25.9 C
Uberlândia
terça-feira, julho 16, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosCompostos orgânicos geram aumento de produtividade e qualidade nas lavouras

Compostos orgânicos geram aumento de produtividade e qualidade nas lavouras

 

Carlos Henrique Eiterer de Souza

Engenheiro agrônomo, doutor em Agronomia, professor adjunto do Centro Universitário de Patos de Minas – UNIPAM e Diretor de Pesquisa & Desenvolvimento da Geociclo Biotecnologia S/A

Roberta Fusconi

Bióloga, doutora em Biologia e consultora técnica em Microbiologia/Pesquisa & Desenvolvimento Geociclo Biotecnologia S/A

 

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

A agricultura brasileira ano a ano tem se destacado no cenário mundial por consecutivos recordes de produção, alavancando e tornando-se braço importante da economia nacional. Apesar das imprevisibilidades cambiais e climáticas, na última safra batemos a casa de 200 milhões de toneladas de grãos colhidos, e ainda somos grandes produtores e exportadores de produtos como soja, café, frutas tropicais, além de determos grande fatia do mercado internacional de produtos derivados de suínos, aves e bovinos.

No entanto, para mantermos a atividade competitiva somos reféns, principalmente devido às características dos nossos solos, da utilização maciça de fertilizantes de baixa eficiência e produtos para o estímulo do desenvolvimento vegetal associado ao controle ou prevenção da incidência de pragas e doenças. Nesse sentido, a agricultura busca a quebra de paradigmas afim do aumento dos índices produtivos, controle mais eficiente dos custos de produção e relações entre investimentos e lucratividade da atividade produtiva.

Vantagens competitivas recaem sobre a agricultura de Cerrado, na qual o relevo se caracteriza por extensas áreas planas a levemente onduladas constituídas por solos profundos, porosos e com baixa retenção de água. Tais características permitem o emprego de mecanização constante e o cultivo de mais de duas safras anualmente.

No entanto, também são responsáveis pelo emprego de altas doses de fertilizantes e da baixa eficiência na sua utilização. Estima-se que, para cada 100 kg aplicados, sejam aproveitados pelas plantas 50 kg de nitrogênio, 70 kg de potássio e entre 20 e 35 kg de fósforo.

Mitos e verdades

Tema de discussões diversas, essa temática vem sendo debatida nos últimos anos e, de maneira geral, fatalmente a mudança desses números passará pela melhora da qualidade e tecnologia empregada nos fertilizantes, bem como das técnicas ou práticas envolvidas na sua utilização e manejo geral da lavoura.

Nesse contexto, um dos pontos importantes envolve as características químicas dos solos, que apresentam em sua maioria baixa fertilidade natural associada à baixa atividade de suas argilas, que conceitualmente denominamos como CTC (Capacidade de Troca Catiônica). A CTC é a responsável pelo fornecimento de nutrientes catiônicos às plantas como potássio, cálcio e magnésio, retenção de água e equilíbrio entre presença de formas disponíveis de nutrientes como fósforo e micronutrientes.

Uma vez que a qualidade química é diretamente relacionada ao tipo de argila presente nos solos, uma forma de alterá-la seria o aumento de substâncias húmicas, conhecidas como matéria orgânica do solo ou húmus. Naturalmente as substâncias húmicas são provenientes da decomposição de resíduos vegetais e animais promovidas pela atividade de microrganismos presentes no próprio solo, e condicionados principalmente por fatores como resíduos, umidade e temperatura.

Assim, a matéria orgânica humificada é de fundamental importância para a qualidade do solo, uma vez que desempenha papel primordial nas mudanças das características físicas, químicas e biológicas do solo.

Além de estimular a atividade microbiana do solo e ser fonte de macro e micronutrientes essências às plantas, a adição de matéria orgânica propicia melhorias na estrutura do solo, na aeração, e na capacidade de retenção de água. A soma destas melhorias favorece o enraizamento das plantas no solo e um crescimento mais equilibrado das culturas.

Incremento do solo

Uma das formas de adicionar matéria orgânica ao solo das lavouras é a utilização de composto orgânico proveniente de processos de compostagem de resíduos do setor produtivo. Estes resíduos, hoje considerados subprodutos ou matérias-primas, segundo o Ministério da Agricultura e Abastecimento (MAPA), podem ser de origem industrial, urbana ou rural, vegetal ou animal, enriquecido ou não com nutrientes minerais.

O processo de compostagem para a produção de fertilizantes orgânicos é reconhecido e normatizado pelo MAPA, e promove e garante a produção de adubos orgânicos isentos de contaminantes químicos e biológicos, com garantias nutricionais adequadas a o seu uso.

Contudo, existem dificuldades no mercado quanto à credibilidade de fornecedores de compostos orgânicos, caracterizado pela informalidade, baixa qualidade ou não garantia da qualidade do que é entregue aos produtores.

Neste contexto, a Geociclo Biotecnologia S/A, a partir de uma preocupação com os impactos ambientais associados à geração de resíduos do setor agroindustrial, e a maximização da eficiência do uso de nutrientes na agricultura, tem desenvolvido e disponibilizado ao mercado fertilizantes especiais de elevada eficiência agronômica.

 

Essa matéria você encontra na edição de julho da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Estresse hídrico – A garantia da florada do café

Anísio José Diniz Pesquisador - Transferência de Tecnologia da Embrapa Café anisio.diniz@embrapa.br A Embrapa Cerrados, no âmbito do Consórcio Pesquisa Café, desenvolveu a tecnologia que visa o...

Utilização de Mathury na colheita mecanizada do café

  Felipe Santinato Engenheiro agrônomo, Msc., doutorando - UNESP Jaboticabal TAVARES, T.O. Engenheiro agrônomo, mestrando - UNESP Jaboticabal SILVA, R.P. Professor e doutor - UNESP Jaboticabal COSTA, W.C.A. Acadêmico em...

Corteva Agriscience TM , divisão agrícola da DowDupont e Embrapa discutem boas práticas agrícolas

Encontro, realizado em Brasília, contou com capacitação de técnicos de várias entidades e participação de pesquisadores da Embrapa

Microtorrefação paranaense revoluciona o mercado de cafés especiais

Após pesquisar muito e adquirir experiências pelo Brasil, Léo Moço lançou, em 2005, seu primeiro empreendimento na área, implantado dentro da livraria Largo das Letras, no Rio de Janeiro, sua cidade natal. Três anos mais tarde, fundou o Cafuné, também na capital carioca. Na sequência, trabalhou como consultor e ajudou a criar a casa O Café, em Nova York (EUA). A paixão por esse mundo cresceu e em 2009 surgiu o Grupo Café do Moço, com sede em Curitiba, que hoje engloba o BaristaCoffee Bar e a microtorrefação Café do Moço, que tem revolucionado a forma de se produzir cafés especiais no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!