20.2 C
Uberlândia
terça-feira, julho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosComo manejar a mosca-branca no algodoeiro

Como manejar a mosca-branca no algodoeiro

Crédito Ademir Torchetti
Crédito Ademir Torchetti

A mosca-branca tem sua presença vinculada à existência de plantas ou culturas hospedeiras em áreas vizinhas à do algodoeiro e/ou sob condições climáticas favoráveis (clima seco), sendo a sua migração e proliferação influenciada pelo manejo realizado inicialmente nas culturas hospedeiras e, posteriormente, no algodoeiro.

Segundo Lucia Vivan, pesquisadora entomologista da Fundação MT, o algodão acaba sendo um receptor da mosca-branca, praga que traz queda de produtividade, além de redução na qualidade da fibra do algodão.

“O açúcar que a mosca-branca produz é pior do que o produzido pelo pulgão. Os dois têm uma espécie de câmara filtro, onde se alimentam e acabam tendo uma formação grande desses açúcares que ficam sobre a cultura.No algodão o problema é ocasionado até pela perda de fotossíntese da folha, pois onde cai esse açúcar se forma a fumagina,que impede a planta de fazer fotossíntese“, explica a pesquisadora.

Se a população de mosca-branca permanecer na cultura do algodão, e geralmente ela se mantém até o final, o resultado é que ela acaba manchando a fibra também, trazendo problemas de qualidade. “Isso gera transtornos na tecelagem do fio, ou seja, além de reduzir a produçãoem 20 ou 30%, a mosca-branca também prejudica muito a qualidade do produto. Isso quer dizer que quando a fibra vai para o teste de açúcar, que é feito com temperatura, constata-se um alto índice de açúcar, o qual interfere na fiação desse fio, fazendo-o arrebentar. Quanto mais açúcar, pior, e esse algodão pode ser rejeitado pela indústria de tecelagem“, ressalta Lucia Vivan.

Lucia Vivan, pesquisadora entomologista da Fundação MT - Crédito Luize Hess
Lucia Vivan, pesquisadora entomologista da Fundação MT – Crédito Luize Hess

Olhar atento em volta da lavoura

Muitas vezes a população de mosca-branca se inicia na cultura da soja, em um momento que não causa perda de produção, ou seja, quando os grãos já estão formados e a planta não precisa mais tanto de suas folhas, que são atacadas pela fumagina.

Entretanto, as maiores áreas de algodão são safrinhas da soja. “Primeiro se faz a cultura da soja, e depois de colhida e dessecada, na mesma área se planta o algodão. Então, não há tempo de desfavorecer o inseto sem alimento para ele buscar uma outra área ou ir para um refúgio. Assim, a mosca-branca se mantém na área, e logo na emergência da cultura do algodão se tem alta população dela“, esclarece a pesquisadora.

Para se ter uma ideia, a área de soja no Mato Grosso é,em média, de nove milhões de hectares, e de algodão é de 700 mil hectares, em média, comprovando a grande pressão naquele Estado. “Toda essa população que permanece na soja, por menor que seja,e muitas vezes sem causar problemas à cultura, no algodão, que vem em seguida, é muito problemática“, considera Lucia Vivan.

Algodão ainda é o foco

É no algodão que a mosca-branca completa seu ciclo – ovoposita e praticamente coloniza a cultura.Por isso, a pesquisadora alerta que o produtor fique atento à soja assim que começarem as primeiras infestações, para ter esse controle da população de mosca-branca.

“Se essa população for muito alta e se a soja estiver em um estágio mais precoce, ainda em floração ou no início do enchimento de grãos, pode-se, inclusive, ter perdas expressivas com a população alta de mosca-branca. Estamos falando de perda de área fotossintética, ocasionada pelo crescimento desse fungo nas folhas em um momento mais precoce. Essa folha vai fazer falta para o enchimento de grãos“, detalha.

Manejo eficiente

Segundo Lucia Vivan, a maioria dos produtores opta pelo controle de adultos da mosca-branca, entretanto, esses produtos não controlam a forma jovem da praga, fazendo com que a infestação volte à ativa em 10 dias ou até em menos tempo,dependendo da pressão do inseto.Com o tempo, a praga coloniza a cultura da soja e,com população maior, dificulta ainda mais o controle.

“Recomendamos que, quando houver ocorrência de mosca-branca, sempre se observe a população de ninfas. É importante, também, coletar folhas nos pontos de amostragem e observar as ninfas na face debaixo da folha, quantificando essa população. Indicamos em torno de 15 ninfas por trifólio para começar a realizar o controle com o produto específico“, ensina a especialista.

Ainda segundo ela, pode-se realizar o controle mais antecipado em infestações menores em áreas com histórico de problema. “Existem os produtos biológicos para manter a população mais baixa,mas em alguns momentos ou em algumas regiões se faz necessário a entrada com o controle químico, talvez em mistura com o biológico ou alternando com este, porque só o biológico não consegue baixar uma população muito alta para um nível aceitável“, considera Lucia Vivan.

Alguns produtores já se conscientizaram de que é melhor investir em um produto específico que vai controlar a forma jovem e cortar o ciclo da praga. Trata-se de um produto com custo maior, principalmente para a cultura da soja, e que muitas vezes exigirá duas aplicações, mas terá o controle mais eficiente da mosca branca.

A maioria dos produtos recomendados para a soja também o são para o algodão.Controlando a mosca-branca na soja, consegue-se ter uma população menor migrando para a cultura do algodão, melhorando a convivência com a praga. “Não que vá eliminar, porque geralmente em todas as áreas e regiões que têm algodão há problema com mosca-branca, mas é uma forma de manejo para minimizar o problema“, conclui Lucia Vivan.

Essa matéria você encontra na edição de Agosto 2017 da revista Campo & Negócios Grãos. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Controle biológico

O controle biológico, hoje, tem forte impacto na agricultura, especialmente no controle de ...

Reconstituição do solo – por onde começar?

O uso inadequado do solo pode trazer diversos prejuízos, que posteriormente podem ocasionar ...

Programa ABR tem primeiras fazendas certificadas na safra 20212022

Trinta e duas fazendas localizadas na Bahia e oito em Goiás estão entre as primeiras propriedades certificadas na safra 2021\2022.

Novo adjuvante neutro com otimização multifuncional

As empresas Casa Bugre | Agrivalle trazem ao mercado um novo adjuvante neutro adequado às novas tecnologias e que torna o trabalho no campo ainda mais...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!