21.6 C
Uberlândia
sábado, abril 13, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosHortifrútiControle químico na cultura da romã

Controle químico na cultura da romã

Elma Machado Ataíde

Doutora e professora de Fruticultura da Universidade Federal Rural de Pernambuco

elmaataide@yahoo.com.br

“As marcas pretas“ encontradas nas romãs podem indicar a presença de antracnose nos frutos. A doença provoca ferimentos nas cascas que favorecem a infestação de pragas oportunistas.

De olhos bem abertos

Crédito Internet
Crédito Internet

A antracnose é a mais importante doença da romãzeira; ataca tanto as folhas como os frutos. Os sintomas nas folhas são manchas cloróticas de coloração marrom a preta. Causa necrose e ruptura da área lesionada, seguido de amarelecimento e abscisão.

Em frutos, provoca manchas pardo-avermelhadas na superfície da casca, seguido de pontuações escuras. Esse fungo sobrevive mais intensamente quando a umidade relativa e a temperatura são altas, condições que ocorrem geralmente no período das chuvas.

Prejuízos

O prejuízo ao produtor é maior quando o fungo incide sobre os frutos ainda na planta, ou após a colheita causa danos na área lesionada, provocando grandes perdas e depreciando os frutos para a comercialização, já que depois de instalado o controle desse fungo é irreversível.

O que fazer

Na cultura da romãzeira os produtos registrados para o controle da antracnose são os fungicidas bicarbonato de potássio (B37) e o flutriafol, sendo os mesmos eficientes no controle desse fungo, mas de difícil acesso devido à comercialização em poucas localidades.

Ainda visando o controle da antracnose, vem sendo utilizada poda de limpeza, que consiste na retirada dos ramos doentes, secos e indesejáveis da planta, além da eliminação dos ramos voltados para a projeção do centro da copa, com emprego de “poda leve“, sendo essa prática importante para a maior interceptação de luz no interior da copa e aeração. A técnica favorece, ainda,a melhor sanidade do pomar e potencializa a fotossíntese dos ramos remanescentes da planta.

Pode-se fazer a remoção e queima dos ramos podados e frutos mumificados na área de cultivo, com a finalidade de reduzir o inóculo inicial da doença.Para pomares instalados em condições favoráveis ao fungo, adotar medidas preventivas, utilizando espaçamentos maiores entre plantas para melhor ventilação e insolação.

Na hora certa

O controle da antracnose deve ser realizado preventivamente, com ação protetora, com aplicações de fungicidas antes e no início da floração e durante o desenvolvimento dos frutos em pomares conduzidos sob condições favoráveis à doença, com repetidas pulverizações ao longo do ciclo da cultura, de acordo com o produto utilizado. Frutos infectados com o fungo têm o controle irreversível.

Essa matéria você encontra na edição de outubro 2016  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

ARTIGOS RELACIONADOS

Poda do maracujá: como fazer?

Por onde começar a poda do maracujá? Quais os tipos? Quais cuidados? Confira no artigo da Campo & Negócios.

Os Biorreguladores proporcionam contribuições amplas à agricultura?

Autores Paulo Roberto de Camargo e Castro Doutor e professor titular - ESALQ/USP prcastro@usp.br Gabriela Romêro Campos Graduanda em Engenharia Agronômica - ESALQ/USP...

Potássio – Maturação e qualidade do cafeeiro

  Dalyse Toledo Castanheira Doutoranda em Fitotecnia " UFLA, integrante do NECAF - Núcleo de Estudos em Cafeicultura e do GHPD - Grupo de Estudos em...

Aminoácidos reduzem doenças em tomateiros

Jarbas dos Reis Silva Graduando em Agronomia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) jarbasreissilva@gmail.com Roberta Camargos de Oliveira Engenheira agrônoma e doutora em Agronomia - UFU robertacamargoss@gmail.com Fernando Simoni Bacilieri Mestre...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!