25.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiComo cultivar pitaia

Como cultivar pitaia

Leila Aparecida Salles Pio Engenheira agrônoma, mestra e doutora em Fitotecnia, professora de Fruticultura Tropical – UFLA e sócia colaboradora da Agroaki leila.pio@ufla.br

Mudas de pitaia – Crédito: Ellison Oliveira

Os métodos de propagação de plantas garantem sua multiplicação e perpetuação. A propagação é dividida em duas classes: propagação sexuada (sementes) e assexuada (vegetativa). É importante ressaltar que um bom método de propagação deve ser de baixo custo e fácil execução, além de proporcionar um elevado percentual de mudas.

A propagação sexuada é aquela em que as sementes são utilizadas para conceber novos indivíduos. Quando se utiliza sementes no plantio de pitaia, as plantas têm crescimento inicial lento, com um maior tempo entre o plantio e a frutificação e apresentam desuniformidade de produção, assim esses fatores tornam as sementes uma forma economicamente inviável de propagação.

Do ponto de vista agronômico, visando à multiplicação comercial de espécies frutíferas, ressalta-se a importância da propagação assexuada, por proporcionar precocidade e uniformidade fenotípica dos pomares e ainda manutenção das características genéticas desejáveis da planta matriz.

Meios de propagação

A maioria das mudas de pitaia hoje utilizadas são produzidas por meio de propagação vegetativa e obtidas pela técnica de estaquia, que é um método de propagação em que segmentos removidos de uma planta (denominados cladódios) sob condições adequadas emitem raízes, gerando uma nova planta com características idênticas àquela que lhe originou.

O uso de estacas é o método mais barato e fácil de propagação vegetativa para a cultura, pois apresenta elevado percentual de estacas enraizadas e de sobrevivência, precocidade de produção e garante características desejáveis.

As plantas oriundas de estacas possuem precocidade na produção, iniciando o florescimento após um ou dois anos do transplantio. Além disso, a propagação por estaquia é a forma mais prática para se obter um pitaial uniforme, com frutos de qualidade e características fenológicas padronizadas para o mercado que tem sido exigente nesse aspecto.

Exigências do cultivo

Certas condições como a época de coleta de estacas, condições climáticas, temperatura e disponibilidade de água estão relacionadas à capacidade de enraizamento. Estacas coletadas nos meses de julho a setembro desenvolvem melhor na região de Lavras.

Plantas que estão em processo de florescimento no verão têm baixo potencial de enraizamento, assim um bom período para se obter as estacas é após a frutificação e antes do novo florescimento em meses de crescimento vegetativo intenso.

As estacas são confeccionadas a partir dos cladódios (ramos) e têm cerca de 25 a 50 cm e as raízes geradas nessas estacas são denominadas adventícias, ou seja, são raízes que se originam na parte aérea.

O processo de enraizamento de pitaia é bastante simples. Quando a muda possui um nó na base, essa estaca pode ser plantada sem nenhuma preparação. No entanto, quando não tiver o nó é importante fazer um corte na base de forma que se exponha o lenho que fica no centro do cladódio em cerca de 3,0 a 5,0 cm. 

Recomenda-se aguardar cerca de cinco dias para a cicatrização das mudas. Esse processo de cicatrização é importante para que a ferida aberta não sirva como porta de entrada para fungos e bactérias.

Enxertia

Além da propagação por estacas, há a propagação por enxertia, que consiste na união de características favoráveis por meio da junção de duas plantas de variedades diferentes. Assim, a nova planta enxertada será formada pelo enxerto que irá crescer e produzir, sendo responsável pela parte aérea e também pelo porta-enxerto, encarregado por produzir um sistema radicular vigoroso, controlar o crescimento vegetativo, além de incrementar a produtividade nas plantas enxertadas e preservar ou aperfeiçoar os atributos de qualidade dos frutos produzidos.

Portanto, por meio desse método de propagação assexuada pode existir a transferência de características favoráveis, como a tolerância aos fatores bióticos e abióticos, aumento de vigor e produtividade.

[rml_read_more]

Qual escolher?

Os principais tipos de enxertia são borbulhia, encostia, garfagem em fenda cheia, garfagem inglesa simples e substituição de brotos. Em todos os tipos de enxerto é interessante fixar o enxerto no porta-enxerto com fita adesiva até o pegamento, para melhor fixação.

Além disso, após o pegamento dos enxertos (aproximadamente duas semanas), recomenda-se a retirada de todas as gemas do porta-enxerto, para ter certeza que somente as gemas do porta-enxerto brotarão.

A estrutura para a produção de mudas é muito simples, podendo ser coberta por sombrites, sendo que as mudas podem ser colocadas em saquinhos ou leito de areia, para que cheguem ao campo enraizadas e brotadas, acelerando assim sua adaptação e desenvolvimento.

Há produtores que cicatrizam suas mudas e já as colocam direto no campo para avançar uma etapa. Essa operação tem prós e contras – a vantagem é não ter que investir em um telado e a mão de obra é menor, porém, essa operação é de risco, pois pode ser que essas mudas tenham um atraso no seu desenvolvimento em razão das condições adversas encontradas no campo.

Substratos

Estacas de pitaia são responsivas a diversos tipos de substratos, no entanto, é preciso analisar qual o ideal, de acordo com as condições e objetivos do produtor. Embora a areia possua baixa retenção de água, esse tipo de substrato proporciona grande quantidade de raízes, dada sua excelente porosidade, que promove alta concentração de oxigênio para o sistema radicular. 

A mistura de areia e matéria orgânica (esterco bovino curtido) gera mudas vigorosas e de boa qualidade. Esse substrato é fundamental no enraizamento de estacas e cada espécie tem suas necessidades, porém, deve sempre se considerar a disponibilidade hídrica e aeração. 

Por outro lado, não se recomenda a utilização de solos muito argilosos, pois, em épocas mais chuvosas, pode-se ocorrer excesso de umidade do substrato favorecendo o desenvolvimento de patógenos. Dessa forma, é importante se atentar ao teor de umidade do substrato e à profundidade de plantio das estacas. O excesso de água causa apodrecimento na base dos cladódios, assim sendo, plantios profundos não são recomendados, pois retardam a formação da muda devido a um menor desenvolvimento do sistema radicular e pequeno número de brotações emitidas.

ARTIGOS RELACIONADOS

Exportação de vinhos e alimentos chilenos

Relatório da ProChile, instituição do Ministério das Relações Exteriores do Chile, constatou um ...

Tomateiro: Como os porta-enxerto podem otimizar o cultivo

Com grande importância dentre as espécies olerícolas, a cultura do tomateiro (Solanum lycopersicum) se destaca nacional e mundialmente por estar presente no consumo da população sob diversas formas, sendo em forma de simples saladas até os produtos industrializados.

Panorama do cultivo de abacate no Brasil

Com o aumento da busca por alimentos saudáveis devido à pandemia, o abacate, considerado um superalimento também ganhou ainda mais destaque.

Maracujá Catarina

Agricultores interessados em comprar sementes do maracujazeiro azedo SCS437 Catarina ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!