20.6 C
Uberlândia
sexta-feira, abril 19, 2024
- Publicidade -
InícioNotíciasCompetitividade no agro é a soma de produtividade e proteção ambiental

Competitividade no agro é a soma de produtividade e proteção ambiental

Evento de comemoração dos 30 anos da ABAG trouxe um debate sobre o futuro do setor

O diferencial do agro brasileiro está na aplicação constante de ciência, tecnologia e inovação, que possibilitou o aumento expressivo de produtividade com proteção do solo e dos recursos naturais e menor emissão gases de efeito estufa. Contudo, o setor está em um encruzilhada no cenário atual. Por um lado, o país enfrenta uma cenário de inflação e baixa estabilidade fiscal. Por outro, as organizações globais multilaterais perdem força com o crescimento de políticas precaucionastes e protecionistas.

“Vivemos em um período difícil com muitas incertezas. Mas, o futuro do agro no Brasil está ligado à insegurança alimentar. A FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) espera que nosso país corresponda com ofertas maiores de alimentos para diminuir a fome no mundo. Desse modo, precisamos nos manter competitivos. E a competitividade é a soma da produtividade com a proteção ambiental”, disse Luiz Carlos Corrêa Carvalho, presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG), durante a comemoração de 30 anos da entidade, promovida na sexta-feira, dia 10 de março, em São Paulo.

O deputado federal Pedro Lupion, presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), ressaltou a força do agronegócio no Congresso Nacional, uma vez que a bancada conta com 302 deputados federais e 40 senadores. Para ele, a guerra principal a ser vencida pelo setor é a narrativa. “Tanto o Marco Legal dos Defensivos Agrícolas como o Green Deal são questões de narrativa. Por isso, precisamos trabalhar em conjunto para superar esse desafio”, disse. A seu ver, o agro está mais forte do que nunca e o governo precisa ouvir o setor. “Devemos construir pontes para avançar nos temas importantes ao agro”, pontuou.

Evento comemoração 30 Anos da ABAG. Associação Brasileira do Agronegocio.
Reprodução: ABAG

O evento contou com o painel “O Futuro do Agronegócio Brasileiro”, moderado por Carvalho, que salientou a preocupação em abrir novos mercados para os produtos agropecuários e agroindustriais brasileiros para não haver dependências. “A verdade é que muitos países começam a mostrar impressionantes ganhos de renda, como no Oriente Médio e no Norte da África”, explicou. Ele lembrou que a globalização foi importante para o desenvolvimento socioeconômico de todos os continentes, mas que hoje há a volta do velho, com o ressurgimento de forças unilaterais.

Por isso, a ABAG, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), juntamente com organizações agropecuárias da Argentina, Paraguai e Uruguai, estão planejando organizar um Road Show pelas principais capitais europeias, levando dados, fatos e roadmaps, que comprovem as diferenças entre a agricultura tropical e temperada e a produção sustentável dos países que compõem o Mercosul. “O Green Deal traz um componente que pode trazer a divisão entre nós, do Mercosul. A integração com o Itamaraty será extremamente importante para termos sucesso nessa iniciativa”, explicou Carvalho.

O embaixador Fernando Pimentel, diretor do Departamento de Política Comercial do Ministério das Relações Exteriores, afirmou a ação é importante, porque os europeus são definidores de padrão. Mas, asseverou que a iniciativa precisa ser baseada em informações transparentes. Em sua participação no painel, ele ressaltou que o sistema multilateral está em transformação. “Os grandes países que contribuíram muito para globalização estão em dúvida se este sistema atualmente é bom para eles, o que coloca em xeque seu engajamento. Por isso, vemos o crescimento do protecionismo e de uma política forte de subsídios nos Estados Unidos e na Europa”.

Em sua avaliação, a questão ambiental tem alimentado o protecionismo em algumas regiões, principalmente na Europa, que está trabalhando há mais de 20 anos o tema. Comentou também que o Brasil precisa de regras estáveis no comércio global, mas o sistema multilateral está frágil. A boa notícia, segundo Pimentel, é que o agro brasileiro tem uma grande capacidade de adaptação, inovação e superação de desafios.

