17.6 C
Uberlândia
terça-feira, junho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosColheita mecanizada do feijão exige planejamento

Colheita mecanizada do feijão exige planejamento

Ricardo Ferreira Garcia

Engenheiro agrícola, doutor em Mecanização Agrícola e professor da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UENF

garcia@uenf.br

O Brasil é, atualmente, um dos maiores produtores mundiais de feijão, ocupando a terceira posição mundial, segundo relatório estatístico de 2012 da FAO – Food and Agriculture Organization of the United Nations, atingindo, naquele ano, 2,8 milhões de toneladas, ficando atrás de Myanmar (3,7 milhões de toneladas) e Índia (3,6 milhões de toneladas).

Segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a estimativa de produção de feijão em 2014, somada as três safras do produto, é de 3,4 milhões de toneladas, aumento de 14,8% em relação ao ano anterior, mostrando, portanto, uma recuperação depois de dois anos consecutivos de estiagem, notadamente na região Nordeste. Nesta estimativa de safra, os maiores produtores são Paraná, com 28,7% da produção nacional, seguido de Minas Gerais, com 13,8%, e Ceará, com 9,0%.

A baixa oferta do produto em 2013 elevou o preço do feijão, que estimulou o plantio em 2014. O aumento na produção segue as variações positivas nas estimativas de área plantada (9,3%), área colhida (12,2%) e de rendimento médio (2,3%).

No ano passado, a cultura atingiu os valores de 2.936.444 T, 2.831.008 ha, e 1.037 kg ha-1, respectivamente. Em 2014, a estimativa de produção é de 3.371.288 T, em área de 3.176.012 ha, com produtividade de 1.061 kg ha-1.

Mais produtividade com menos mão de obra

Com a necessidade de aumentar a produção de alimentos com menos pessoas empregadas na agricultura, surgiram as grandes lavouras e algumas práticas mecanizadas passaram a fazer parte deste processo evolutivo da agricultura.

Com o surgimento de grandes lavouras de feijão, na década de 70, principalmente as irrigadas, a colheita mecanizada passou a ser uma tendência imperativa à expansão das áreas de cultivo do feijoeiro e à sua transformação de simples exploração de subsistência em atividade empresarial.

Pelas dificuldades da colheita direta com colhedoras de grãos automotrizes adaptadas, e pelo fato de a cultura ser muito sensível a danos durante a manipulação, o arranquio e enleiramento manuais e o recolhimento e trilha mecanizados passaram a ser, até o momento, o método mais empregado de colheita.

Foi assim que, a partir daquela época, a pesquisa e a indústria iniciaram um grande trabalho para desenvolver e aprimorar equipamentos de recolhimento e trilha da cultura. Atualmente, já são comuns indústrias de máquinas agrícolas aperfeiçoarem seus produtos por meio de testes em parceria com a pesquisa biológica, que buscam variedades mais adequadas a esse tipo de cultivo.

Busca-se, desta forma, com a mecanização, reduzir o tempo necessário para executar as operações de campo visando menor custo operacional e melhor qualidade das tarefas e produto final, além de reduzir o esforço humano e as condições insalubres de trabalho de campo. Outro objetivo é minimizar os riscos de perdas com a mecanização da lavoura.

Mecanização

No Brasil, a região que mais investe na mecanização da cultura do feijão é o sudoeste paulista, onde já se atingiu 100% de manejo mecanizado, desde as operações iniciais de preparo do solo até a fase de colheita.

Do preparo do solo, passando pelo plantio, tratos culturais até a colheita, a mecanização da cultura do feijão pode estar presente em todas as etapas do processo produtivo e é uma importante aliada do produtor que quer mais produtividade, melhor qualidade e menores custos.

Além da escolha do maquinário adequado, em função do tamanho da área e estimativa de horas anuais de utilização, deve-se atentar para a correta escolha da variedade, que deve ser apropriada para o cultivo mecanizado. O uso de uma variedade de feijão não adequada ao sistema mecanizado pode anular os benefícios esperados pela mecanização.

Apesar dos benefícios apontados, é importante o correto dimensionamento do conjunto de maquinário visando atender a demanda do produtor. Deve-se considerar, principalmente, o tamanho da área para a escolha dos tratores e implementos de acordo com a previsão de horas de utilização por ano, evitando-se, assim, máquinas sub ou superdimensionadas.

O sistema mecanizado exige cuidados na escolha da variedade ideal, que deve ter porte ereto
O sistema mecanizado exige cuidados na escolha da variedade ideal, que deve ter porte ereto ” Crédito Indústrias Colombo

Entre um e outro

Um sistema subdimensionado levará prejuízos ao produtor, uma vez que não conseguirá realizar suas operações dentro dos prazos, perdendo a oportunidade de ofertar seu produto num prazo ótimo no mercado.

Da mesma forma, o sistema superdimensionado também trará prejuízos financeiros, uma vez que o produtor estará investindo mais do que o necessário em maquinários e sua manutenção, tornando o sistema caro e muitas vezes ocioso, podendo inviabilizar seu projeto.

A adequada manutenção preventiva também é um fator de extrema importância na condução de práticas mecanizadas. É importante a gestão das horas trabalhadas de cada máquina para realizar as devidas manutenções dentro de um cronograma planejado de acordo com a recomendação dos fabricantes de tratores e máquinas.

O preparo do solo, plantio e tratos culturais não diferem quando comparados os sistemas semimecanizados e os mecanizados. No sistema semimecanizado, a colheita diferencia-se por ter o arranquio e enleiramento de forma manual, enquanto que no sistema mecanizado a colheita é realizada por máquinas de forma direta ou indireta.

No sistema direto, uma colhedora equipada com uma plataforma própria com barra tipo segadora, molinete e kit de peças para adaptação, numa única passada, realiza as etapas de corte, trilha, separação e limpeza do feijão. Antes do corte, o feijão é normalmente dessecado com produtos químicos, como o glifosato, visando a uniformização da maturação.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de dezembro da revista Campo & Negócios Grãos. Clique aqui para adquirir já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Prêmio Sistema Famato em Campo revela sete fazendas de MT com inovações no campo

As fazendas Seis Amigos, localizada em Tapurah, e Santa Amélia, de Campo Novo do Parecis, foram as vencedoras da 3ª Edição do Prêmio Sistema...

Encontros AGROTIC visa melhorar processos dos segmentos de agricultura e pecuária

Em 2018, a Momento Editorial estreia no mercado de agropecuária, com cinco eventos com foco nas aplicações das tecnologias de informação e comunicação (TICs)...

Tomate sem resíduo é possível com biofungicida para controle preventivo de Pinta Preta

FMC lança na Hortitec seu primeiro biofungicida Regalia Maxx para controle preventivo de Pinta Preta As exigências dos consumidores com relação à segurança alimentar estão...

ACARPA divulga programação oficial da 26ª edição do Seminário do Café

De 02 a 04 de outubro, Patrocínio-MG será mais uma vez cenário do Seminário do Café da Região do Cerrado Mineiro, no Parque de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!