Construindo a história do algodão com toda a cadeia produtiva

0
158
Fotos: Ana Maria Diniz

A FMC, já tradicional e consolidada no segmento de algodão, atua há 45 anos no Brasil, e há 40 anos em Minas Gerais. Além de prestigiar o Dia de Campo da Amipa, de quem é parceira fiel, a FMC apresentou sua capacidade de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias por meio de produtos inovadores que ajudam a cotonicultura a evoluir. “Apesar de termos uma história bastante consolidada neste mercado, a FMC vem se transformando ao longo do tempo, adquirindo outros portfólios, incorporando e desenvolvendo novas tecnologias e buscando cada vez mais soluções para o cotonicultor. Dessa forma, a companhia vem construindo a história da cultura do algodão junto com toda a cadeia produtiva”, pontua Fernanda Duarte Silva, desenvolvimento de mercado da FMC.

Fábio Nunes Lemos, representante técnico comercial da FMC, explica que a empresa não expõe somente a solução em manejo de pragas, doenças e daninhas, mas pensa no pós-colheita e na qualidade de fibra. “Isso está ligado a tudo que preconizamos, desde o plantio do algodão à consolidação final com a comercialização da fibra. Se esta fibra não tiver qualidade, o produtor não terá seu produto valorizado, e é aí que a FMC entra”.

Produção + qualidade

Atualmente, além de manejo a FMC traz um conjunto de soluções, e nunca com um produto isolado. “A ideia é levar o que realmente pode fazer a diferença para o cotonicultor. Com a aquisição de algumas moléculas, a FMC, que já tem uma história muito forte em inseticidas e herbicidas, agora parte também para soluções biológicas aliadas às químicas, presença de moléculas de alta performance e amplo espectro de ação, e tudo que contribua para um bom manejo da lavoura, refletindo na qualidade de fibra”, destaca Fernanda Duarte.

Lemos acrescenta que a importância de uma fibra de alta qualidade está, principalmente, na melhor liquidez para o produtor na hora de vender seu produto.

Portfólio

Tratando do tema trabalhado no dia de campo, a FMC levou alguns produtos visando qualidade de fibra, com o combate de duas pragas específicas, que são mosca-branca e pulgão. São eles o Benevia e o Marshal Star, que durante o manejo da lavoura agem na minimização dos efeitos e prejuízos que essas pragas podem causar.

Ambos os produtos permitem fazer a rotação de princípio ativo no manejo dessas pragas, e no final ainda há uma qualidade superior de fibra: “Vamos muito além do controle do inseto-praga. Quando no campo o manejo é equilibrado, há menor infestação de pragas, o que vai refletir diretamente na qualidade da fibra, sendo que essas pragas, além de todos os danos que causam à planta, como abortamento, perda de botão floral, folhas mais estreitas e menor taxa fotossintética e transmissão de viroses, ainda deixam uma substância açucarada chamada honeydew que adere à fibra e prejudica a pluma, desde o tingimento ao maquinário que processa o material, ou seja, é uma perda pós-colheita”, alerta Fernanda Duarte.

O portfólio FMC ainda inclui soluções completas para plantas invasoras, pragas, doenças, nematoides e todo o ciclo da cultura, fazendo com que a empresa seja referência no setor.