26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiCebola é exigente em adubação de fósforo no plantio

Cebola é exigente em adubação de fósforo no plantio

Geraldo Milanez de Resende

JonyEishi Yuri

Nivaldo Duarte Costa

Pesquisadores da Embrapa Semiárido

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

A planta com nutrição equilibrada desenvolve-se em três fases de crescimento bem definidas, que compreende da semeadura ao início da bulbificação (em torno de 60 – 70 dias, dependendo do ciclo da cultivar), onde o acúmulo de matéria seca da parte aérea é muito pequeno em relação ao máximo acumulado no final do ciclo.

A segunda fase, entre 70 e 110 dias após a semeadura (DAS), se caracteriza por maior acúmulo de massa seca na parte aérea e início do crescimento do bulbo e finaliza em uma última fase, após 110 dias até a maturação por total ausência de crescimento e pela maior translocação de fotoassimilados e redistribuição de nutrientes e outros compostos para o bulbo, em função da sua senescência.

As quantidades de fósforo (P) exigidas pela cebola são, em geral, baixas, quando comparadas com o nitrogênio e o potássio. No entanto, apesar da menor exigência, os teores desse nutriente, bem como a velocidade do seu restabelecimento na solução do solo, não são suficientes para atender as necessidades da cultura. Como consequência desses fatos, nas adubações é o fósforo o nutriente que entra em maiores proporções.

O fósforo é o nutriente mais aplicado em nossos solos, os quais, em geral, são pobres no elemento. Na busca por altas produtividades, é importante elevar a disponibilidade de P na solução do solo, o que leva produtores a aplicar altas doses de P aos cultivos.

O manejo

A profundidade efetiva do sistema radicular da cebola é em torno de 20-25 cm e a localização do fertilizante fosfatado pode influenciar mais do que a dose, sendo considerado como profundidade limite 7,5 cm abaixo do sulco de plantio das mudas ou da semeadura direta.

Em geral, o fertilizante é aplicado de maneira localizada, como nas linhas de semeadura.Contudo, pode também ser aplicado a lanço, mas em se tratando do fósforo, é uma prática ainda controversa e as opiniões divergem.

O produtor de cebola que distribui os fertilizantes diretamente em sulcos ou linhas deve sempre regular a máquina para que o adubo fique situado 2,5 cm abaixo e 2,5 cm ao lado das sementes/mudas.

Quando aplicar

As limitações na disponibilidade de fósforo no início do ciclo vegetativo podem resultar em restrições no desenvolvimento, e a planta não se recupera posteriormente, mesmo aumentando o suprimento de fósforo a níveis adequados. O suprimento adequado de fósforo é essencial desde os estádios iniciais de crescimento da planta.

A cultura absorve fósforo desde os primeiros estádios de crescimento, durante a germinação e a emergência e, daí por diante, até a senescência. O fósforo é, reconhecidamente, um nutriente relevante para a obtenção de produtividade elevada.

Tem sido o macronutriente que frequentemente limita a produção, e apesar da pequena exigência da cultura são obtidas respostas positivas à adubação fosfatada.

A profundidade do sistema radicular da cebola é em torno de 20-25 cm - Crédito Shutterstock
A profundidade do sistema radicular da cebola é em torno de 20-25 cm – Crédito Shutterstock

Dosagem recomendada

O sucesso da adubação na cultura, em termos do manejo ideal na nutrição da planta, é a análise do solo e sua correta interpretação. A amostragem realizada da forma técnica recomendada e a realização da análise em laboratório credenciado propiciarão confiança nos resultados obtidos, demonstrando a situação da fertilidade do solo no momento e qual dosagem de adubos é a mais recomenda.

O estímulo às boas práticas para o uso correto de fertilizantes passa das consequências econômicas ao manejo de nutrientes. Isso considera que sejam escolhidos com a composição e combinação adequadas e aplicados na dose, época e locais corretos.

As recomendações de fertilização para a cultura da cebola devem seguir orientações técnicas baseadas na análise de solo, em função da fertilidade do solo e geralmente são feitas por Estados. Para Minas Gerais e São Paulo sugerem-se adubações que variam de 50 a 90 kg/ha (alta fertilidade) a 300 kg/ha de fósforo (baixa fertilidade), respectivamente.

Custo

O custo da aplicação vai variar em função, principalmente, da forma a ser adotada na aplicação do nutriente (manual, mecânica ou fertirrigação). Aplicado manualmente, gasta-se em torno de 04 dias/homem/ha.

Diversos fertilizantes podem ser utilizados para a fertirrigação, mas os adubos fosfatados (superfosfato simples, superfosfato triplo e o monofosfato de amônio) podem causar obstruções de emissores e incrustações nas canalizações, principalmente quando a água é alcalina.

A solução desse problema pode estar na utilização do ácido fosfórico como fonte de fósforo, que também é vantajoso economicamente, pois, em irrigação localizada, geralmente é utilizado o monofosfato de amônio purificado, que possui maior preço.

Viabilidade

 

Estima-se que a produtividade das culturas é limitada pela sua deficiência entre 30 a 40% das terras agricultáveis do mundo. Pelo exposto, a dose adequada a ser aplicada na cebola é de suma importância para obtenção de produtividades elevadas, demonstrando um alto retorno em termos da relação custo da aplicação e beneficios além da produtividade, como qualidade dos bulbos que apresentam maior peso médio.

Por fim, é importante saber que o nutriente favorece o desenvolvimento do sistema radicular, aumentando a absorção de água e de nutrientes; melhorando a qualidade e o rendimento da lavoura. Especificamente na cebola, se relaciona à precocidade, maior diâmetro dos bulbos e produtividade.

Essa matéria você encontra na edição de abril 2018  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Correto manejo de adubação da abóbora tetsukabuto

A abóbora tetsukabuto apresenta características mercadológicas e produtivas atrativas aos olericultores, principalmente do Estado de Minas Gerais, polo produtor da cultura no Brasil, como a rusticidade, precocidade, valor agregado compensatório, elevado potencial produtivo (8 a 15 ton ha-1, a depender da cultivar), uniformidade dos frutos, resistência ao manuseio e tempo de prateleira extenso.

Gesso – Solução eficiente para amenizar os efeitos da falta de chuva nas lavouras

  A aplicação de 13 toneladas de gesso por hectare proporcionou um incremento de 19 sacas de milho por hectare, ou seja, 15% de aumento...

Conheça a tecnologia para produtores de cebola e alho

Berço do cultivo de cebola no Brasil, o Rio Grande do Sul é hoje o terceiro maior produtor nacional do legume.

Aegro recebe aporte de 2,5 milhões da SP Ventures e a ABSeed

A Aegro Informática Ltda., startup que possui uma plataforma focada na gestão e na otimização de produção agrícola através de um software que permite...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!