15.9 C
São Paulo
sexta-feira, julho 10, 2020
Início Revistas Florestas

Florestas

Demarcação para desbaste e cortes intermediários

Os cortes intermediários são comuns durante o manejo florestal para a melhoria dos talhões. Um corte intermediário pode gerar inúmeros benefícios, tais como: ganho de estabilidade do plantio, aperfeiçoamento da estrutura do povoamento, melhoria do estado sanitário e incremento da qualidade de madeira produzida.

Cedro australiano: Plantios tardios e adequação ao clima são boas oportunidades

O Brasil ainda não produz madeira de cedro australiano em escala comercial. Os produtores que têm árvores em ponto de corte são os que conseguiram manejar com algum sucesso as mudas de semente plantadas há mais de 15 anos.

Bambu: Ator da regeneração de espécies nativas

O bambu é uma cultura tropical, de produção anual e de rápido crescimento, possuindo uma grande variedade de espécies. A espécie tem se mostrado um ótimo sequestrador de carbono, além de possuir características físicas e mecânicas fantásticas, tornando-o viável para o desenvolvimento de variados produtos.

Florestas plantadas: Investimento atraente com baixa da Selic

A queda da taxa básica de juros (Selic) para 4,25% reduz o interesse de investimentos em fundos de renda fixa como o CDB, LCA (Letra de Crédito Agrícola), LCI (Letra de Crédito Imobiliários) e faz com que investidores busquem alternativas de investimento em longo prazo, de baixo risco. Diante de uma baixa taxa de juros, o investimento em florestas plantadas é capaz de remunerar o capital acima da renda fixa.

Bagaço de cana: alternativa para gerar energia

A competitividade da indústria brasileira está fortemente correlacionada ao custo de um dos seus principais insumos: a energia elétrica. No setor de celulose, as plantas industriais são capazes de produzir toda a energia necessária ao processo fabril, disponibilizando o excedente para o Sistema Interligado Nacional (SIN).

Produção de pellets de última geração

A tecnologia da Biomassa Pellets Brasilfoi projetada pelos engenheiros do Brasil e da Itália para a produção de 01 ton/hora de pellets (unidade básica com oito equipamentos) e o de 1,6 ton/hora (unidade completa com dezoito equipamentos com certificação internacional e ex-tarifário, como o sistema de moagem, peletização, resfriamento e embalagem industrial).

Mini-equipamentos: A versatilidade para as florestas

A utilização de maquinários nas operações florestais é um processo contínuo de melhorias, com a finalidade de otimizar todas as etapas do processo de produção de madeira. Nesse sentido, a introdução das minicarregadoras e miniescavadeiras aumenta a versatilidade das operações florestais, especialmente para o pequeno e médio produtor.

Monitoramento integrado BAMGES

Créditos: Fernando Igor de Godoi O estudo feito em 26 áreas, incluindo locais considerados como...

Manejo da madeira pode interferir na rentabilidade

AutorAlessandro Magalhães Boccia Ribeiro Engenheiro florestal e diretor técnico da Forte Florestal alessandro@forteflorestal.com.br Crédito Gustavo...

Uso de drones revoluciona o combate a incêndios florestais

Os drones são ferramentas de apoio que podem ser cruciais em incêndios florestais de grande escala, que tendem...

Guanandi: Garantia de rentabilidade múltipla para o silvicultor

Autores José Geraldo Mageste jgmageste@ufu.br Antônio Cola Zanúncio ajvzanuncio@yahoo.com Engenheiros florestais, Ph.D. e professores – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Emmerson Rodrigues...

Transportadoras de madeira e celulose: Novo sistema de monitoramento

Crédito Veracel O transporte de cargas pesadas requer uma responsabilidade redobrada, tanto das prestadoras deste tipo de serviço quanto...

Acompanhe

3,104FãsCurtir
3,787SeguidoresSeguir
172SeguidoresSeguir
280InscritosInscrever
- Publicidade -
- Publicidade -

TEMPO

São Paulo
nublado
15.9 ° C
17 °
15 °
93 %
5.1kmh
90 %
dom
20 °
seg
20 °
ter
23 °
qua
24 °
qui
23 °
- Publicidade -