18.1 C
São Paulo
sexta-feira, agosto 12, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Controle biológico e nutricional do fusarium em feijoeiro

Controle biológico e nutricional do fusarium em feijoeiro

 

Felipe Augusto Moretti Ferreira Pinto

Doutorando em Agronomia/Fitopatologia na Universidade Federal de Lavras (UFLA)

felipemoretti113@hotmail.com

 

Controle biológico e nutricional do fusarium em feijoeiro - Crédito-Nilton-Jaime
Controle biológico e nutricional do fusarium em feijoeiro – Crédito-Nilton-Jaime

Dentre os principais fatores da baixa produtividade do feijoeiro encontram-se as doenças causadas por patógenos que habitam o soloe podem provocar prejuízos severos, chegando a 100% de perdas.

O complexo Fusarium causa duas doenças: a murcha de fusarium e a podridão radicular seca. A murcha de fusarium tem causado grande impacto à produtividade do feijoeiro na região Sul de Minas Gerais, sendode enorme dificuldadeo seu controle e a ocorrência cada vez maior nas áreas produtoras, podendo causar até 80% de perdas em uma área.

O fungo causador é o Fusariumoxysporumf.sp. phaseoli, que pode ser disseminado dentro e entre lavouras pelo movimento do solo, fragmentos infectados de tecidos do hospedeiro, água de drenagem ou irrigação, sementes contaminadas, homem e equipamentos agrícolas.

Sintomas

A podridão radicular seca é causada pelo fungo Fusariumsolanif. sp. phaseoli, uma doença que ocorre em todas as regiões produtoras do Brasil e que tem aumentado nos últimos anos, podendo causar grandes prejuízos.

Os principais sintomas dessa doença são observados na parte aérea das plantas, que murcham, e as folhas amarelecem, secam e caem a partir da base da planta, podendo ocasionar o escurecimento do sistema vascular. Quando ocorrem condições climáticas favoráveis, nota-se a presença de massa de esporos de coloração rosaclara no caule.

Os sintomas iniciais desta doença são caracterizados por estrias longitudinais, de coloração vermelha, no hipocótilo e na raiz de plântulas ou plantas jovens. Com o passar do tempo surgem lesões irregulares, avermelhadas, que coalescem com o desenvolvimento da doença, tornam-se marrons, estendendo-se até a superfície do solo.

As raízes primárias geralmente são destruídas, dificultando as plantas de absorverem água e nutrientes de maneira adequada. O patógeno pode destruir todo o sistema radicular, resultando em um estande irregular com plantas subdesenvolvidas.

O complexo Fusarium causa duas doenças a murcha de fusarium e a podridão radicular seca - Crédito Ana Maria Diniz
O complexo Fusarium causa duas doenças a murcha de fusarium e a podridão radicular seca – Crédito Ana Maria Diniz

Controle

O controle de patógenos de solo deve ser feito de forma preventiva, recuperando-se a estrutura do solo e recompondo a comunidade microbiana, fragilizada pela agricultura intensiva. Uma alternativa para recompor a comunidade microbiana presente no solo é a aplicação massal de agentes de controle biológico.

O controle químico de fitopatógenos habitantes do solo não se mostra eficiente em muitos casos, deixando assim a população em um nível maior do que o aceitável, contribuindo para o inóculo inicial da doença no próximo ciclo de cultivo. Outro ponto importante é que não há o problema de resistência em relação ao uso contínuo de um ingrediente ativo, como no caso de produtos químicos.

Assim, a utilização de Trichoderma tem sido uma alternativa eficiente, tendo, inclusive, dois produtos registrados para o controle da podridão radicular seca do feijoeiro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Entre os ingredientes ativos estão os fungosTrichodermaharzianume Trichodermaasperellum, que ageminibindo e bloqueando o desenvolvimento de fitopatógenos no solo, utilizando-se de alguns mecanismos como a antibiose, o parasitismo e a competição.

Além disso, estes produtos permitem o bom desenvolvimento radicular da planta, liberando metabólitos que atuam como fitohormônios na decomposição de matéria orgânica e na liberação de nutrientes, além de bloquear o efeito alelopático negativo do fitopatógeno.

Biológicos x nutrição

Além da utilização de agentes de controle biológico, deve-se preocupar com o equilíbrio nutricional das plantas e, no caso da cultura do feijoeiro, o fósforo merece uma atenção especial, pois aumenta a chances de sucesso no controle da murcha de Fusariumquando aplicado no sulco de semeadura.

O uso em conjunto de Trichoderma e fósforo irá favorecer a promoção de crescimento da planta de feijoeiro, aumentando assim a possibilidade de saída da janelade susceptibilidade da doença.

A aplicação de Trichodermaasperellum deve ser de 100 gramas por 100 kg de sementes no tratamento de sementes.Já a aplicação de Trichodermaharzianumdeve ser de 800 a 1.000 ml por hectare na aplicação no sulco de plantio, e a aplicação de fósforo deve ser feita no sulco de plantio de acordo com a recomendação para cada área.

Vale a pena?

A relação custo-benefício do uso de Trichoderma visando o controle de doenças de solo é muito boa, porém, o agricultor deve fazer o uso associado a outras ferramentas do manejo e, nesse contexto, a utilização da adubação com fósforo pode aumentar a chance de sucesso no controle de Fusarium na cultura do feijoeiro.

Assim, no próximo ciclo de cultivo a necessidade de aplicações químicas reduzirá, pois o inóculo inicial dos patógenos presentes na área será menor, e isso ocorrerá de forma gradativa.

Essa matéria você encontra na edição de julho da Revista Campo & Negócios Grãos. Adquira o seu exemplar.

Inicio Revistas Grãos Controle biológico e nutricional do fusarium em feijoeiro