Como a guerra na Ucrânia impacta o futuro da agricultura

Especialistas ucranianos comentam sobre esses impactos e se a guerra poderá levar a uma crise alimentar mundial.

0
103

Intimamente ligada à Ucrânia, a OneSoil, empresa de tecnologia no agronegócio, com sede em Zurique, vem cooperando com o Ministério da Política Agrária e Alimentação da Ucrânia no fornecimento de análises de campo para ajudar o órgão em questões logísticas e mantendo contato com seus parceiros ucranianos para entender de que forma a guerra afetará a Europa como um todo, já que o país é considerado o “celeiro da região”, e o impacto nos demais países que dependem do que está acontecendo na Ucrânia.

Com 48% das terras aráveis do país inseridas no aplicativo OneSoil, a empresa conversou recentemente com especialista ucraniano e analisou as lavouras com base em imagens de satélite para entender o seguinte em relação ao Brasil e ao mundo:

  • Qual é o futuro das exportações ucranianas?
  • Haverá uma crise alimentar mundial?
  • A guerra afetará o fornecimento de fertilizantes para o Brasil e outros países da América Latina?
  • Qual a tendência dos preços dos fertilizantes nos próximos meses?

Um desses especialistas, o agrônomo Bogdan Lukiyanchuck, é fundador do grupo de empresas Growex, um marketplace para agricultores e uma plataforma educacional com uma abordagem sistemática da gestão de fazendas, e traz sua análise.


Sobre o futuro das exportações ucranianas, Lukiyanchuck diz que quem mais está sofrendo são os agricultores, que não conseguem entregar seus produtos. “Grande parte da colheita recorde de 2021 ainda está em armazéns, sem poder ser enviada, pois os cinco portos por onde passavam 90% de todas as exportações estão fora de operação. Os carros não são uma opção de transporte, e um trem consegue transportar apenas 6.000 toneladas de grãos”, informa. “Para colocar as coisas em perspectiva, a Kernel (a maior produtora e exportadora de óleo de girassol da Ucrânia) geralmente faz o carregamento de 100.000 toneladas por dia em um único terminal, e há dezenas deles em toda a Ucrânia. Atualmente, há uma grande quantidade de produtos cuja exportação não é viável no país”, completa.
 

Quanto a uma possível crise alimentar mundial, o agrônomo diz que o desafio mesmo é não conseguir atender os países que precisam do alimento produzido na Ucrânia. “O pior nem é não conseguir dinheiro para comprar sementes e fazer o plantio como de costume, pois já passamos por isso no passado e podemos lidar com essa situação, o problema de verdade é que os grãos que temos agora e não conseguimos exportar eram destinados a países da África e da Ásia, então, são eles que podem enfrentar uma crise alimentar”, alerta.
 

Impacto no Brasil e na América Latina, de acordo com a OneSoil
 

Há uma incerteza quanto à falta de NPK para o Brasil e a América Latina. Segundo a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), a preocupação é relativa ao potássio, essencial para a produtividade da soja, café, milho, algodão e cana-de-açúcar, e, se não houver o fornecimento, o país não tem de onde repor. O Brasil compra cloreto de potássio, basicamente, da Rússia e Bielorrúsia. Dos 12,8 milhões de toneladas de cloreto de potássio importados em 2021 pelo Brasil, 9,3 milhões de toneladas foram oriundas desses países, segundo a StoneX. De acordo com a OneSoil, o Brasil comprou no ano passado 41,6 milhões de toneladas de NPK, 21% da Rússia, que está em negociação com o Brasil para enviar fertilizantes, porém, há ainda problemas logísticos, de transações financeiras, aumento do custo do frete e seguro das embarcações.
 

Sobre a tendência dos preços dos fertilizantes nos próximos meses, a OneSoil explica sobre a alta nos preços de fertilizantes e defende o uso de tecnologia pelos agricultores. Conforme explica a empresa, o preço dos fertilizantes subiu 200% nos últimos dois anos devido aos custos de produção, alta demanda e conjunturas econômicas mundiais e a tendência, segundo a StoneX e o BBA Agro, é de que os preços continuem a subir devido à guerra e que, com a alta dos preços, a compra de fertilizantes no Brasil seja reduzida. Segundo a StoneX, as negociações em fevereiro de 2022 estavam 16% menores. Por isso a importância de utilizar as tecnologias de agricultura de precisão para reduzir custos com aplicação de fertilizantes, acredita a OneSoil.

