18.1 C
São Paulo
quarta-feira, agosto 10, 2022
-Publicidade-
Inicio Revistas Grãos Controle de ervas daninhas

Controle de ervas daninhas

Milho

As ervas daninhas causam prejuízos aos agricultores e seu controle deve ser logo após o aparecimento.  Para auxiliar o produtor, a Ascenza acaba de lançar o Mesopec, um herbicida seletivo poderoso para aplicação pós-emergente.

O momento mais indicado para se obter sucesso no controle de plantas invasoras na lavoura é logo após seu surgimento. A utilização de um herbicida potente e eficaz como o Mesopec, lançamento da multinacional Ascenza, é fundamental nessa árdua tarefa.

Controlar as plantas invasoras tem diferentes resultados, dependendo do período em que se realiza tal prática. O melhor momento é aquele emergente, ou seja, assim que as daninhas surgem nos milharais. Estas invasoras, que a princípio parecem inofensivas, podem causar diversos problemas ao longo da safra, desde o desenvolvimento, no processo de produção, qualidade de grãos e até na hora da colheita.

Além disso, as ervas daninhas podem ser portas de entrada para pragas e doenças. Dessa forma, o resultado só pode ser prejuízo no bolso.

Solução

Pensando em uma ferramenta eficiente para que os produtores possam utilizar a fim de resolver essa situação, a Ascenza, multinacional portuguesa pertencente ao grupo Rovensa, acaba de lançar o Mesopec, um herbicida seletivo poderoso para aplicação pós-emergente.

De ação sistêmica, o novo produto é composto pelo Mesotriona 480 SC (suspensão concentrada), com eficácia comprovada para o controle de daninhas de folhas largas de crescimento anual e gramíneas na cultura do milho.

A substância pertence ao grupo químico das tricetonas e age interferindo no desenvolvimento da invasora, causando o branqueamento dessas plantas que são sensíveis ao produto e depois a necrose e, por fim, a morte dos tecidos vegetais. Esse processo leva cerca de uma a duas semanas após a aplicação da formulação.

De acordo com a engenheira agrônoma e marketing technical expert, Patricia Cesarino, a absorção do Mesopec acontece tanto pelas raízes quanto pelas folhas e ramos das ervas daninhas. “Por isso, dizemos que é uma molécula com alta mobilidade e de eficiente absorção. Lembrando que o milho é tolerante a ela, devido à sua grande capacidade de metabolizar rapidamente o herbicida. É válido lembrar que o produto é indicado tanto para ser utilizado em lavouras convencionais como em plantio direto”, explica.

Resultados com eficácia

O princípio ativo Mesotriona já vem sendo utilizado há muitos anos para o controle da matocompetição no milho. Por exemplo, segundo um estudo realizado por Luiz Lonardoni Foloni, engenheiro agrônomo e pesquisador da Universidade de Campinas, em 2002, esta formulação já proporcionava excelentes resultados, chegando a controlar de 90 a 100% a Digitaria horizontalis, ou capim colchão.

Além desta, o lançamento da Ascenza ainda controla outras plantas daninhas de relevância na cultura, como: Acanthospermum australe (carrapicho rasteiro), Acanthospermum hispidum (carrapicho de carneiro), Alternanthera tenella (Apaga fogo), Amaranthus hybridus (caruru roxo), Bidens pilosa (Picão preto), Commelina benghalensis (trapoeraba) e Digitaria horizontalis (capim colchão).

Destaque também para Digitaria insularis (capim amargoso), Euphorbia heterophylla (amendoim bravo), Galinsoga parviflora (picão branco), Ipomoea grandifolia (corda de viola), Portulaca oleracea (beldroega), Raphanus raphanistrum (nabiça) e ainda Sida rhombifolia (guanxuma).

empresa

A Ascenza é uma empresa de origem portuguesa que compõe o grupo internacional, Rovensa, presente em 70 países há mais de cinco décadas. Possui o compromisso de ajudar a alimentar o planeta por meio de soluções seguras e saudáveis numa agricultura equilibrada e sustentável, com respeito pelos aspectos sociais e ambientais.

Inicio Revistas Grãos Controle de ervas daninhas