Cana: Manejo sustentável com Azospirillum brasilense

0
273

Autores

Renato Passos BrandãoGerente do Deptº Agronômico do Grupo Vittia

Viviane C. Martins BordignonGerente de Produtos Inoculantes

Camila AbrahãoAssistente Técnica do Deptº Agronômico do Grupo Vittia

O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar, sendo uma cultura de grande importância socioeconômica no Estado de São Paulo, Zona da Mata de Alagoas e Pernambuco. Recentemente, ocorreu uma grande expansão da cultura da cana-de-açúcar no Triângulo Mineiro, Goiás, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

Além da produção de açúcar, a cana é uma das melhores alternativas para a produção de biocombustíveis (etanol). Atualmente, as unidades de produção também atuam na geração de energia elétrica, aumentando a receita e contribuindo para a sustentabilidade da atividade econômica (Conab, 2017).

Nitrogênio na cana

As quantidades de nitrogênio extraídas do solo pela cana-de-açúcar variam de acordo com os métodos de cultivo, variedade, tipo de solo e produtividade do canavial. O nitrogênio é o segundo nutriente mais absorvido pela cana-de-açúcar, superado apenas pelo potássio.

Créditos: Shutterstock

P2O5 = P x 2,291

K2O = K x 1,205

No Brasil, em média, são aplicados 45 kg/ha de N na cana-planta e 80 kg/ha de N nas soqueiras. O acúmulo de N total nas folhas verdes e secas e nos colmos da cana-planta podem atingir 260 kg/ha de N (Vittia et al., 2011) e 120 kg/ha de N nas soqueiras (Baptista et al., 2014), valores superiores ao fornecimento via adubação nitrogenada.

A complementação da necessidade do nitrogênio da cana é proveniente do solo – mineralização da matéria orgânica, aporte de nitrogênio via descargas elétricas e fixação biológica do nitrogênio.

Funções do nitrogênio

O nitrogênio está diretamente relacionado com a produtividade e a qualidade da cana-de-açúcar. Este elemento é responsável pelo desenvolvimento vegetativo da cana. Entretanto, pode diminuir o teor de sacarose dos colmos.

Tem função estrutural, participando de diversos compostos orgânicos nitrogenados – aminoácidos, proteínas, aminas, amidas, aminoaçúcares, dentre outros (Malavolta, 2006). Atua na produção da clorofila e está envolvido diretamente na fotossíntese da cana-de-açúcar (Prado, 2008).

Ciclo do nitrogênio

O nitrogênio é um dos elementos químicos mais dinâmicos na natureza e suas transformações são mediadas por microrganismos (Figura 1). O nitrogênio é o principal componente da atmosfera, correspondendo a cerca de 78% de sua composição.

Entretanto, poucas espécies são capazes de utilizá-lo, dentre as quais algumas bactérias e cianobactérias, em um processo biológico denominado de fixação biológica do nitrogênio – FBN. Nesse processo, as bactérias convertem o nitrogênio gasoso (N2) em amônia (NH3) que posteriormente é convertida em íon amônio (NH4+).

N2 (g) + 3H2 (g) → 2NH3 (g) + H+ (aq) → 2NH4+ (aq)

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.