22.9 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiControle das pragas e doenças do abacateiro

Controle das pragas e doenças do abacateiro

Créditos: foto de arquivo

Bruna do Amaral Brogio
Doutoranda em Fitotecnia – Departamento de Produção vegetal – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – Universidade de São Paulo – ESALQ/USP
brunabrogio@usp.br
Simone Rodrigues da Silva
Doutora e professora – ESALQ/USP

As principais pragas do abacateiro são: broca ou lagarta-do-fruto (Stenoma catenifer), principal praga no Brasil; bicudo do abacateiro (Heilipus catagraphus; Heilus spp.) e carunchos (coleobrocas), lagartas, ácaros (Oligonychus yothersi; Oligonychus persea), tripes, percevejos e formigas.

Já as principais doenças que atingem os abacateiros são: podridão radicular ou gomose (Phytophthora cinnamomi), principal a nível mundial e no Brasil, antracnose (Colletotrichum gloeosporioides), cercosporiose (Cercospora purpurea), verrugose (Sphaceloma perseae) e oídio (Oidium perseae).

Prejuízos

Tanto as pragas quanto as doenças podem acarretar diminuição da produtividade da cultura e também a desvalorização do fruto, devido à sua aparência externa estar prejudicada por sintomas do ataque de pragas ou doenças.

Os principais sintomas são:

Broca do fruto Sintomas de danos causados na casca do fruto.
Bicudo do abacateiro e carunchos Lesões nos troncos, formações de galerias, seca de galhos e frutos novos perfurados.
Lagartas Folhas perfuradas.
Ácaros e tripes Bronzeamento de folhas e frutos.
Percevejos Frutos manchados ou mal formados.
Antracnose, cercosporiose e verrugose Frutos manchados.
Podridão radicular As folhas vão murchando, caindo aos poucos, podendo ocorrer a seca total da galhos e ramos e a consequente morte da planta.

Influência direta

A ocorrência de pragas e doenças nos abacateiros são dependentes de condições climáticas favoráveis, como temperaturas, UR e chuvas; das diferentes fases de desenvolvimento da cultura; do tipo de solo da região e, principalmente, do manejo fitossanitário utilizado no pomar.

Por esse motivo, é importante lembrar que o manejo integrado (químico, cultural e biológico) é o mais recomendado para o controle de pragas e doenças em abacateiros.

Controle

O manejo integrado faz uso de todas as técnicas de controle disponíveis e objetiva manejar a cultura de uma forma que as plantas possam expressar sua resistência natural, reduzindo os efeitos sobre os organismos benéficos.

Para isso, existem diversas opções de controle disponíveis:

  • Controle cultural: catação e derrubada de frutos doentes, que podem ser fonte de inóculo no pomar; uso de podas para iluminar e arejar o pomar; manutenção da limpeza do pomar, como eliminação de troncos, galhos e restos de poda e frutos.
  • Controle biológico: uso de produtos biológicos, como Bacillus thuringensis, Beauveria bassiana, Metarhizium anisopliae, Trichoderma harzianum, Bacillus subtilis, Trichogramma spp. e ácaros predadores.
  • Controle químico: procurar utilizar produtos que sejam inócuos aos inimigos naturais e abelhas, seguir corretamente a recomendação do fabricante quanto à dose do produto, volume de calda e horário de aplicação. Produtos registrados para a cultura estão disponíveis no portal do Agrofit, que pertence ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Cuidados

O monitoramento das populações de pragas e doenças é a chave para o controle fitossanitário. Entender o comportamento destes indivíduos direciona os produtores na tomada de decisão para o controle, como por exemplo, a adoção de armadilhas caseiras para o monitoramento de mariposas e besouros.

Assim como qualquer outra cultura, o abacateiro necessita de certos cuidados para o seu bom desenvolvimento e produtividade. Para evitar problemas fitossanitários, é necessário que a planta esteja em sua melhor condição de cultivo. Para isso, o manejo integrado é fundamental.

Assim, deve-se realizar um bom manejo de solo (gessagem; uso de coberturas; plantio consorciado com outras culturas); eficaz controle de plantas daninhas, as quais podem ser hospedeiras de pragas e patógenos; bom manejo da adubação, pois é essencial manter o correto balanço nutricional das plantas, afim de evitar a suscetibilidade dos abacateiros a pragas e doenças; podas, para um bom arejamento do pomar; evitar ferimentos em troncos e raízes, pois são ‘portas de entrada’ de patógeno oportunistas e pragas; limpeza do pomar, como recolhimento de frutos caídos ao chão após abscisão e restos de podas; uso de defensivos agrícolas de acordo com a recomendação do fabricante, alternando-se o princípio ativo e evitando-se misturas, o que consequentemente prejudica inimigos naturais e seleciona indivíduos resistentes, além de ajustar o pH e o tamanho das gotas das caldas agrícolas.

Deve-se, ainda, evitar o uso de calendários de pulverizações, que deve ser feito de acordo com a época específica de cada praga ou patógeno. Realizando o manejo integrado é possível minimizar os danos e os custos causados por problemas fitossanitários.

Técnicas e produtos inovadores

O uso do controle biológico vem crescendo na cultura do abacateiro. Esta é uma ferramenta que favorece o estabelecimento de inimigos naturais e evita o uso indiscriminado de inseticidas. Alguns produtores de abacate já fazem o uso do Trichograma spp para o controle de broca do fruto (principal praga da cultura).

O Trichograma spp é uma espécie de vespa que realiza sua oviposição no interior dos ovos da lagarta-do-fruto do abacateiro, quando estes ovos eclodem, gera uma nova vespa de Trichograma spp e não mais uma lagarta (broca) do abacateiro, mantendo-se assim o seu ciclo de vida no pomar de forma equilibrada e controlando a broca.

Erros

Os erros mais frequentes no combate a pragas e doenças é o uso incorreto dos defensivos, não respeitando as recomendações do fabricante, como dose do produto e as condições climáticas apropriadas para aplicação, não dando importância ao preparo da calda.

Muitas vezes não se faz o rodízio dos ingredientes ativos, o que favorece a seleção de patógenos e pragas resistentes, além da falta do manejo integrado entre controle químico, cultural e biológico. Para evitar tais erros, deve-se seguir as recomendações da bula dos defensivos e também ter o auxílio de um profissional especializado para indicar as melhores formas de controle.

ARTIGOS RELACIONADOS

Variedades de abacate: quais as preferidas pelo mercado externo?

O abacateiro Persea americana pertence à família Lauraceae, possuindo três centros de origem: Antilhas, Guatemala e México.

Abacate: cuidados no replantio de mudas

Descubra como escolher mudas de abacateiro de qualidade para garantir um cultivo de sucesso.

Armadilhas com inteligência artificial são destaque na Fenagri 2023

A agtech Tarvos levará para a maior feira de fruticultura e agricultura irrigada no Brasil, de hoje, 9, até dia 12 de agosto, em Petrolina-PE, uma nova solução para o controle das moscas-das-frutas.

Enxofre com inseticida – Alternativa contra as lagartas do pimentão

Carla Verônica Corrêa cvcorrea1509@gmail.com Bruno Novaes Menezes Martins brunonovaes17@hotmail.com Engenheiros agrônomos e doutorandos na UNESP - campus de Botucatu (SP)   As principais espécies de lagartas de mariposas responsáveis por...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!