15.2 C
Uberlândia
domingo, julho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasCompetição de apenas um vencedor

Competição de apenas um vencedor

Na disputa entre as plantas daninhas e o arroz, a produtividade deve sair na frente

 

Por Sylvio Henrique Bidel Dornelles, Chefe do Dept. de Biologia da Universidade Federal de Santa Maria/RS e integrante do Wolf Team

Sylvio Bidel_Wolf TeamA competição é, sem dúvida, a forma mais conhecida de interferência direta das plantas daninhas nas culturas agrícolas. Esta batalha se dá por fatores do ambiente, tal como a luz, nutrientes e CO2. Não é diferente na cultura do arroz. Durante os estágios iniciais de desenvolvimento e crescimento, no qual a planta define os principais componentes do rendimento, essas plantas daninhas interferem negativamente na produtividade da cultura.

No começo da vida da lavoura, em que as plantas estão definindo o número de perfilhos e panículas por planta, o tamanho e a quantidade de grãos por panícula, a ocorrência de plantas daninhas provocam a menor disponibilidade de nutrientes. Os recursos que mais frequentemente são passíveis de competição são os nutrientes minerais essenciais, a luz, a água e o espaço.

As principais espécies competidoras na cultura do arroz são fisiologicamente mais eficientes do que o arroz, possibilitando um maior aproveitamento dos recursos do meio. Gramíneas são exigentes em Nitrogênio, fundamental para o perfilhamento da cultura, portanto, quando as plantas daninhas utilizam parte considerável desse nutriente disponível, a produtividade acaba sendo prejudicada.

Para que a lavoura não sofra detrimento por conta das plantas daninhas, é necessário um programa de manejo que contenha medidas pré, durante e pós safra. Com isso, busca-se reduzir o banco de sementes das espécies mais difíceis de serem controladas, como o arroz vermelho, tiriricas e o capim arroz.

As plantas daninhas podem ser manejadas ou controladas pela prevenção, manejo cultural, controle biológico, mecânico e químico. A estratégia mais adequada é a integração dessas medidas. Para isso, é preciso que tomemos alguns cuidados para um cultivo saudável e de qualidade.

Qualidade de semeadura

O uso de sementes de arroz contaminadas com sementes de plantas daninhas é o principal meio de disseminação de plantas daninhas em lavouras. Para uma semeadura de qualidade é necessário que se utilize sementes de alto vigor e sempre respeitando a quantidade de plantas por metro linear. Quando semeada sem o devido cuidado e fora dos padrões sempre resultam em problemas que depois de constituídos ficam difíceis de serem sanados. Toda vez que a emergência da cultura é desuniforme, o controle das plantas daninhas acaba sendo prejudicado.

Monitoramento

O monitoramento constante por parte do agricultor e seus colaboradores sobre o que ocorre relativo às plantas daninhas na propriedade é o ponto chave para o sucesso. Efetue o controle antes de florescerem. Uma das medidas mais eficientes é impedir que essas plantas infestantes produzam sementes para que não haja a reinfestação e reabastecimento do banco de sementes no solo.

Controle químico e a rotação de herbicidas

Para alcançar máxima eficiência biológica, causar o mínimo impacto ambiental e reduzir a ocorrência de plantas resistentes a herbicidas, é necessário que o produtor tenha o hábito de rotacionar os produtos utilizados. Esse contexto requer que seja implementado um manejo onde se inclua de dois a três tipos de herbicidas pós-emergentes, com diferentes mecanismos de ação, para que se evite a seleção de plantas resistentes com o aumento do espectro de controle.

Manejo da soca pós colheita

A prática mais adequada é a destruição da soca e o preparo antecipado do solo para a proxima safra. Uma prática muito recorrente na orizicultura é o cultivo de uma segunda colheita a partir da soca, visando um custo reduzido ao produtor. O que muitos não levam em consideração é que, colocando em prática este manejo inadequado, aumenta-se a pressão de seleção de espécies resistentes. Deve-se considerar que o cultivo da soca promove duas safras também para o arroz vermelho e para o capim arroz por conta da quantidade de sementes destas espécies no solo.

ARTIGOS RELACIONADOS

Híbridas – Beterrabas sem anéis brancos

Os híbridos são caracterizados por serem um material mais homogêneo, consequentemente, proporcionando uma maior uniformidade no produto. A utilização desse material proporciona, além de uma maior produtividade e melhor flexibilidade de colheita, uma maior adaptação a temperaturas elevadas, sendo esse o principal causador de anéis brancos, fazendo com que haja uma coloração mais homogênea interna e externamente e um melhor aproveitamento comercial das raízes.

Técnicas de armazenamento da beterraba garantem melhor rentabilidade

Aline Mendes de Sousa Gouveia alinemendesgouveia@gmail.com Marcelo de Souza Silva Engenheiros agrônomos, mestres e doutorandos em Horticultura pela FCA/UNESP Campus de Botucatu/SP A beterraba embora não esteja...

O estande uniforme de batatas – Como alcançar?

Douglas José Marques Professor de Olericultura, Genética e Melhoramento Vegetal da Universidade José do Rosário Vellano (Unifenas) douglas.marques@unifenas.br Hudson Carvalho Bianchini Professor de Fertilidade do Solo daUnifenas No...

Resultados dos agroquímicos e bioestimulantes em batata

Na atualidade, a batata é a terceira fonte alimentar mais importante do mundo, sendo superada apenas pelo arroz e o trigo. No Brasil, o consumo médio por habitante ao ano atinge 15 kg, sendo considerado baixo quando comparado aos 70-80 kg por habitante e por ano de países como Alemanha e Holanda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!