Controle biológico

0
891

Luciano Caixeta Professor de  fisiologia vegetal da Unipac (Universidade Presidente Antônio Carlos)

O controle biológico, hoje, tem forte impacto na agricultura, especialmente no controle de pragas que vêm tornando-se cada vez mais resistentes aos agroquímicos. Desse modo, o controle biológico se tornou uma das linhas de trabalho da empresa, pela utilização do macrobiológico (predadores naturais).

Dentre as espécies de Crisopídeo (Chrysoperla externa), é eficaz no controle de diferentes pragas, como os afídeos, pequenas lagartas como a falsa-medideira (Chrysodeixis inclubens), ácaros, cochonilhas, moscas brancas, broca-da-cana, bicho-mineiro e pulgões, tornando-se a melhor alternativa ao produtor rural e as agroindústrias, além de proporcionar inúmeros benefícios.

Atualmente, ele vem sendo utilizado na cafeicultura, na fruticultura, na cana-de-açúcar, na soja, no milho e em hortifrúti, com resultados satisfatórios.

Quem são eles

Os crisopídeos são os insetos mais estudados dentro da ordem Neuroptera, devido à sua larga ocorrência e reconhecida importância como agentes de controle biológico, pois são predadores vorazes nas fases larvais, possuindo um alto potencial reprodutivo, grande capacidade de busca das larvas e tolerância a alguns inseticidas, no caso específico de certas espécies.

 Este fato os caracteriza como predadores-chave em diversos agroecossistemas, devido a sua voracidade e grande capacidade de reprodução, eles são considerados organismos importantes para o controle biológico, apresentando boa capacidade de adaptação às condições laboratoriais e ambientais.

Além de atuarmos no segmento de produção, venda e aplicação do Crisopídeo, trabalhamos, ainda, com o manejo integrado de pragas e controle biológico com metodologia própria e o uso de ferramentas que ajudarão na redução de custo para o produtor, bem como buscar o equilíbrio na lavoura.

A escolha das ferramentas de controle (decisões de manejo) vai depender de alguns aspectos, como o monitoramento (amostragem), as condições do ambiente (agroecossistema), os níveis de controle das pragas e informações taxonômicas.

Versatilidade

Um outro fator importante do C. externa é sua tolerância a determinados grupos de inseticidas, os quais apresentaram resultados satisfatórios de resistência e sobrevivência. Por meio do monitoramento, por exemplo, é possível conhecer as espécies e os níveis populacionais das pragas e inimigos naturais que habitam a área. Algumas vezes, também pode-se quantificar os danos já causados nas plantas.

Benefícios do controle biológico por crisopídeo

1. Comprovadamente eficiente no controle de diversas pragas;

2. Ajuda a preservar o meio ambiente;

3. Agrega valor econômico à produção;

4. Baixo risco do aplicador;

5. Redução do uso de agroquímicos (inseticidas).

Formas de aplicação

Existem duas formas de aplicação do controle biológico através do crisopídeo: via drone e manualmente. A aplicação com drone é feita em grandes áreas, pois, além da inviabilidade na liberação manualmente, trata-se de uma melhor distribuição dos avos do inseto predador na lavoura, além do fornecimento pelo equipamento do mapa de aplicação fornecendo os pontos onde foram feitas as liberações (colocar imagens de drone).

A aplicação manual é feita, portanto, em pequenas áreas, por exemplo, no hortifruti, que, geralmente são de agricultura familiar, onde a utilização de agroquímicos é reduzida dando lugar ao controle biológico por exigências do mercado consumidor.

Mediante o exposto, salientamos que o uso do controle biológico com o crisopídeo é uma opção ecologicamente correta, economicamente viável e com eficácia comprovada, e estudos mostram o uso crescente desta tecnologia em nossas lavouras.

Palavra de produtores

Adir Hermes de Lima é cafeicultor há mais de 40 anos na Fazenda Rainha do Asfalto, localizada no município de Estrela do Sul (MG). Ele sempre procurou servir uma produção com menos uso de produtos perigosos à saúde, preocupando-se com a sua família e de quem consome os alimentos que ele produz. “Vi agora a oportunidade desse feito dos produtos biológicos. Estou aprendendo e mudando meu pensamento, para produzir sem poluir”, diz.

Para Michelle Galvão Machado, engenheira agrônoma, produtora agroecológica e proprietária da empresa Rancho Verde, em Uberlândia (MG), o controle biológico com crisopídeos veio como excelente opção para o controle de pragas. “Livre de agrotóxicos, a técnica preda um bom número de pragas infestantes de hortaliças em várias culturas. Nosso sistema de plantio integrado exige soluções como essa. Nossa propriedade tem a vantagem de estar inserida em uma área onde predomina pecuária, o que nos deixa afastados de sistemas com agrotóxicos. No entanto, há uma carência em inimigos naturais locais. A introdução do crisopídeo veio sanar essa lacuna no nosso sistema”, conclui.