Sergio Vale, sócio-diretor da MB Associados, avaliou que o mundo está em uma configuração bipolar, entre China e Estados Unidos e que essa situação deve permanecer e ganhar força. “É uma oportunidade para o agro, porque continuará a vender nos próximos anos. Por isso, será um caminho positivo, mesmo em um cenário crítico”. Falou ainda sobre a importância da diversidade de compradores e comentou que 80% do crescimento populacional nos próximos anos está na África, e que o Sudeste Asiático vem crescendo economicamente.

Para Vale, mais importante é evitar erros domésticos na economia e na política fiscal. Outro ponto citado foi que o agro precisa também melhorar a comunicação para o mercado em geral que desconhece a importância do setor para o país. De acordo com ele, o Brasil cresceu ano passado por causa do agro. “Se este ano o país ter uma elevação de 1% no PIB, esse volume virá integralmente do agro”, destacou.

O painel também pontuou a inovação como alavanca para a produtividade e competitividade, por meio da participação de João Comério, diretor do Comitê de Inovação da ABAG, que comentou sobre a capacidade brasileira de inovar. No setor de celulose, por exemplo, o papel para embalagem era produzido por países do Hemisfério Norte, usando fibras longas. “Nosso país desenvolveu tecnologia para produzir esse papel com fibras curtas”. Também ressaltou que o agro brasileiro tem trabalhado fortemente a questão da governança, ao se preocupara com a profissionalização dentro as empresas, mas também nas propriedades rurais.

O ex-Ministro Roberto Rodrigues e o presidente da ABAG, Luiz Carlos Corrêa Carvalho, entregam homenagem a Carlo Lovatelli (centro), ex-presidente da entidade
Divulgação/ABAG

Antes do painel, Comério apresentou o Position Paper: Visão da Inovação e da Competitividade do Agronegócio, que desenha a conjuntura, os desafios e as mudanças no cenário de inovação e competitividade do agronegócio.

Ainda durante o evento em celebração dos 30 anos da ABAG, Carlo Lovatelli, ex-presidente da entidade, foi homenageado por sua contribuição para o desenvolvimento do agro brasileiro e da própria ABAG, trabalhando temas como preservação da Amazônia, sustentabilidade, internacionalização e o conceito e benefícios dos biocombustíveis. “O Brasil tem tudo para ir para frente. Por isso, precisamos vender melhor nosso peixe, e Itamaraty é muito importante nesse processo. Afinal, nosso país merece e o produtor rural, merece ainda mais. Estou muito honrado com essa homenagem”, discursou.

O ex-Ministro Roberto Rodrigues, que também foi presidente da ABAG, mencionou que a história da FPA e da ABAG se misturam. Para ele, com o passar do tempo, as ideias vão se convergindo para uma posição integrada e comum.

A ABAG também anunciou a formação de um Conselho Consultivo, com expoentes do agronegócio para a definição de estratégias para o setor. Esse Conselho é formado por Rodrigues, Lovatelli, Marcello Brito, ex-presidente da ABAG, e Christian Lohbauer, presidente executivo da CropLife Brasil.

ARTIGOS RELACIONADOS

Baldan disponibiliza lançamentos durante a Agrishow

Empresa, que completou 95 anos em 2023, revitaliza design dos produtos, inicia construção de nova planta industrial e investe em geração de valor para o produtor rural

Alltech Crop Science adquire a Ideagro, líder em pesquisa e desenvolvimento agroalimentar

A aquisição acelera a pesquisa de solos e culturas, aprimorando soluções biológicas e de microrganismos para a produção agrícola globalmente.

Fertilizante e agrotóxico são a mesma coisa?

A utilização de fertilizantes permite um melhor crescimento das culturas agrícolas e, consequentemente, uma maior produção de alimentos.

Prêmio Mulheres do Agro 2023 prorroga prazo

Edição deste ano reconhecerá as principais iniciativas ESG na gestão de propriedades rurais de mulheres pelo Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!