20.6 C
Uberlândia
sábado, maio 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesChuvas no Rio Grande do Sul foram intensificadas por mudanças climáticas, confirma...

Chuvas no Rio Grande do Sul foram intensificadas por mudanças climáticas, confirma estudo

Análise reforça que o El Niño e outros fenômenos naturais podem ter desempenhado um papel pequeno em agravar ainda mais a chuva, mas sua contribuição foi menor do que o impacto do aquecimento do planeta

A ministra Cida Gonçalves (Mulheres) teve reunião com o governador Eduardo Leite neste domingo para articular atendimento especial às meninas e mulheres em abrigos. Foto: Min. Mulheres

Cientistas analisaram as condições meteorológicas que atingiram a região Sul do país entre o final de abril e início de maio e concluíram que as mudanças climáticas em curso, causadas pela ação humana, tornaram as chuvas 15% mais intensas. A análise do grupo de pesquisadores ClimaMeter aponta que as alterações do clima desempenharam um papel importante em alimentar este episódio de chuvas intensas, pois a contribuição do El Niño sozinho não pode explicar a intensidade do evento observado.

O evento extremo que levou a uma das maiores tragédias climáticas da história do país foi provocado por um sistema de baixa pressão sobre o sul do Brasil, que trouxe grandes quantidades de chuva para o Rio Grande do Sul, com regiões do estado acumulando mais de 200 mm de precipitação ao longo de três dias.

Para analisar os fatores desse evento meteorológico extremo, os cientistas do ClimaMeter conduziram uma análise rápida utilizando uma metodologia baseada em informações meteorológicas históricas dos últimos 40 anos. Os pesquisadores compararam como eram os sistemas de baixa pressão semelhantes no final do século XX (1979-2001) e como estão agora, nas últimas décadas (2002-2023), quando o efeito das mudanças climáticas se tornou mais evidente. A análise também avalia a contribuição de fenômenos naturais, como El Niño, que está atualmente em curso e é conhecido por aumentar a precipitação no sul do Brasil. Usando essa metodologia, os cientistas descobriram que as depressões semelhantes às que atingiram o Rio Grande do Sul agora são cerca de 15% mais intensas.

“Os achados do ClimaMeter destacam que as inundações no Rio Grande do Sul foram intensificadas pela queima de combustíveis fósseis, não pelo El Niño. Essas inundações impactam de forma desproporcional comunidades vulneráveis que são injustamente sobrecarregadas pelas consequências, apesar de terem pouca responsabilidade pelas mudanças climáticas”, diz Davide Faranda, pesquisador do Instituto Pierre-Simon Laplace de Ciências do Clima e um dos autores do estudo. “No entanto, ainda existem maneiras de mitigar esses riscos. Ao abordar as mudanças climáticas em escalas regional e global, podemos proteger vidas humanas e limitar a frequência e a intensidade de eventos climáticos extremos. Isso envolve uma redução imediata das emissões de combustíveis fósseis e medidas proativas para proteger áreas vulneráveis de padrões de precipitação cada vez mais erráticos. Tomar medidas decisivas agora para combater as mudanças climáticas é crucial para construir comunidades mais seguras, capazes de resistir aos desafios climáticos futuros.”

Também autora do estudo, a pesquisadora brasileira Luiza Vargas, graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, reforça que o estado historicamente sente os efeitos do El Niño, que aumenta a precipitação sobre a região e causou inundações no passado. No entanto, a análise mostra que o evento atual foi intensificado pelas mudanças climáticas, quebrando recordes de inundação em várias cidades.

“A infraestrutura projetada para proteger contra precipitações extremas e inundações tem sido insuficiente no evento atual, deslocando milhares de famílias, especialmente aquelas com menor status socioeconômico. Há uma clara necessidade de investimentos em infraestrutura e planos de contingência de emergência para mitigação de tais eventos extremos, pois espera-se que aumentem sob as mudanças climáticas”, fala Luiza.

Erika Coppola, The Abdus Salam International Centre for Theoretical Physics, Itália:

“O Sudeste da América do Sul é uma das regiões onde tanto as tendências observadas no passado quanto as projeções climáticas futuras concordam que a intensidade e a frequência de eventos extremos de precipitação e inundações pluviais aumentaram e continuarão a aumentar até que cessem as emissões de combustíveis fósseis.

“A mensagem é clara e nossos resultados nos direcionam para a mesma direção, identificando o componente humano como responsável por isso. Não há tempo para esperar por ações, dada a alta vulnerabilidade da região a eventos climáticos extremos e seus impactos na segurança alimentar, infraestrutura e saúde.”

Gabriele Messori, Uppsala University, Suécia:

“A análise do ClimaMeter destaca que, embora o El Niño-Oscilação Sul tenha favorecido a precipitação intensa no Sul do Brasil, não explica por que esses eventos se intensificaram localmente em comparação com o passado. A análise mostra que as mudanças climáticas causadas pelo homem desempenharam um papel, e podemos esperar que isso só aumente no futuro, a menos que ajamos rapidamente para minimizar mais mudanças climáticas.”

ARTIGOS RELACIONADOS

Planejamento para a próxima safra de soja: doenças e clima

Especialista explica a importância do produtor se atentar a fatores que impactam fortemente na rentabilidade das lavouras da oleaginosa

Responsáveis Técnicos da suinocultura têm prazo para cumprimento de normas

Dezenas de responsáveis técnicos de agroindústrias e de produtores independentes participaram essa semana de encontro virtual do Conselho Técnico Operacional da Suinocultura (CTOS) do...

Pós-colheita em frutíferas de clima temperado

Os açúcares das reservas nutricionais da planta desempenham um papel importante no crescimento e desenvolvimento das primeiras brotações de frutíferas de clima temperado

O clima do agronegócio será marcado por chuvas após calor intenso

Os dados mais atualizados dos modelos meteorológicos indicam a possibilidade da formação de um corredor de umidade para os próximos dias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!