27.1 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasComo deve ser feita a remoção da palha de cana-de-açúcar?

Como deve ser feita a remoção da palha de cana-de-açúcar?

Crédito: Ana Maria

A remoção da palha de cana-de-açúcar poderá dobrar a demanda de fertilizantes no Brasil em 2050

Estudo desenvolvido na Esalq destaca o papel da palha como fonte de nutrientes e propõe retirada criteriosa

Uma pesquisa publicada este mês, na Bioenergy Research, alerta que a remoção dos resíduos culturais (palha) da cana-de-açúcar para produção de bioenergia (eletricidade ou etanol de segunda geração) pode impactar a demanda de fertilizantes do país. Com 10 milhões de hectares, o Brasil é responsável por cerca de 40% da produção global de cana-de-açúcar o aproveitamento da palha de cana-de-açúcar como matéria prima à indústria tem se destacado como uma estratégia promissora para aumentar a produção de bioenergia e a lucratividade do setor.

“No entanto, a palha tem um papel muito importante para sustentar diversas funções do solo e serviços ecossistêmicos associados, incluindo ciclagem de nutrientes e produtividade das culturas”, lembra Maurício Cherubin, professor do Departamento de Ciência do Solo, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), autor do estudo realizado em colaboração com outros docentes e estudantes do mesmo departamento e pesquisadores do Laboratório Nacional de Biorrenováveis (LNBR/CNPEM).

Cherubin reforça que a quantidade de nutrientes exportados via palha deve ser quantificada e adequadamente restituída via fertilizantes para evitar a degradação da fertilidade do solo e consequentemente, os impactos negativos na produtividade das plantas ao longo do tempo. “Neste contexto, conduzimos um estudo com o objetivo de elaborar cenários de remoção de palha de cana-de-açúcar e estimar os potenciais impactos na demanda de fertilizante NPK na região Centro Sul do Brasil, que concentra 92% da produção nacional de cana-de-açúcar”.

Para tanto, foram conduzidos estudos de campo e uma revisão bibliográfica para quantificar e sintetizar os dados disponíveis de concentração de nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K) no tecido dos componentes da planta, e a produtividade de biomassa da cultura. “Este banco de dados foi utilizado para avaliar o impacto de cinco cenários de remoção de palha (S1-S5), os quais combinaram diferentes intensidade de remoção (sem remoção – 0%; baixa – 25%; moderada – 50%; e total – 100%) e componentes da planta (folhas verdes e secas)”.

Segundo os pesquisadores, os resultados revelaram que a exportação potencial de nutrientes via palha atingiu, em média, 69 kg/ha de N, 7 kg/ha de P e 92 kg/ha de K por ano, representando um custo adicional com fertilizantes de US$ 90 por hectare.

“A análise dos cenários indicou que o consumo de fertilizantes NPK pela cultura da cana-de-açúcar na região Centro Sul do Brasil tem aumentado na taxa de 46,5 mil toneladas por ano nos últimos 30 anos, totalizando 1,75 milhões de toneladas em 2016, o que representa 11,6% do consumo total de fertilizantes no país”.

De acordo com a pesquisa, se mantivermos essa mesma tendência, as projeções indicaram que o consumo de fertilizantes pela cana-de-açúcar crescerá cerca de 80% em 2050, mesmo sem remoção de palha. “No entanto, se os nutrientes exportados via palha forem corretamente repostos, este consumo em 2050 será muito maior, representando incremento adicional de 14 e 28% nos cenários de remoção menos intensivos (S1 e S2), os quais preveem a manutenção das folhas verdes (mais ricas em NPK) no campo e a remoção apenas das folhas secas”, pondera Cherubin.

Por outro lado, a adoção do cenário mais drástico (remoção total – S5), poderá duplicar a demanda de fertilizante NPK em 2050 na região Centro Sul do Brasil, comparado com o manejo sem remoção.

“Neste cenário, o consumo de fertilizantes fosfatados poderá aumentar 25%, enquanto que o consumo de fertilizantes nitrogenados e potássicos mais do que duplicará (126% e 147%)”, aponta o docente.

Os autores consideram que as informações geradas neste estudo, elucidando o valor da palha como fonte de nutrientes, serão úteis para sensibilizar produtores e demais envolvidos no setor sucroenergético a realizar o manejo da palha de forma criteriosa garantido matéria-prima para aumentar a produção de bioenergia sem comprometer a sustentabilidade do sistema de produção. 

O projeto foi financiado pelo programa BNDES/FUNTEC (#14.2.0773.1) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp # 2018/ 09845-7).

ARTIGOS RELACIONADOS

A relevância do Azospirillum no sistema de produção agrícola

Viviane Costa Martins Bordignon Gerente de Produtos Inoculante " Grupo Vittia O Azospirillum é uma bactéria de vida livre, com capacidade de se associar às plantas...

O sistema MPB revoluciona o setor canavieiro

  Essa é uma inovação no plantio de uma das culturas mais tradicionais da agricultura brasileira " a cana-de-açúcar. A técnica promete melhorar a produtividade...

Himev estreia no Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras

Essa foi a primeira vez que a Himev participou com seu estande do Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras. “Estivemos no ano anterior como visitantes...

Estufas: cultivo de pepino japonês

Segundo a Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (ABCSEM), foram comercializadas em 2017 aproximadamente 34,3 milhões sementes de pepino japonês. Considerando uma densidade populacional média de 25 mil plantas por hectare, a área cultivada com esse tipo de hortaliça foi em torno de 1,37 mil hectares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!