27.9 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosCobertura com capim braquiária aumenta a produção de soja e milho?

Cobertura com capim braquiária aumenta a produção de soja e milho?

Autores

Felipe Rogerio Nedilha
Médico veterinário e mestrando em Produção Vegetal – Unicentro
Laís Cristina Bonato Malmann Nedilha
Engenheira agrônoma e doutoranda em Produção Vegetal – Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Janaina Marek
Engenheira agrônoma e doutora em Produção Vegetal
janainamarek@gmail.com
Crédito: Amarildo Francisquini

O capim braquiária (Urochloa ruziziensis) é uma gramínea tropical típica do continente Africano, de porte médio/alto (cerca de 1,20 m), com folhas pilosas grandes de coloração verde claro e possui raízes profundas. É uma gramínea perene, e antigamente era considerada uma planta invasora, mas hoje é uma forte aliada para os agricultores que utilizam o sistema de plantio direto (SPD).

O SPD é uma alternativa que contribui para a sustentabilidade de sistemas agrícolas intensivos, mantendo o solo coberto por restos culturais e/ou plantas vivas o ano todo, diminuindo efeitos da erosão e acrescentando matéria orgânica, contribuindo com resultados de altas produções de maneira sustentável.

Benefícios

A utilização do SPD tem possibilitado a manutenção dos estoques de carbono no solo, e, consequentemente, melhorado os atributos químicos, físicos e biológicos do solo. Esse sistema baseia-se na rotação de culturas, não revolvimento do solo e o uso de plantas de cobertura.

A utilização de plantas de cobertura previne a degradação do solo pela maior agregação das partículas, proteção da superfície do solo ao impacto direto das chuvas e pela palhada produzida. Além disso, possui capacidade de reciclar nutrientes para as plantas que serão cultivadas em sucessão, ou seja, as plantas de cobertura auxiliam para a redução de custos de produção, principalmente fertilizantes minerais.

A escolha do capim braquiária para cultura de cobertura baseia-se em suas características, tais como:

ð Alta produção de palhada;

ð Melhora a qualidade física do solo: suas raízes profundas ajudam a diminuir a compactação, aumentam a infiltração e a retenção de água no solo;

ð Melhora a qualidade química do solo: pela grande produção de palhada e de raízes que contribuem com a matéria orgânica do solo, e aumenta a disponibilidade de fósforo (P) para plantas em sucessão;

ð Qualidade da forragem, que contribui para a ciclagem de nutrientes no solo;

ð Tolerância às adversidades climáticas e escassez hídrica, com excelente adaptação à maioria das regiões brasileiras;

ð Menor formação de touceiras, associado à fácil dessecação com herbicidas não seletivos;

ð Palhada remanescente suficiente para o controle de plantas daninhas;

ð Excelente cobertura do solo com baixa taxa de decomposição, sendo que 70 dias após a dessecação pode-se ter em torno de 3500 kg/ha de palha;

ð Facilidade no manejo para o plantio da cultura da soja;

ð Capacidade de diminuir a compactação do solo, devido ao seu grande desenvolvimento de raízes.

Como implantar a técnica

Para a implantação e condução eficiente do SPD, é fundamental que a quantidade mínima de palhada não seja inferior a 3,0 a 4,0 t/ha de massa seca. Nesse sistema é indicado a utilização de forragens que produzam, em média 6,0 t/ha/ano ou mais de massa seca.

Para o produtor que deseja adotar a prática, é recomendado que a sobressemeadura da braquiária na soja seja realizada inicialmente a partir do estágio R5 (fase de enchimento de grãos) com quantidade de sementes de 3,0 – 8,0 kg/ha. A sobressemeadura de braquiária após o estágio R5 da soja não afeta a produtividade da cultura, pois neste estágio, em que está ocorrendo o enchimento de grãos, a braquiária estará germinando e não utilizará nutrientes do solo, permitindo que todos os recursos sejam utilizados pela cultura da soja.

Outro fator determinante é que a sobressemeadura nos estágios antes de R5 apresentam baixa taxa de germinação da braquiária, devido à baixa luminosidade. A braquiária consorciada com o cultivo de milho-safrinha visando a produção de grão e de palha no SPD também é uma alternativa que garante maior produtividade da soja e do milho em sucessão.

