22 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosControle de Spodoptera frugiperda utilizando bioinseticidas

Controle de Spodoptera frugiperda utilizando bioinseticidas

Autora

Alessandra Marieli Vacari
Doutora e professora do curso de Engenharia Agronômica e Pós-graduação em Ciência Animal – Universidade de Franca
amvacari@gmail.com

Na cultura do milho deve-se dar a devida atenção em relação às pragas, mesmo antes da semeadura no campo. A lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae) pode atacar diversos estádios fenológicos da cultura, por isso recomenda-se o monitoramento constante.

No entanto, existem períodos críticos do ciclo da cultura, em que as plantas são mais suscetíveis ao ataque das pragas, que correspondem desde a emergência das plântulas até 30 dias após a semeadura (estádios fenológicos VE até V6), quando há grandes danos iniciais às folhas e ao colmo.

Além disso, de uma até duas semanas após o florescimento (V15 até R2) também podem ocorrer grandes perdas por danos à espiga.

Monitoramento

Para que o manejo de S. frugiperda seja eficiente, é importante que se faça o monitoramento. Este é o ponto inicial para determinação da necessidade ou não de controle de qualquer praga e faz parte do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) em milho.

Nesta cultura recomenda-se que a amostragem seja realizada em pelo menos cinco pontos diferentes em um talhão, sendo que em cada um desses pontos deve-se verificar no mínimo 20 plantas, totalizando no mínimo 100 plantas amostradas por talhão.

Talhões muito grandes devem ser divididos em talhões menores de até 100 hectares e deve-se conduzir a amostragem de 100 plantas em cada um desses sub talhões.

Quando começar a agir

O nível de controle de S. frugiperda na cultura do milho é de 20% de plantas raspadas até 30 dias após a emergência e 10% de plantas raspadas de 40 a 60 dias após a emergência. O monitoramento contribui para a segurança da tomada de decisão, para evitar desperdícios de produtos e desenvolvimento de resistência a inseticidas.

Controle com bioinseticidas

Os bioinseticidas utilizados na cultura do milho para o controle de S. frugiperda são específicos para a praga – essa é uma das vantagens desses produtos. A eficácia dos bioinseticidas depende de vários fatores importantes, como o tamanho das lagartas e o seu comportamento alimentar, bem como a qualidade da pulverização e correspondente cobertura das plantas.

Além disso, as condições climáticas também podem afetar a ação dos produtos. Os bioinseticidas são eficazes à campo para o manejo de S. frugiperda, desde que respeitadas as suas instruções de uso.

Os bioinseticidas à base de Bacillus thuringiensis e baculovírus agem por ingestão. Após a aplicação do produto sobre as folhas, as lagartas de S. frugiperda que se alimentarem da área tratada ingerem os corpos de oclusão (OBs) de nucleopoliedrovírus (NPV) ou a cepa de B. thuringiensis contendo cristais e esporos que estão na superfície das folhas tratadas.

O tempo de mortalidade após a ingestão dependerá das condições ambientais, do comportamento alimentar das lagartas e do mecanismo de ação do bioinseticida, podendo levar de três a oito dias. Porém, para os bioinseticidas utilizados para S. frugiperda, as lagartas normalmente param de se alimentar no período de um a três dias.

Cuidados

Na aplicação de produtos em condições de déficit hídrico, devem-se fazer pulverizações direcionadas à região do cartucho utilizando bicos tipo leque, visando proporcionar boa cobertura e minimizar perda por deriva.

Para aplicação terrestre, utilizar volumes de calda de 100 a 300 L/ha para plantas com 30-40 dias de idade e 20 L/ha para plantas mais desenvolvidas. Para aplicação aérea utilizar volumes de calda de 20 a 50 L/ha.

As aplicações com bioinseticidas a base de B. thuringiensis e baculovírus podem ocorrer em intervalos de sete a 10 dias, sendo que esses produtos devem ser aplicados no início da infestação da praga, com lagartas nos estádios iniciais de desenvolvimento, do primeiro ao terceiro instar.

Outro fator importante é realizar as pulverizações sempre à tarde, para se evitar maior incidência de raios ultravioletas sobre as plantas nos períodos mais quentes do dia. Os raios UV são um dos principais fatores de inativação de bioinseticidas a campo.

Atualmente, os bioinseticidas registrados no MAPA para S. frugiperda na cultura do milho são nove, à base de B. thuringiensis (var. aizawai, var. kustaki cepa HD-1, subsp. thoworthy isolado 344) e três à base de vírus (baculovírus Spodoptera frugiperda multiple nucleopolyhedrovirus SfMNPV).

Considerações finais

Boas práticas de manejo de resistência devem ser sempre seguidas para manter a eficácia e a longevidade dos bioinseticidas como uma ferramenta útil no manejo de S. frugiperda.

As aplicações devem ser direcionadas à fase mais suscetível da praga, ou seja, lagartas menores que 8 mm. Os bioinseticidas devem ser utilizados como parte de uma estratégia de manejo de resistência de pragas, incluindo também a rotação de produtos eficientes e com diferentes mecanismos de ação.

Sempre que disponíveis, devem-se integrar outros métodos de controle para S. frugiperda (como químico, biológico, cultural) dentro de um programa de MIP-milho.

ARTIGOS RELACIONADOS

Ovos e ninfas da mosca-branca devem ser eliminados?

Autores Luís Paulo Benetti Mantoan Doutor em Ciências Biológicas (Botânica)/Fisiologia Vegetal – UNESP luismantoan@gmail.com Carla Verônica Corrêa Doutora em Agronomia/Fisiologia Vegetal – UNESP cvcorrea1509@gmail.com...

Modelagem auxilia na avaliação de sistemas agrícolas

  Qual sistema de integração lavoura-pecuária é o mais eficiente para conservar carbono no solo? Como eles se comportam nos diferentes cenários climáticos prováveis? Uma...

Quais as doenças que atingem a nogueira-pecã?

AutoresMarília Lazarotto Mestra em Engenharia Florestal e professora da Faculdade de Agronomia – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Carlos Roberto...

Multissítio da Nufarm mostra controle eficaz da doença em mais de 40 ensaios realizados nas safras 2015-16 e 2016-17

Adoção média de fungicidas protetores saltou de 6% para 38% da área de soja nas últimas safras; produtos são indispensáveis ao 'manejo de resistência'...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!