20.2 C
Uberlândia
terça-feira, julho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioMercadoCâmbio e pequena redução de área cultivada provocam queda no mercado de...

Câmbio e pequena redução de área cultivada provocam queda no mercado de defensivos agrícolas

Dados da Spark Consultoria Estratégica mostram, em contrapartida, que houve crescimento em moeda local e aumento da área tratada

Cana – Crédito: Shutterctock

O levantamento BIP – Business Inteligence Panel, da Spark Consultoria Estratégica, apontou queda de 2%, em dólar, na movimentação de defensivos agrícolas para cana-de-açúcar. Conforme a empresa, no ano de 2019 o setor sucroenergético demandou US$ 1,441 bilhão em produtos, ante US$ 1,471 bilhão do ciclo anterior. Na moeda local, contudo, o estudo indica crescimento de 15%, para R$ 5,462 bilhões. De acordo com a Spark, a área tratada subiu 1%, para 62,7 milhões de hectares.

O sócio-diretor da Spark, engenheiro agrônomo André Dias, destaca que a redução na movimentação de mercado, em moeda americana, se deveu principalmente ao impacto cambial negativo da ordem de 14% observado no período, com o dólar médio cotado a R$ 3,79.

Segundo a consultoria, os herbicidas lideraram a relação dos agroquímicos mais utilizados na cana-de-açúcar, com 51% de participação e vendas de US$ 737 milhões. Na segunda posição, os inseticidas movimentaram US$ 555 milhões, 38% do total. Em terceiro lugar, conforme a Spark, os reguladores de crescimento registraram 6% da comercialização, chegando a US$ 86 milhões. Deste montante, informa a consultoria, 61% equivalem a maturadores (US$ 53 milhões), 36% a inibidores de florescimento (US$ 31 milhões) e 3% a fitoreguladores (US$ 2 milhões).

Já os fungicidas surgem na quarta posição, com vendas de US$ 48 milhões, 3% da movimentação total na cultura. Esta categoria se divide entre produtos foliares e de solo. Conforme a Spark, os primeiros movimentaram 57% do segmento (US$ 28 milhões) e os demais 43% (US$ 21 milhões). Produtos adjuvantes e inoculantes fecharam o resultado do mercado com a participação de 2% (US$ 15 milhões).

Coordenador de projetos e especialista em pesquisa de mercado da Spark, o executivo Alberto Oliveira acrescenta que os chamados herbicidas seletivos responderam por 78% das vendas para manejo de plantas daninhas. Ele destaca, também, que o segmento de inseticidas, segundo mercado em importância, foi impulsionado pelo controle de cigarrinhas (37%) e lagartas, principalmente a broca-da-cana (Diatraea saccharalis), com 21%, seguidas pela praga Sphenophorus levis (16%), por nematoides (13%), cupins (11%) e outros insetos (2%).

Oliveira assinala ainda que o Estado de São Paulo permanece na dianteira da produção da cana-de-açúcar, com 53% do total de 9,289 milhões de hectares cultivados, correspondentes a 4,958 milhões de hectares.  A região Centro-Oeste (GO/MS/MT) representa 23% (2,125 milhões de hectares). Minas Gerais e Espirito Santos somam 9% (843 mil hectares). A região Nordeste (AL, BA, PB, PE) detém 8% da área (722 mil hectares), enquanto o Paraná ocupa 7% do total (641 mil hectares). 

Sobre a Spark Inteligência Estratégica

A credibilidade e os diferenciais competitivos conquistados pela Spark Inteligência Estratégica resultam de um intenso trabalho em nível de campo, realizado nas últimas cinco safras, envolvendo milhares de produtores-chave dos principais cultivos do País. A Spark reúne hoje um amplo e diversificado acervo de informações quantitativas e qualitativas sobre os mercados de defensivos agrícolas e sementes. Em seis anos de atividades, a Spark concluiu mais de 160 estudos especiais e 300 cotas de estudos painel. Nesse período, os profissionais da empresa aplicaram mais de 130 mil entrevistas e percorreram em torno de 4,5 milhões de quilômetros no território nacional.

Mais informaçõeshttp://spark-ie.com.br/

ARTIGOS RELACIONADOS

ALTA Tecnologia no Congresso Andav

  A ALTA " América Latina Tecnologia Agrícola " participado Congresso Andav há dois anos, desde olançamento da empresa no mercado brasileiro, em 2014. “Esta...

Fosfitos – Indutores de resistência da cana às doenças

Autores Renato Passos Brandão Gerente do Departamento Agronômico do Grupo Vittia renatobrandao@vittia.com.br Rafael Bianco Roxo Rodrigues Gerente Técnico de São Paulo e Sul de...

Cenoura de verão deve ser resistente às doenças

  Marcelo Vieira da Silva Engenheiro agrônomo e consultor técnico de vendas da Agrocerrado marcelovieira@agrocerrado.com.br A cenoura (Daucuscarota L.) é uma hortaliça de grande importância econômica no Brasil....

Respostas da alface às algas + bioestimulantes

Vandimilli Araujo Lima Graduanda em agronomia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA) Rafaella de Paula Avelar Mestranda em Fisiologia Vegetal - UFLA A alface (Lactuca sativa) é...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!