Como evitar as algas na hidroponia?

0
28

Anne Carolline Maia LinharesLicenciada em Ciência Agrárias e Doutoranda em Ciência do Solo – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)anemaia-16@hotmail.com

Maria Idaline Pessoa Cavalcanti Engenheira agrônoma e doutoranda em Ciência do Solo – UFPB idalinepessoa@hotmail.com

Alface – Crédito: Eduardo Miyayaciki

O cultivo de vegetais baseado em soluções nutritivas (e, portanto, sem solo) tem encontrado um amplo espaço mercadológico nas capitais e no interior do Brasil (Costa & Junqueira 2000).

A produção de folhas e frutos com melhor qualidade, reduzido emprego de mão de obra, colheita precoce, além do menor consumo de água e fertilizantes, são vantagens dos sistemas hidropônicos. A oferta constante de alimentos e sem interferência climática também justificam sua expansão, bem como a alta possibilidade de agregação de valor ao produto final (Lopes et al. 2000).

No cultivo hidropônico, o consumo de água pelas plantas é menor, pois as perdas de água são devido à evapotranspiração da cultura e evaporação da água, sendo esta segunda causa reduzida, devido a todo o sistema ser fechado para evitar a entrada de luz e formação de algas na solução nutritiva.

Patógenos, insetos e, principalmente, algas podem ocorrer em estufas agrícolas, demonstrando adaptabilidade a esse tipo de ambiente tão simplificado, do ponto de vista biológico. As algas competem por nutrientes, água e luz com os vegetais.

A solução nutritiva deve estar sempre protegida da luz, seja no reservatório, seja no sistema de circulação, para evitar o aquecimento e o desenvolvimento de algas que, além de absorverem nutrientes, podem contaminar a solução. Assim, o reservatório deve permanecer tampado.

Algumas providências podem ser tomadas para evitar/combater as algas no sistema hidropônicos. Medidas que reduzem a incidência luminosa, como a cobertura das estruturas físicas por filmes plásticos têm sido teoricamente reportadas como eficientes para controle de algas. Todavia, requerem maiores gastos para aquisição, tempo para aplicação minuciosa e elevado uso de mão de obra, tornando-se impraticáveis.

Pesquisas

Outro ponto a se observar é a acidez do meio. O pH da solução nutritiva varia em decorrência da absorção de nutrientes e também com o aparecimento de algas. Em seu estudo com pré-aclimatização e aclimatização em cultivo hidropônico de plantas micropropagadas de Eucalyptus, Silva et al, (2011), observaram que, aos 12 dias, a solução nutritiva apresentou coloração esverdeada, que possivelmente ocorreu pelo desenvolvimento de algas, o que promoveu alteração do pH para um valor próximo a 5,0.

De acordo com Corrijo & Makishima, o pH da solução deve ser mantido na faixa ideal de 6,0 a 6,5, pois há uma redução na solubilidade do P e de micronutrientes, bem como a precipitação de alguns nutrientes para pH acima de 7, enquanto pH abaixo de 4 pode causar toxicidade às plantas. O crescimento das plantas é comprometido em pH abaixo de 5,0 ou acima de 7,0.

Para ler o restante deste artigo você tem que estar logado. Se você já tem uma conta, digite seu nome de usuário e senha. Se ainda não tem uma conta, cadastre-se e aguarde a liberação do seu acesso.