21.6 C
Uberlândia
sábado, junho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasColheita do trigo está praticamente concluída no RS

Colheita do trigo está praticamente concluída no RS

Trigo – Crédito: Shutterstock

O predomínio de tempo seco no Rio Grande do Sul e as chuvas esparsas ocorridas em algumas regiões na segunda quinzena de novembro favoreceram a colheita do trigo, que chega em 98% da área cultivada.

De acordo com o Informativo Conjuntural, produzido e divulgado pela Gerência de Planejamento da Emater/RS-Ascar divulgado no dia 26/11, nas regiões de Passo Fundo e Santa Maria, a colheita foi finalizada com os grãos apresentando boa qualidade, com rendimento médio de 2,7 ton/ha em Passo Fundo e 2,5 ton/ha em Santa Maria.

A colheita do trigo ainda avança nas regiões de Bagé, Pelotas e Caxias do Sul. Na Campanha, o rendimento varia entre 1,8 a 2,4 ton/ha com grãos de boa qualidade. Em São Lourenço do Sul e Jaguarão, a colheita corresponde a 90% dos cultivos, com lavouras em bom desenvolvimento, sanidade e qualidade de grãos.

Nos Campos de Cima da Serra, a colheita segue em ritmo acelerado, faltando ainda 35% das áreas cultivadas a serem colhidas. A produtividade está abaixo da expectativa inicial.

Soja

A presença de chuvas em algumas regiões ajudou na retomada das atividades de plantio da soja, que já atinge 47% no Rio Grande do Sul, além de contribuir para o desenvolvimento da cultura.

Milho

A sequência de dias de tempo seco na maioria das regiões do estado tem retardado os plantios e afetado o desenvolvimento das lavouras de milho. O plantio alcança 83% das áreas estimadas de cultivo.

Arroz

Os dias de tempo seco têm assegurado a implantação das lavouras de arroz, que alcança 97% da intenção de plantio.

Olerícolas

Com as temperaturas mais amenas na semana entre 16 e 22 de novembro na região de Ijuí, o desenvolvimento das olerícolas foi satisfatório e foi possível realizar os tratos culturais. Com o término da colheita das áreas cultivadas a campo e sem a retomada de plantio da cultura nestas áreas, a produção de alface diminuiu. O cultivo se concentra em ambiente protegido, o que limita a área cultivada.

A cultura da mandioca segue com desenvolvimento muito lento, morte dos brotos menores das manivas, ramas com entrenós curtos e folhas pouco desenvolvidas. Já o pepino se encontra com desenvolvimento rápido, em plena produção e baixa incidência de doenças; há um maior número de frutos tortos devido à falta de água e ao maior aborto de flores.

Frutícolas

Na maioria das localidades da região de Santa Rosa, os pomares enfrentam falta de umidade do solo, provocando estresse hídrico de plantas e refletindo na queda de produtividade das frutíferas. Ocorre queda de frutinhos em citros e redução no crescimento de outras frutas, como manga e uva.

Em pomares domésticos, as famílias utilizam irrigação para garantir a manutenção de parte da produção a fim de proporcionar frutas para, pelo menos, o autoconsumo. Mudas plantadas recentemente têm pegamento menor.

Os cultivos não irrigados de melão e melancia têm produção comprometida e nas lavouras irrigadas, o nível dos reservatórios que abastecem essas irrigações está bastante reduzido, com possibilidades de não ofertar água até o final do ciclo.

Nos municípios costeiros ao rio Uruguai, o cultivo de abacaxi e banana é significativo. A banana está em fase de emissão de clones/brotos, porém apresenta pouco desenvolvimento devido à falta de água e à não adubação das touceiras. No momento são realizados o raleio de plantas e a limpeza das folhas secas.

Nos cultivos de abacaxi, as plantas também se desenvolvem lentamente, mas mesmo assim há florescimento de algumas delas, principalmente no Pérola. Aproximadamente 50% das plantas dessa variedade estão emitindo cacho; no entanto, a perspectiva é desenvolver um cacho pequeno, sem valor comercial.

A falta de umidade também prejudica as frutíferas de clima temperado em fase de formação de frutos, como pêssego e ameixa, que apresentam menor quantidade de frutos e tamanho menor; por outro lado o aspecto sanitário até o momento é bom e é boa a qualidade do fruto. Estão em plena colheita pessegueiros precoces como o Premier e o Precocinho, com baixa carga de frutas, porém de muito boa qualidade.

AgroclimaPRO

Aproveite e tenha informações precisas para poder tomar as melhores decisões, aumentando a produtividade da sua fazenda e evitando demais prejuízos!

O Agroclima PRO, um produto da CLIMATEMPO. A melhor ferramenta de Agrometeorologia do mercado.

📢 Interessados ⏩ https://www.climatempoconsultoria.com.br/agroclima-pro/

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

ARTIGOS RELACIONADOS

Cuidados na germinação aumentam produtividade?

Com a utilização de soluções para equilíbrio nutricional, foi possível identificar também um maior arranque inicial, aumento de nós reprodutivos e vagens por plantas O período de germinação...

Baixo custo e alta rentabilidade – Esse é o gergelim

Gustavo Hauck Rizzo é proprietário da Fazenda Felicidade, localizada em Canarana (MT), que soma 850 hectares. Ele também é sócio da empresa Agro Sedes,...

Estresses abióticos – O que fazer para não ter prejuízos

Douglas José Marques Professor de Olericultura e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano (Unifenas) douglas.marques@unifenas.br Hudson Carvalho Bianchini Professor de Fertilidade do Solo da Unifenas Danos causados...

Tempestades, queimadas, frio e calor extremos preocupam

Na Alemanha, inundações invadiram ruas e destruíram casas deixando centenas de pessoas ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!