27.1 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosGrãosControle da cigarrinha-do-milho com bioinseticida

Controle da cigarrinha-do-milho com bioinseticida

Pablo Henrique de Almeida OliveiraMestrando em Produção Vegetal – Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)pablohenrickk@gmail.com

André dos Santos MeloMestrando em Entomologia – UFRPEandre.mello004@gmail.com 

Dhyene Rayne dos Santos BeckerMestranda em Biodiversidade e Conservação – Universidade Federal do Pará (UFPA)drayneagro@gmail.com

Cigarrinha – Fotos: André Aguirre

Os insetos são grandes responsáveis por perdas agrícolas e transmissão de várias doenças. Para atenuar o dano causado por eles, a principal forma de controle utilizada são os produtos químicos.

No entanto, o uso descontrolado desses produtos pode causar contaminação do meio ambiente e intoxicação de seres humanos. Com o intuito de contornar essa problemática do uso desses produtos, uma alternativa bem interessante é a utilização de bioinseticidas, que são mais viáveis que os agroquímicos, além de serem microrganismos selecionados em ambiente natural.

Os bioinseticidas

Os produtos biológicos ou bioinseticidas utilizados para o controle de pragas agrícolas, no Brasil, são regulamentados pela Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989 (Brasil,1989), a lei de agrotóxicos e afins.

Essa lei define que “os produtos e os agentes de processos físicos, químicos ou biológicos são destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, hídricos e industriais, cuja finalidade seja alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos”.

Seguindo esse contexto, são considerados agentes de controle biológico (entomopatogênicos, parasitoides, predadores e nematoides).

No Brasil, os órgãos federais responsáveis pela avaliação e pelo registro de agrotóxicos e afins são o Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento (MAPA), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA).

Dentre os bioinseticidas conhecidos, pode-se mencionar a bactéria Bacillus thuringiensis e os fungos Metarhizium spp. e Beauveria bassiana.

Para o milho

O milho (Zea mays) é uma das culturas alimentícias básicas mais importantes do mundo. Por isso, o manejo de eventuais danos deve ser realizado.

A cigarrinha-do-milho causa várias doenças que impossibilitam o bom desenvolvimento produtivo desse vegetal. Além disso, esse inseto possui ciclo biológico muito rápido, podendo ter de cinco a seis gerações por ano, levando em consideração a temperatura.

Além da cigarrinha, outras pragas causam dano à cultura do milho, como corós rizófagos, larva-alfinete, lagarta-do-cartucho, lagarta-elasmo, lagarta-rosca, broca-da-cana, mosca-branca e percevejo barriga-verde, e por isso, novas pesquisas devem ser realizadas para poder ter um planejamento no controle de pragas e para produzir outros produtos que não sejam danosos ao meio ambiente.

Resultados práticos

Conforme notícia da Embrapa (2021), uma pesquisa inédita desenvolveu um bioinseticida natural que controla a cigarrinha-do-milho (Dalbulus maidis). A tecnologia utiliza um método de fermentação líquida do fungo Metarhizium robertsii que resulta em leveduras chamadas blastosporos.

Essas células podem ser diluídas e veiculadas com água, são tolerantes à dessecação e controlam adultos da cigarrinha após a pulverização, pois rapidamente germinam e infectam o inseto pela cutícula, matando-o em poucos dias.

Como é específico para a praga-alvo, preserva a fauna e a flora locais. O trabalho foi desenvolvido por cientistas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq-USP), Embrapa Meio Ambiente (SP) e Universidade de Copenhague (KU), na Dinamarca.

Essa pesquisa é importante, pois é uma possibilidade de utilizar brevemente um produto natural comercial, que poderá ser usado em lavoura. Além do mais, esse bioproduto pode ser aplicado via aérea ou terrestre, favorecendo a aplicação com equipamentos existentes na propriedade do produtor, de forma barata, eficiente e produzindo uma grande quantidade de blastosporos em poucos dias.

Ou seja, com esse trabalho observou-se que os blastosporos, as estruturas infectivas do fungo, podem controlar a cigarrinha-do-milho, uma praga que pode causar até 90% de dano na produção do milho. Além disso, o fungo pode ser manipulado para resistir a estresses abióticos, como dessecação, altas temperaturas e radiação ultravioleta.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ação eficaz sobre Spodoptera frugiperda e Chrysodeixis includens impulsiona inseticida na terceira safra

Tecnologia introduzida no mercado brasileiro no final de 2020 mostra indicadores relevantes de eficácia sobre as lagartas de difícil controle

Soja e milho: Inseticida tem bom desempenho de controle em lagartas nas culturas

Ação efetiva sobre Spodoptera frugiperda e Chrysodeixis includens foi constatada em pesquisas realizadas em diferentes pontos da fronteira agrícola.

Estimativas para a safrinha de milho se mantêm e recorde é esperado

Clima e relações comerciais com a China podem afetar estoques de milho e soja, mas estimativas apontam produção recorde

Uniparts – Confiança é tudo

Júlio César Pereira Júnior é sócio-gestor da fazenda Pombo, em Uberlândia e Estrela do Sul (MG), onde são plantados soja, milho, café, feijão e...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!