26.6 C
Uberlândia
sexta-feira, junho 14, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioDestaquesControle de ‘Sphenophorus’

Controle de ‘Sphenophorus’

Cana – Créditos: shurtterstock

Com potencial para reduzir a produtividade e a longevidade dos canaviais e difícil de ser controlado, o bicudo-da-cana (Sphenophorus levis) impulsionou novamente a venda de inseticidas indicados ao manejo da praga, numa safra em que o mercado de agroquímicos voltados à cana-de-açúcar teve queda de 3,8%, para US$ 1,4 bilhão. Já os insumos para combate à ‘Sphenophorus’ movimentaram US$ 102 milhões no ciclo 2020, contra US$ 87 milhões de 2019 e US$ 48 milhões em 2018. O segmento mais que dobrou de tamanho em dois anos.

Os dados são do recém-divulgado estudo anual BIP – Business Inteligence Panel, da Spark Consultoria Estratégica. Segundo a empresa, apesar do segundo recuo consecutivo do mercado de agroquímicos para cana – no ciclo 2019 a redução foi de 2%, para US$ 1,442 bilhão –, a adesão aos inseticidas para o bicudo-da-cana saltou de 10%, em 2018, para 21% em 2020. O índice de tratamento por esses produtos atingiu 20% dos cultivos de cana soca, ante 19% de 2019 e 9% de 2018.

Na cana planta, apesar da redução da área plantada, a adesão saltou de 17% para 23%, entre 2019 e 2020, conforme destaca o coordenador de projetos e especialista em pesquisa de mercado da Spark, Alberto Oliveira. De acordo com ele, o Estado de São Paulo, maior produtor de cana do País, foi o mais atingido pelos ataques da Shenophorus levis, tendo registrado, em 2020, mais de 33% na adoção ao tratamento das infestações.

“Pragas de solo como ‘Sphenophorus’ estão hoje entre os principais desafios de manejo, em todas as regiões produtoras. Bicudo-da-cana pode afetar qualquer parte do canavial”, diz Oliveira. Ele acrescenta que a mudança do sistema de colheita, para cana crua, contribuiu para o recrudescimento da praga. O controle cultural através do fogo, explica, era medida auxiliar na redução da população de ‘Sphenophorus’, pois erradicava populações de insetos adultos.

“A palha serve de abrigo à praga e favorece sua proliferação. Por se constituir numa praga de difícil controle, é importante que o produtor monitore ataques de ‘Sphenophorus’ e utilize todas as ferramentas protetivas disponíveis: controle químico, biológico e controle mecânico, isoladamente e em conjunto.”

Mercado e categorias – Oliveira acrescenta que o resultado negativo em dólar do mercado de agroquímicos para cana-de-açúcar, se deve à desvalorização de 10,6% da moeda brasileira durante a safra 2020 (dólar médio da época da compra de insumos), além da redução da área plantada da cultura, de 1,8%, para 9,122 milhões de hectares. Na moeda local, mostra a Spark, houve alta de 7,6% nas vendas de produtos para os canaviais entre 2019 e 2020, de R$ 5,5 bilhões para R$ 5,9 bilhões.

Conforme a Spark, os herbicidas lideraram a relação de agroquímicos mais utilizados na cana-de-açúcar, com 53% de participação e vendas de US$ 729 milhões. Na segunda posição, os inseticidas movimentaram US$ 548 milhões, 39% do mercado total. Em terceiro lugar, os reguladores de crescimento registraram 4% da comercialização, chegando a US$ 54 milhões. Deste montante, 66% equivalem a maturadores (US$ 35 milhões), 31% a inibidores de florescimento (US$ 17 milhões) e 3% a bioestimulantes (US$ 1 milhão).

A categoria dos fungicidas aparece na quarta posição no BIP Spark Cana, com vendas de US$ 44 milhões, 3% da movimentação total da cultura. Os produtos adjuvantes fecham o resultado, com 1% (US$ 13 milhões).

Sobre a Spark Inteligência Estratégica

A credibilidade e os diferenciais competitivos conquistados pela Spark Inteligência Estratégica resultam de um intenso trabalho em nível de campo, realizado nas últimas cinco safras, envolvendo milhares de produtores-chave dos principais cultivos do País. A Spark reúne hoje um amplo e diversificado acervo de informações quantitativas e qualitativas sobre os mercados de defensivos agrícolas e sementes. Em seis anos de atividades, a Spark concluiu mais de 160 estudos especiais e 300 cotas de estudos painel. Nesse período, os profissionais da empresa aplicaram mais de 130 mil entrevistas e percorreram em torno de 4,5 milhões de quilômetros no território nacional.

Mais informações: http://spark-ie.com.br/

ARTIGOS RELACIONADOS

Bicudo do algodoeiro tem tratamento

O bicudo causa sérios prejuízos à cultura do algodoeiro, sendo os principais danos nos botões florais e maçãs, onde os insetos adultos fazem orifícios...

Novidades no manejo biológico de pragas

Descubra as últimas inovações no manejo biológico de pragas.

Controle das Formigas cortadeiras na agricultura orgânica

Autora Camila Rodrigues Alves Casarini Engenheira agrônoma casarini.ca@gmail.com No Brasil, as formigas cortadeiras do gênero Atta são conhecidas popularmente como saúvas e as Acromyrmex...

Pragas do açaí e métodos de controle

Walkymário de Paulo Lemos Chefe de Pesquisa & Desenvolvimento da Embrapa Amazônia Oriental walkymario.lemos@embrapa.br Lindaurea Alves de Souza Pesquisadora da Embrapa Amazônia Oriental   Dentre os fatores que comprometem a...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!