Especialistas respondem sobre os impactos na Ucrânia e na Europa

Além de Bogdan Lukiyanchuck, Valeriia Vashchenko, gerente de Produtos da OneSoil na Ucrânia, também traz seus comentários sobre o tema.

Haverá plantações na Ucrânia?

Bogdan Lukiyanchuck — Acredito que pelo menos 80% do país vai começar a temporada agrícola normalmente, porque não há tantos territórios ocupados. Também é improvável que haja problemas sérios com as plantações de girassol ou de outras culturas que geralmente são cultivadas nas áreas atualmente ocupadas.
 

As colheitas serão afetadas?

Bogdan Lukiyanchuck — Os rendimentos vão cair. Inicialmente, havíamos planejado rendimentos mais baixos devido à escassez de fertilizantes, mas agora o problema se agravou.
 

Como os agricultores ucranianos superaram as crises anteriores?

Valeriia Vashchenko — A covid-19 ensinou os agricultores a estarem sempre prontos para enfrentar as dificuldades. Em 2020, além da epidemia, houve uma seca na Ucrânia que levou aos rendimentos mais baixos em uma década. Agricultores de outras regiões ajudaram aqueles cujas lavouras foram destruídas. Por exemplo, eles enviaram sementes para as regiões de Odesa e Cherkasy para a temporada seguinte. Então, em 2021, houve uma crise de energia, e os preços dos fertilizantes dispararam de 1,5 a 2 vezes (os fertilizantes mais populares, os nitrogenados, são feitos de gás natural). Tudo isso foi um sinal de que havia chegado a hora de os agricultores repensarem sua abordagem em relação aos recursos e à eficiência econômica.

Como a guerra impactou a logística agrícola na Ucrânia?

Valeriia Vashchenko — Hoje, o governo ucraniano está tomando medidas sem precedentes para otimizar os recursos de apoio à agricultura. As transportadoras ferroviárias estão fazendo tudo o que podem para exportar a produção agrícola e importar os recursos necessários de volta. Há planos para eliminar as taxas de importação agrícolas, e também estão sendo tomadas medidas para reduzir o custo dos combustíveis para a época de plantio e para as empresas de logística. Isso por si só já é uma grande ajuda.

Quais são as mudanças que o futuro reserva para a agricultura ucraniana após a guerra?

Valeriia Vashchenko — Muitas pessoas estão começando a pensar na segurança alimentar do país. As fazendas estão tentando montar seu próprio processamento para produzir cereais, alimentos enlatados e outros produtos para o consumo pessoal. Para evitar a escassez de alimentos em regiões da Ucrânia, é crucial que os agricultores produzam seus próprios produtos acabados e não se concentrem apenas na exportação de matérias-primas.
 

Como a OneSoil está ajudando a agricultura na Ucrânia
 

Atualmente, a empresa está fornecendo análises de campo ao Ministério da Política Agrária e Alimentos da Ucrânia para ajudar a otimizar a logística. Usando os algoritmos de aprendizado de máquina da OneSoil, é possível encontrar uma área total das plantações de culturas de inverno de 8,89 milhões de hectares para essa safra. Nessa fase do ciclo da planta, não é

possível distinguir o trigo de inverno de outras culturas, portanto, o mapa mostra a distribuição de todas as culturas de inverno.

Mapa com a distribuição das culturas de inverno por região na Ucrânia

Também foi criado um infográfico sobre a colza oleaginosa de inverno (área total: 0,95 milhão de hectares).

Mapa com a distribuição da colza de inverno por região na Ucrânia

Esses mapas ajudam a estimar a área total plantada. Contudo, a colheita dependerá da capacidade de realizar todas as operações de campo necessárias primeiro, incluindo a aplicação de fertilizantes e agrotóxicos.

Sobre a OneSoil

A OneSoil é uma empresa suíça, com sede em Zurique, escritório na Polônia e P&D na Europa Oriental, que desenvolve uma plataforma para decisões agrícolas sustentáveis com base em imagens de satélite, dados reais e algoritmos de aprendizagem de máquina. A empresa também usa os dados de satélite para fornecer análises e previsões a grandes empresas agrícolas. A OneSoil recebeu um total de US$ 6,7 milhões em rodadas de financiamento desde a sua fundação, em 2017.