27.7 C
Uberlândia
segunda-feira, abril 22, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosControle biológico do psilídeo em citros

Controle biológico do psilídeo em citros

O controle biológico do psilídeo em citros é uma alternativa sustentável e eficiente para proteger as plantas contra essa praga, reduzindo o uso de pesticidas.

Paula Almeida Nascimento
Engenheira agrônoma e doutora em Fitotecnia/Produção Vegetal – Universidade Federal de Lavras (UFLA)
paula.alna@yahoo.com.br

O psilídeo Diaphorina citri é o inseto-vetor da bactéria Candidatus Liberibacter spp., que causa o greening (huanglongbing/HLB), a pior doença da citricultura na atualidade, presente nas principais regiões citrícolas brasileiras.
Os danos causados pelo psilídeo são devido à sucção contínua de seiva durante a alimentação em plantas doentes, onde o inseto adquire a bactéria causadora do greening. Insetos contaminados também transmitem a bactéria a plantas sadias.
Em São Paulo e Minas Gerais foram identificados os primeiros registros do ataque desta doença nos pomares cítricos, ocasionando a eliminação de milhares de plantas e prejuízos para os produtores.

Ninfas de psilídeo
Fotos: Fundecitrus

Hospedeiros do greening

As altas populações das pragas de psilídeo nos pomares contribuem para uma rápida e eficiente disseminação do greening nos pomares brasileiros. O psilídeo dos citros vive em plantas da família Rutaceae, com destaque para a murta de jardim Murraya paniculata e em plantas de todas as variedades de citros.
A murta é uma planta ornamental e está presente em todos os centros de cidades, sendo considerada uma fonte de disseminação tanto da praga quanto do inóculo da doença, porque é hospedeira da bactéria causadora do greening.

Manejo

Várias pesquisas estão sendo realizadas para trazer alternativas mais eficientes, econômicas e de baixo impacto ambiental para o controle de pragas e doenças nas plantas.
O controle biológico acrescenta, sendo aliado de métodos tradicionais, como a aplicação de agroquímicos. A indústria de produtos biológicos aumentando suas pesquisas, com biofábricas e registros de novos produtos no mercado.
Atualmente, há aumento do uso de biopesticidas no mercado agrícola devido aos frequentes casos de resistência de pragas e doenças a defensivos agrícolas. Infelizmente, o tempo que se leva para colocar uma nova molécula química no mercado é de vários anos, com elevado custo de pesquisas.

As vantagens do controle biológico:

  • Redução do risco de poluição do meio ambiente;
  • Diminuição da exposição dos aplicadores a produtos tóxicos;
  • Ausência de resíduos em alimentos;
  • Não toxidez para a saúde humana;
  • Não exterminação de inimigos naturais de pragas e doenças;
  • Os consumidores mais exigentes em relação à qualidade dos alimentos preferem produtos mais saudáveis, originados de técnicas menos agressivas ao meio ambiente.
    Dessa forma, o controle biológico visa combater e reduzir a incidência de doenças e pragas agrícolas usando recursos da própria natureza pelo uso de inimigos naturais, que podem ser tanto insetos predadores, ácaros, como fungos, bactérias, vírus e nematoides.

Manejo

Os produtos biológicos mais utilizados no Brasil são Bacillus, Baculovírus, Beauveria, Cotesia, Metarhizium, Paecilomyces, Pochonia, Trichoderma e Trichogramma.
As aplicações de defensivos devem ser feitas a partir do monitoramento e vários produtos inseticidas são indicados para o controle do psilídeo. Os citricultores precisam ampliar as ações contra o greening para além de suas fronteiras, auxiliando na eliminação de árvores doentes e realizando o monitoramento e o controle do psilídeo em áreas externas.
A alta incidência de árvores contaminadas na vizinhança dificulta o manejo da doença devido à constante migração de psilídeos destas áreas para os pomares.
O monitoramento do psilídeo pode ser realizado por meio de armadilhas adesivas amarelas e pela inspeção visual de brotos novos e folhas maduras.
Elas devem ser colocadas em pontos estratégicos, como na periferia da propriedade e nas bordas dos talhões. As armadilhas devem ser instaladas a cada 100 – 250 metros, sempre posicionadas no terço superior das plantas, nas extremidades dos ramos e voltadas para fora.
No controle biológico pode ser usado o parasitoide Tamarixia radiata, que naturalmente ocorre no campo em áreas com baixo controle químico ou em áreas de cultivo orgânico, e pelo fungo entomopatogênico, como Isaria fumosorosea.

