24.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesChuvas de granizo, e agora?

Chuvas de granizo, e agora?

Essas chuvas de granizo, além de impressionar pela abrangência da área atingida, impressiona também pelo nível dos danos causados, o que, sem dúvida alguma, afetará ainda mais a safra 2023.

Os desafios para os cafeicultores não acabam. Após eventos climáticos, como as recentes secas e geadas que castigaram as lavouras de café em importantes regiões cafeeiras do Brasil culminando na perda do potencial produtivo das safras de 2021, 2022 e, certamente, 2023, a cafeicultura, desta vez, se depara frente a outra enorme adversidade: as chuvas de granizo que atingiram as principais regiões produtoras de Minas Gerais, em especial, o Sul de Minas. Até então, a cafeicultura brasileira nunca se deparou com uma chuva de granizo tão abrangente, podendo esta ser considerada a maior chuva de granizo que o setor já enfrentou em toda sua história.

Essas chuvas de granizo, além de impressionar pela abrangência da área atingida, impressiona também pelo nível dos danos causados, o que, sem dúvida alguma, afetará ainda mais a safra 2023. Outro fator que chama a atenção é a recorrência em que estas chuvas vem acontecendo. Até aqui, neste segundo semestre, já foram ao menos quatro ocorrências que atingiram diversas lavouras cafeeiras de modo significativo.

Ao produtor, é cabível que adote determinadas medidas preventivas, tal como seguro de lavouras. Além disso, para as lavouras atingidas, orienta-se adoção de medidas curativas, tais como foliares com produtos à base de cobre que, além de auxiliar na cicatrização, impede a entrada de fungos, como a Phoma, e de bactérias, como pseudomonas, causadores de doenças entre as quais, caso não controladas, culminarão em perdas ainda maiores. É importante ressaltar que, para um controle eficiente, orienta-se que o produtor entre com a aplicação das foliares dentro de um período limite de 48 horas do momento em que a lavoura tiver sido atingida. Caso não seja possível, orienta-se que o produtor adicione um produto curativo, à base de triazol ou boscalida, por exemplo, o que que auxiliará no controle.

Outro ponto importante a se observar é que, ainda que o produtor tenha realizado uma aplicação foliar recente, ele deve efetuar o tratamento novamente após a chuva de granizo haja vista que a aplicação realizada anteriormente, não protege a planta da entrada de doenças nas novas lesões ocasionadas pelos granizos.

Em relação à poda, cada caso deve ser analisado pontualmente. Entretanto, de um modo geral, dado o fato de que novembro já não é mais um período propício para esta prática, o mais sensato é que, a essa altura, o produtor não entre com o manejo de podas em suas lavouras, mas sim com tratamentos fitossanitários mais frequentes em vistas de proporcionar as devidas condições para que as plantas se recuperem para a safra 2024, com exceção, das lavouras cujos danos foram seriamente graves. Portanto, no que tange à poda, cada caso deve ser analisado pontualmente.“Por fim, lembrem-se: a cafeicultura, assim como a vida, é um desafio. É um constante ultrapassar de obstáculos, uma infinita superação de adversidades. Cultivar café, é se desafiar, se superar, se erguer e reerguer, sempre com uma única certeza, o sucesso de nossa cafeicultura decorre de nossa capacidade de resiliência frente aos desafios que nunca vão deixar de surgir. Vamos adiante!!” (José Edgard Pinto Paiva – Presidente da Fundação Procafé).

ARTIGOS RELACIONADOS

Cuidados no pós-colheita preservam a qualidade do café

Com o clima seco dos últimos dias, cafeicultores avançaram na colheita de café, atingindo 95% da área plantada no Brasil.

Fosfito x Phoma do cafeeiro

  Manoel Batista da Silva Júnior Engenheiro agrônomo, doutorando em Fitopatologia - Universidade Federal de Lavras (UFLA) Rafael Jorge Almeida Rodrigues Engenheiro agrônomo, mestrando em fitotecnia " UFLA...

Inundações no Rio Grande do Sul trazem grandes incertezas para a soja brasileira

Além de todo o impacto humanitário, o evento climático trouxe grande volatilidade para os mercados de grãos, dado que o estado tem uma grande produção de soja e milho

Fenicafé leva tecnologia e aproxima produtores do mercado

Foi aberta na manhã de hoje, em Araguari, Minas Gerais, a 26ª edição da Fenicafé.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!