25.8 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosComo funciona a Safra Zero do cafeeiro?

Como funciona a Safra Zero do cafeeiro?

 

Estevam Antonio Chagas Reis

Mestrando em Fitotecnia pela Universidade Federal de Lavras

Membro e vice-coordenador geral do Núcleo de Estudos em Cafeicultura ” NECAF/UFLA

estevamreis@necafufla.com.br

estevamreis@outlook.com

Marina Chagas Reis

Graduanda em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras

 

Sistema Safra Zero - Crédito Luize Hess
Sistema Safra Zero – Crédito Luize Hess

Na atual conjuntura da cafeicultura brasileira, o produtor tem procurado alternativas para suprir a crescente falta de mão de obra e atenuar os impactos negativos causados pelo elevado custo de colheita. Com este intuito, buscam-se novas técnicas que visam aprimorar os meios de cultivo e diminuir o custo de produção por unidade de área.

Diante deste cenário, tem-se realizado o manejo do cafeeiro através de podas programadas com o objetivo de obter produções elevadas. Sendo o esqueletamento o tipo de poda mais utilizado, muitos produtores estão aderindo ao chamado sistema Safra Zero.

Como funciona

O sistema Safra Zero consiste na poda cíclica do cafeeiro, realizando-a com esqueletamento seguido de decote no ano de produção. Esta prática caracteriza-se pela poda dos ramos plagiotrópicos da planta, com distancia de 20 a 30 cm do ramo ortotrópico na parte superior e terminando na parte inferior, com distância de corte de 30 a 50 cm.

Quando o corte dos ramos plagiotrópicos é realizado em comprimentos maiores, dá-se o nome de desponte. O ideal é que após a realização da poda a planta apresente uma conformação cônica.

Decote

O decote se caracteriza pela poda do ramo ortotrópico em alturas de 1,2 a 2,5 m. A altura de corte tem relação direta com o estande de plantas por hectare. A recomendação para lavouras de menor espaçamento entre plantas se baseia no corte em alturas menores, de forma que possibilite a entrada de luz no interior das plantas e entre as linhas, induzindo a quebra de dormência de gemas.

A poda só pode ser realizada em lavouras aptas a esse sistema, pois assim atuará como uma ferramenta para o incremento de produtividade. Esse sistema visa a produtividade elevada do cafeeiro empregando-se a poda em um ano, sendo o ano posterior apenas para desenvolvimento vegetativo.

Desta forma, há ocorrência do crescimento de ramos novos para futura produção (esse ciclo se repete a cada dois anos).

Por onde começar

Para a implantação do sistema, deve-se “liberar“ o cafeeiro o mais cedo possível, preferencialmente a partir de junho, visto que o crescimento vegetativo é influenciado pela época de poda e pode comprometer a sua produção futura, como podemos verificar na imagem abaixo.

 

Planta inteira antes da segunda safra podada - Crédito Aymbiré Fonseca
Planta inteira antes da segunda safra podada – Crédito Aymbiré Fonseca

Atenção

Caso o produtor realize a colheita mecânica, não haverá necessidade de desbrotas no terço superior da planta, reduzindo os custos da área. Em relação à adubação, não se deve restringir os tratos culturais mesmo com o depósito de resíduos advindos da poda.

Devido à alta relação C/N dos restos culturais, é necessário a adubação nitrogenada para equilibrar o sistema. A adubação potássica geralmente é dispensada em decorrência da elevada quantidade presente no material vegetal que é totalmente liberado (seu índice de conversão é 100%).

A necessidade será no ano de produção de acordo com análise de solo e a carga pendente. Os restos vegetais também são ricos em macro e micronutrientes.

Fitossanidade

O controle fitossanitário deve ser realizado principalmente para doenças como phoma, ferrugem e mancha aureolada, pois as altas doses aplicadas de nitrogênio acarretam em maior infestação dessas doenças.

A phoma é a primeira doença a se manifestar quando não realizado o controle adequado da mesma, sendo necessário o monitoramento dos primeiros sinais da doença no ano de produção. A ferrugem também é outra doença que pode ocorrer em cafeeiros podados, pois são mais susceptíveis e apresentam uma curva de progressão mais agressiva quando comparada a cafeeiros não podados.

Controles fitossanitários de pragas de solo também devem ser realizados quando necessário, buscando um maior desenvolvimento do sistema radicular e, consequentemente, do cafeeiro.

Quando se realiza o Safra Zero, uma das questões mais relevantes gira em torno do custo por saca de café beneficiado, o que torna esse sistema viável e de crescente utilização por parte dos cafeicultores.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de fevereiro da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira a sua para leitura integral!

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Análise do solo – A base da agricultura

A utilização de doses adequadas de fertilizantes e corretivos é essencial para a obtenção de produtividades compensatórias economicamente para o produtor. Doses em excesso, além de representarem gastos desnecessários, podem causar fitotoxidez ou desequilíbrios nutricionais.

Enxofre no milho safrinha

O avanço tecnológico no cultivo do milho no Brasil nos últimos anos tem resultado em ganhos significativos de produção.

Redivo se surpreende com resultados da Expocafé

Pelo segundo ano a Redivo participou da Expocafé. “O Sul de Minas é uma região extraordinária e tem muita coisa a ser explorada. Então,...

Petrotec expõe solução para controle da broca

A Petrotec está há 24 anos no mercado de construção civil, e há dois anos e meio entrou no segmento agrícola, com os triturados...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!