28.6 C
Uberlândia
quarta-feira, junho 19, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiComo prevenir a fitotoxicidade do tomateiro

Como prevenir a fitotoxicidade do tomateiro

Carlos Antonio dos Santos

carlosantoniods@ufrrj.br

Danielle Perez Palermo

daniellepalermo@ufrrj.br

Engenheiros agrônomos e mestrandos em Fitotecnia na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ_

Margarida Goréte Ferreira do Carmo

Engenheiraagrônoma, doutora em Fitopatologia e professora – UFRRJ

gorete@ufrrj.br

 

Créditos Shutterstock
Créditos Shutterstock

O tomateiro (Solanum lycopersicum) é uma das hortaliças de maior importância econômica no Brasil e no mundo. Apesar de ser uma cultura de grande rentabilidade e retorno econômico, caracteriza-se por ser muito exigente em manejo e vulnerável a diversos distúrbios de natureza abiótica ou biótica que podem prejudicar o seu desenvolvimento, elevar os custos de produção e reduzir a produtividade e qualidade dos frutos.

Desafios

 

Dentre os problemas de ordem abiótica listam-se aqueles decorrentes de estresses hídricos, desequilíbrio nutricional e exposição a temperaturas extremas (<10º C e > 30ºC). Temperaturas elevadas prejudicam, especialmente no período noturno, inibem o florescimento e depreciam a frutificação e o pegamento do frutos.Temperaturas muito baixas, por sua vez, retardam a germinação, emergência eo crescimento vegetativo, além de aumentarem os danos por geadas.

Exigências

O tomateiro é altamente exigente em nutrientes que são supridos por meio de adubações de plantio e cobertura e, eventualmente, por adubações foliares. Adubações em quantidades abaixo da requerida para atender as demandas da cultura podem provocar deficiências e, em quantidades acima, fitotoxidez.

Aplicações em quantidades desbalanceadas ou desproporcionais em relação às necessidades da planta podem causar desequilíbrios nutricionais. A deficiência de nutrientes como cálcio e boro, por exemplo, podem provocar anomalias fisiológicas nos frutos, como podridão apical e lóculo aberto, elevando o percentual de descartes de frutos.

Estresses ou desordens de origem biótica

O tomateiro é uma das culturas mais atacadas por pragas e doenças e bastante sensível à competição com plantas invasoras que limitam o seu desenvolvimento e produção. Por conseguinte, aplicações frequentes de defensivos, inseticidas, fungicidas e herbicidas, são feitas.

Dependendo do produto, da dosagem e da frequência das aplicações destes produtos, injúrias podem ser causadas nas plantas e comprometer o seu bom desenvolvimento. Relatos de fitotoxidez por resíduos de herbicidas, por exemplo, são frequentes e preocupantes.

Fitotoxidez

Os efeitos fitotóxicos decorrentes de aplicações excessivas de defensivos e fertilizantes podem levar a uma séria de reações fisiológicas indesejáveis na planta e resultar em sintomas variáveis de acordo com o problema em questão.

Entre os sintomas mais comuns estão subdesenvolvimento da planta, cloroses foliares, queimas, manchas, crescimento anormal, etc. Estes efeitos, especialmente quando combinados com condições edafoclimáticas adversas ao tomateiro, podem reduzir ou comprometer o seu crescimento e produção.

A melhor forma de se reduzir os estresses à planta é o cultivo em condições apropriadas - Créditos Shutterstock
A melhor forma de se reduzir os estresses à planta é o cultivo em condições apropriadas – Créditos Shutterstock

Alternativa antiestresse

A primeira medida para se reduzir estes estresses é a adoção de práticas corretas de manejo, incluindo uma adubação racional e o manejo integrado das pragas e doenças, de forma a reduzir a aplicação de defensivos. A utilização de fertilizantes foliares contendo aminoácidos que atuem como fornecedores de nutrientes e bioativadores vegetais tem sido proposta como alternativa complementar.

Os aminoácidos são moléculas formadas por um carbono central, ligado a um grupamento carboxila (COOH), um grupamento amino (NH2) e um átomo de hidrogênio. Adicionalmente, também possui um radical chamado genericamente de R, que os diferencia uns dos outros.Os aminoácidos são utilizados na agricultura como substâncias complexantes de nutrientes e outros agroquímicos e promovem a absorção mais restrita de íons ou moléculas aplicados via foliar.

Mais benefícios

Na planta, seus benefícios se estenderiam à participação na síntese de proteínas, hormônios vegetais, redução dos estresses provocados pelos sais dos fertilizantes e agressividade dos defensivos, além de atuação em diversos mecanismos metabólicos benéficos. A diminuição dos estresses e o suplemento de nutrientes, via foliar, pode contribuir para que a planta concentre mais energia para a produção.

 

Essa matéria completa você encontra na edição de junho 2017  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua para leitura integral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Fontes de matéria orgânica na composição de fertilizantes organominerais

AutoresMara Lúcia Martins Magela Danyela Cristina Marques Pires Doutorandas em Agronomia – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Regina Maria Quintão Lana Professora de Fertilidade...

Bayer CropScience lança fungicida Nativo® para café

  Durante as atividades da Expocafé 2015, a Bayer CropScience anunciou em primeira mão a extensão de uso do fungicida Nativo® para a cultura do...

Cálcio é determinante na qualidade da uva?

AutorGivago Coutinho Doutor em Fruticultura e professor efetivo do Centro Universitário de Goiatuba (UniCerrado) givago_agro@hotmail.com A videira se adapta bem a uma grande...

Sensor de inversão térmica evita deriva na pulverização

O sensor de inversão térmica é um equipamento composto por sensores meteorológicos, acoplados a um sistema de aquisição de dados (datalogger), permitindo o monitoramento da temperatura do ar em altitude, estando conectados não só em torres no campo, como em tratores, ou mesmo em aviões agrícolas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!