32 C
Uberlândia
quarta-feira, novembro 8, 2023
- Publicidade -
InícioArtigosFlorestasControle efetivo de formigas cortadeiras

Controle efetivo de formigas cortadeiras

                                                           

Colocar juntas para abrir matéria - Crédito Ana Maria Diniz (2)
Crédito Ana Maria Diniz

A Dinagro esteve presente no 10º Dia de Campo Florestal, em Botucatu (SP), onde explicou sobre o ciclo biológico das formigas cortadeiras e a importância de seu controle. “Apresentamos, também, sobre o modo de ação da isca formicida à base de sulfluramida no formigueiro e os cuidados na sua aplicação, com os detalhes sobre o manejo no campo“, informa Thaís Lopes, consultora técnica comercial da Dinagro.

Colocar juntas para abrir matéria - Crédito Ana Maria Diniz (1)
Crédito Ana Maria Diniz

Segundo ela, a época correta de fazer o controle está associada ao ciclo biológico da formiga. “O ideal é controlar a formiga cortadeira na época seca e não na época chuvosa. Na época seca os formigueiros apresentam uma alta atividade forrageira já na época chuvosa, os formigueiros adultos estão em período de revoada e a preocupação maior nesta fase é a reprodução e não na busca de alimentos. Além disso, a chuva deteriora a isca formicida“, esclarece.

Como é feito o controle?

A quantidade de isca formicida é baseada no tamanho do formigueiro (terra solta) portanto, o ninho deve ser medido em passadas de 1 metro. “Medimos o maior comprimento e a maior largura, multiplicamos estas medidas para calcularmos a área de terra solta do formigueiro e aplicamos 10 gramas de isca formicida para cada metro quadrado de terra solta. Lembrando que não se aplica a isca formicida sobre a terra solta ou dentro dos olheiros. O ideal é aplicar ao lado dos olheiros, principalmente os de alimentação, e ao lado dos carreiros, para que a formiga carregue a isca da forma esperada“, ensina Thaís Lopes.

Ação da isca formicida dentro do formigueiro

A sulfluramida tem ação por ingestão. Assim, o primeiro contato acontece quando a formiga está carregando a isca para o formigueiro, momento em que é contaminada. Dentro do ninho outras operárias se encarregam de hidratar os pellets de isca e fragmentá-los em pedaços menores para serem incorporados no jardim de fungo. Estas operárias, pela atividade que desempenham, são as que se intoxicam mais rapidamente e intensamente. Como a sulfluramida inibi a síntese de energia (ATP), as operárias contaminadas deixam de trabalhar, de se alimentar, de cuidar do fungo e começam a morrer. Com a morte das operárias, há uma desorganização geral no formigueiro levando-o à morte em poucos dias.

ARTIGOS RELACIONADOS

Embrapa tem a primeira cultivar de gergelim protegida do Brasil

A primeira cultivar de gergelim com proteção concedida no Brasil é da Embrapa. A BRS Morena foi desenvolvida pela...

Tecnologia sem fio facilita a instalação e pesagem a bordo dos veículos

Módulo EX5000, lançamento da Exacta Balanças, é a solução ideal para condições severas de tempo, temperatura e vibração   O sonho de muitos pecuaristas é aumentar...

Fontes de matéria orgânica na composição de fertilizantes organominerais

AutoresMara Lúcia Martins Magela Danyela Cristina Marques Pires Doutorandas em Agronomia – Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Regina Maria Quintão Lana Professora de Fertilidade...

Aposte na gestão do seu negócio

  Carlos Henrique Cardeal Guiraldeli Engenheiro agrônomo cguiraldeli@gmail.com No atual cenário do agronegócio no Brasil, os produtores rurais precisam buscar maior competitividade do negócio, focando também a sua...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!