22.6 C
Uberlândia
quinta-feira, abril 18, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosCarbono orgânico: quantidade é qualidade?

Carbono orgânico: quantidade é qualidade?

A maioria dos consultores orientam que o teor de carbono orgânico de um fertilizante é referência de qualidade de produto. No entanto, o mais importante é saber qual é a fonte desse carbono orgânico

Muriel Cicatti Emanoeli Soares
Engenheira agrônoma e Analista de Pesquisa e Desenvolvimento – Technes

Seja o produto orgânico ou organomineral, uso para solo ou foliar, muito tem se falado sobre aqueles que garantem Carbono Orgânico em sua composição.

Temos que pensar que o elemento Carbono está sempre associado a alguma molécula. Ele pode estar presente na composição dos aminoácidos, dos carboidratos, nos fitormônios, nas substâncias húmicas, na lignina e nos mais variados compostos.

Por isso, independentemente da quantidade de Carbono Orgânico que um produto contém, o mais importante é ficar atento quanto à sua origem, atividade e biodisponibilidade sobre a planta e/ou solo.

O agricultor deve ficar atento a origem e biodisponibilidade do fertilizante a ser aplicado
Foto: Shutterstock

Ele sempre estará presente na forma de algum composto e temos que entender como esse composto atua na planta ou no solo.

Matéria orgânica bioestabilizada

Matéria orgânica bioestabilizada, como a turfa, tem alta concentração de carbono (cerca de 58% da MO é carbono). Esse carbono, em grande parte, está presente nas substâncias húmicas. Dentre as elas, a humina é altamente estável e insolúvel, tendo ação apenas estrutural nos solos.

 Ácidos fúlvicos são moléculas pequenas e altamente solúveis, que podem facilmente ser absorvidas pelas raízes e ter ação na fisiologia da planta. Isso nos diz que uma matéria orgânica pode ter diferentes compostos, cada um com uma ação diferenciada sobre a planta e/ou solo.

É fato que todas as plantas necessitam de uma fonte de carbono. Isto é tipicamente obtido a partir da fotossíntese, com a absorção do CO2 atmosférico, gerando carboidratos e outros compostos necessários para a sobrevivência dos indivíduos.

Aplicação

A aplicação por via foliar de aminoácidos, extrato de algas, melaço e outros fertilizantes organominerais tem como objetivo observar a ação desses elementos propriamente ditos no interior das plantas.

Os aminoácidos apresentam ação fisiológica, hormonal e estrutural. O extrato de algas tem ação hormonal e atua como um regulador anti-estresse. O melaço é composto por carboidratos/açúcares e, por isso, não tem ação fisiológica, apenas é fonte energética de rápida assimilação. 

Porém, ao aplicarmos esses elementos nas folhas, eles carregam consigo, em sua estrutura, o carbono, que pode ou não ser biodisponibilizado, de acordo com a necessidade da planta.

40% de carbono

Um aminoácido pode ter mais de 40% de carbono em sua estrutura, podendo servir como fonte de carbono e de energia para uma planta, e não ser utilizado para o que de fato se destina. Quando uma planta entra em estresse e diminui sua taxa fotossintética, seus fotoassimilados se tornam insuficientes.

Assim, a planta quebra um aminoácido em amônia e ácidos orgânicos, que constituíam originalmente sua molécula. Esses ácidos orgânicos entram no ciclo de Krebs, e são quebrados, liberando energia através da respiração.

Proteossíntese

É importante destacar que a planta, ao absorver um aminoácido, realizará a proteossíntese, formando as proteínas necessárias para sua estruturação e defesa. Sendo assim, o carbono absorvido através dos aminoácidos permanece de forma “protegida” nas proteínas, podendo ser requisitado conforme necessidade.

O melaço, por apresentar carboidratos de rápida assimilação, embora apresente alto teor de carbono em sua molécula, não o mantém estável por muito tempo. Esses carboidratos rapidamente são consumidos pela planta para a geração de energia e o carbono é liberado na forma de CO2 na respiração, não ficando ativo na planta.

A maioria dos técnicos da área agrícola tomam o teor de carbono orgânico de um fertilizante como referência de qualidade de produto. No entanto, esta interpretação pode levar à não compreensão do produto analisado. O mais importante é saber qual é a fonte desse carbono orgânico. Devemos analisar mais a fundo, pesquisar do que é feito o produto para sabermos se possui ou não atividade biológica sobre a planta ou solo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Adubação correta auxilia na qualidade das plantas

Especialistas falam sobre a prática que repõe nutrientes no solo.

A abóbora híbrida

Se um produtor procura por confiança, qualidade e segurança ao escolher sementes ...

Café de Capitólio (MG) é o melhor da safra 2020 da Cooxupé

Lote é o campeão do Programa Especialíssimo da cooperativa, que premia os cooperados que produziram café arábica de maior qualidade

Alta umidade dos grãos afeta qualidade e interfere no preço do produto

As projeções seguem apontando para mais uma safra de grãos recorde em 2021, mas o excesso de chuvas começa a preocupar os agricultores em várias regiões agrícolas do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!