21.3 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioMercadoChuva volta a prejudicar safra de Feijão

Chuva volta a prejudicar safra de Feijão

Perdas podem chegar a 70% em algumas lavouras do interior do Paraná

Perdas nas lavouras
Perdas nas lavouras

A semana começou com uma nova alta nos valores de negociação do Feijão pelo país. As pesquisas realizadas pelo Instituto Brasileiro do Feijão & Pulses (Ibrafe) constataram que a  chegada das chuvas e das baixas temperaturas no Paraná agravaram a situação da colheita e vão reduzir ainda mais a oferta. A estimativa é de que haja perda em torno de 70“‹/80“‹% em algumas lavouras “‹não colhidas antes da chuva no estado.

Perdas nas lavouras  (2)

Diante desse cenário, nos estados do Paraná e de Goiás, os negócios giram em torno de R$250 para o Feijão-carioca. Essas negociações abrem uma janela de oportunidade de comercialização para os produtores que ainda possuem área para colher.

Desde o mês de fevereiro, já era esperado um déficit de mais de 20 mil toneladas e, posteriormente “‹ em junho, um superávit. Se há uma perda de aproximadamente 18% a 20% no Paraná, isso significa que não haverá um superávit e, sim, um déficit para o mês de junho, que pode chegar a 60 mil toneladas.

A situação que já é grave, pode piorar no final de semana com a previsão de geadas na madrugada entre sexta (9) e sábado (10). Com isso, além da queda na produtividade, há também a baixa na qualidade do grão, já que a chuva impede os tratamentos necessários nas lavouras.

“‹“É possível também que as áreas tenham sido superestimadas oficialmente. Desejamos que os produtores consigam colher o final da safra. “‹Mesmo colhendo o que há no Paraná, ainda há a “‹perspectiva“‹ expectativa de que possamos voltar e ter preços históric“‹amente alt“‹os. Fica cada dia mais claro“‹ que necessitamos de uma estratégia governamental que faça frente a estas situações extremas“, afirmou o presidente do conselho do Ibrafe, Marcelo Eduardo Lüders.

A expectativa é de que a terceira safra, que deve ser colhida nos meses de julho e agosto, possa chegar no mercado com preços elevados.

A Argentina, que seria a principal “‹exportadora de Feijão-preto para este primeiro semestre, também não está em boas condições. A qualidade do Feijão não é tão boa e a quantidade disponível para importação não vai conseguir suprir a demanda do mercado brasileiro.

Perdas nas lavouras  (3)

“‹O Feijão corre o sério risco de voltar a fazer parte das manchetes como vilão da inflação.  “‹

Carolina Gomes

Assessora de Comunicação

ARTIGOS RELACIONADOS

TNTEX e Protfrutas – Parceria de sucesso contra a broca-do-tomateiro

Tomates frescos, saudáveis, sem agrotóxicos é o que propõe a TNTEX, empresa genuinamente cearense, produtora do Agrotex, embalagens de TNT (tecido não tecido) para...

Produção de berinjela em hidroponia

Douglas José Marques Doutor e professor de Olericultura e Melhoramento Vegetal - Universidade José do Rosário Vellano (Unifenas) douglasjmarques81@yahoo.com.br O cultivo de berinjela japonesa deve ser feito...

Produção de cebolinha hidropônica no telado

Elisamara Caldeira do Nascimento Talita de Santana Matos Glaucio da Cruz Genuncio glauciogenuncio@gmail.com Doutores em Agronomia Bruno Rossafa Licenciado em Ciências Agrícolas A cebolinha (Alliumschoenoprasum) é originária do continente Europeu, pertencente...

Sistemas biodiversos: A integração como agricultura

Autor Afonso Peche Filho Pesquisador científico do Instituto Agronômico de Campinas afonsopeche@gmail.com Atualmente, as atividades agrícolas da forma que são realizadas produzem, sabidamente, impactos significativos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!