Tamarixia radiata

A Tamarixia radiata utiliza as ninfas do psilídeo para se reproduzir, matando-as no processo. A vespinha deposita seus ovos embaixo das ninfas, que servirão de alimento para as larvas quando elas crescerem – cada Tamarixia radiata pode eliminar até 500 psilídeos.
A soltura da vespinha não causa desequilíbrio ambiental e deve ocorrer somente em locais onde não há controle químico, como pomares abandonados, chácaras e quintais.
Além disso, o parasitoide Tamarixia radiata é um inseto de origem asiática, específico de ninfas de D. citri. O inseto mede cerca de 0,6 mm de comprimento e o percentual de parasitismo pode alcançar até 75% em áreas de liberação desse parasitoide.
Ninfas de D. citri, quando parasitadas, apresentam coloração castanha, diferente das ninfas não parasitadas. Ao final do ciclo do parasitoide, a ninfa de D. citri parasitada apresenta em seu dorso um orifício de saída do adulto de T. radiata.
A estratégia para o controle biológico aplicado do vetor do HLB, Diaphorina citri, em regiões de ocorrência do HLB, preconiza a liberação de T. radiata em pomares comerciais de citros em áreas de produção orgânica e/ou de baixo uso de agrotóxicos.
A facilidade de criação e liberação em campo desse inimigo natural viabiliza a recomendação dessa prática como uma das ferramentas do manejo integrado de pragas (MIP) para enfrentar o problema do HLB.

Isaria fumosorosea

O fungo entomopatogênico Isaria fumosorosea tem sido relatado como um dos entomopatógenos com maior potencial para o controle de D. citri no mundo. Ele apresenta elevada virulência sobre ninfas e adultos de D. citri após a pulverização direta de conídios ou blastósporos.
Também tem mostrado alto poder de disseminação de seus conídios no ambiente, o que aumenta a possibilidade de transmissão horizontal entre insetos infectados e sadios da mesma ou de diferentes espécies.

Tendência

O controle biológico tem avançado muito nos últimos anos na cultura de citros, com pesquisas direcionadas para o desenvolvimento dos inseticidas microbianos, que podem ser pulverizados intercalados ou consorciados com outros manejos.
O fungo Isaria fumosorosea parasita e mata o inseto. “Com base nesse fungo, foi desenvolvido, em parceria da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ/USP), do Fundecitrus e da Koppert, o primeiro bioinseticida para controle do vetor no Brasil. O produto foi lançado em 2018 e tem o nome comercial de Challenger.
As vantagens do bioinseticida são eficiência comprovada, mais de 80% dos psilídeos morreram, não necessita de carência, tem compatibilidade com acaricidas e inseticidas e reduz o risco de seleção dos psilídeos resistentes aos químicos.

ARTIGOS RELACIONADOS

Resistência dos pomares de citros depende do equilíbrio nutricional

  Indução natural dos mecanismos de defesa da planta auxilia no desenvolvimento do cultivo     Os pomares de citros estão constantemente submetidos a fatores estressantes (clima, temperatura,...

Primeiro e único inseticida biológico é registrado para a Broca- do- café

  A Koppert do Brasil lança a primeira e única alternativa biológica para a cultura do café, o bioinseticidaBoveril composto do fungo Beauveriabassiana. Registrado desde...

Fórum Brasileiro de Biodefensivos debate as perspectivas e os desafios dos biológicos

  O Fórum Brasileiro de Biodefensivos, acontece nos dias 29 e 30 de agosto, em São Paulo Com o objetivo de reunir toda a cadeia produtiva...

Controle do greening: O que há de novo?

O greening é uma doença de difícil controle e rápida disseminação, causando grandes perdas em pomares de citros (laranjeiras, pés de limão e tangerinas).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!