícolas, com excelentes resultados para inúmeras culturas.

Technes – Tecnologia em harmonia com a natureza

Completando 30 anos, a Technes foi fundada pelo japonês Yoshio Tsuzuki, um dos membros fundadores da Associação de Agricultura Orgânica (AAO). Visionário, ele observou...

Nutrição foliar – Menos perdas na produção de soja

Diego Henriques Santos Engenheiro agrônomo da Codasp - Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo dihens@bol.com.br A nutrição foliar é o tipo de adubação em que o...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!