Contra daninhas

Essa técnica de cultivo favorece o baixo desenvolvimento de plantas daninhas, reduzindo a aplicação de produtos químicos, além de proporcionar cobertura do solo na entressafra controlando a invasão das ervas daninhas, uma vez que a utilização de milho RR na safrinha pode acarretar maiores custos com o controle de plantas daninhas no ciclo de soja seguinte, pela impossibilidade de utilizar consórcio de milho e braquiária com essa cultivar de milho.

A dessecação da braquiária deve ocorrer cinco dias antes da semeadura da soja, para garantir o controle de plantas daninhas no período inicial de desenvolvimento da cultura. A dessecação em períodos menores que cinco dias antes do plantio pode acarretar em redução de até 30% da produção.

Mais produtividade

A semeadura de braquiária, quando realizada na mesma época de semeadura do milho-safrinha, aveia e milheto, é uma alternativa que veio complementar uma escassez na formação de palhada para o plantio de verão. A palhada de milho-safrinha, aveia e milheto, com o aumento da temperatura, desaparecem da lavoura, enquanto a palhada da braquiária pode chegar até março, devido à relação carbono/nitrogênio ser alta, fazendo com que a decomposição seja lenta.

Quando realizada a safra de verão da soja sobre a palhada de braquiária em um ano de condições normais de clima, é possível ter um aumento de quatro sacas por hectare, enquanto em um ano com clima seco a utilização de braquiária pode apresentar uma diferença de 10-20 sacas por hectare, quando comparada com plantio sem consórcio.

Esse aumento na produtividade em épocas quentes e com escassez de chuva ocorre devido à palhada da forrageira aumentar a capacidade de reserva de água no, devido a suas raízes profundas e intensas, favorecerem a percolação e retenção de água no solo por um maior período de tempo e a cobertura proporcionada pela palhada diminuir a temperatura do solo, e consequentemente, a evaporação.

Durante o período de estiagem ou seca, a água armazenada retorna por capilaridade para a cultura da soja. Outro fator de efeito, quanto maior a produção de raízes da braquiária, maior será o desenvolvimento das raízes da cultura da soja.

Principais erros

Os erros mais frequentes na utilização de braquiária em consórcio com a cultura da soja são:

Ü Época de semeadura: deve ocorrer a partir do estágio R5;

Ü Época de dessecamento: deve ocorrer cinco dias antes da semeadura da soja, para não ocorrer o desenvolvimento de plantas daninhas;

Ü Densidade de semeadura da braquiária garantindo a uniformidade da palhada na área total de cultivo;

Ü Deve-se ter cuidado para a implantação da braquiária em áreas que estão infestadas com nematoide de lesões radiculares (Pratylenchus brachyurus), pois as braquiárias são hospedeiras desses parasitas.

Custo-benefício

A braquiária torna-se um grande aliado para o aumento da produtividade da cultura da soja, melhorando as qualidades físicas e químicas do solo. Atua, principalmente, durante o período de estiagem, pela capacidade das raízes em aumentar a infiltração de água e pela ação da palhada remanescente no solo impedir que ocorra a evaporação da água.

Desta forma, torna-se uma alternativa promissora para o produtor que deseja aumentar a produção de soja e evitar perdas por condições climáticas adversas ao desenvolvimento da cultura.

ARTIGOS RELACIONADOS

Azospirillum brasilense potencializa sistema de produção da soja

Lucas Guilherme Bulegon Andre Gustavo Battistus Engenheiros agrônomos e doutorandos em Agronomia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) Deise DalazenCastagnara PhD. em Zootecnia e professora da...

Valley lança canal online para tirar dúvidas sobre irrigação

A Valley Irrigação acaba de lançar vídeos no Youtube destinados a tirar dúvidas dos produtores sobre a implementação e manutenção da irrigação agrícola por...

Novidades em mecanização para o preparo do solo

Vinicius Evangelista Silva Engenheiro florestal. Msc. e especialista em Nutrição e Manejo " Eldorado Brasil - Três Lagoas (MS) José Geraldo Mageste Doutor e professor da...

Manejo de plantas daninhas em florestas plantadas

A matocompetição é um dos fatores limitantes ao estabelecimento de florestas no Brasil, afetando o desenvolvimento das culturas florestais por meio da competição por...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!