30.2 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioDestaquesCorreto manejo nutricional do mamoeiro

Correto manejo nutricional do mamoeiro

Antônio Rafael Neri dos Santosrafaelnsantos29@gmail.com

Lucas Guilherme Araujo Soareslucasifpa@gmail.com 

Graduando em Agronomia – Universidade Federal da Amazônia (UFRA), Campus Capitão Poço – Pará

Antonio Santana Batista de Oliveira FilhoMestre em Agronomia e tutor presencial – UNOPAR – Balsasa15santanafilho@gmail.com

Mamoeiro – Crédito: José Eduardo Borges

O mamoeiro é uma planta de crescimento, florescimento e frutificação constantes e, por conseguinte, a partir do início de produção demonstra que é constante a demanda por água e nutrientes frequentes, permitindo o fluxo contínuo de produção de flores e frutos (Trindade et al., 2000; Crisóstomo, 2009).

A nutrição mineral e a adubação do mamoeiro vêm sendo abordadas como prioridade nos sistemas de produção do mamão, pela utilização da análise de solo e da análise foliar para a diagnóstico da disponibilidade de nutrientes e o seu equilíbrio nutricional, para obtenção de alta produtividade e qualidade dos frutos (Alves et al, 2003).

A amostragem de solo da área, é feita normalmente na profundidade de zero a vinte centímetros, três a seis meses antes da implantação da cultura (Trindade et al., 2000). A diagnose foliar, baseada em métodos padronizados de amostragem, é o critério mais eficaz na avaliação do estado nutricional do mamoeiro, com a grande vantagem de se considerar a própria planta como um extrator dos nutrientes do solo, permitindo a avaliação direta de seu estado nutricional, constituindo, assim, uma forma indireta de avaliação da fertilidade do solo (Alves et al, 2003).

Identificação visual

O Incaper – Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, realizou um estudo sobre a deficiência e excesso de macro e micronutrientes. A deficiência de nitrogênio se manifesta nas folhas mais velhas na forma de clorose foliar devido à redução da formação de clorofila, enquanto o excesso pode causar o amolecimento da polpa do mamão, característica indesejável para a qualidade do fruto.

[rml_read_more]

O fósforo, quando encontrado em poucas quantidades, é identificado com o aparecimento de manchas púrpuras no limbo das folhas maduras. Já a deficiência de potássio pode ser identificada pela necrose ou pelo escurecimento das folhas mais velhas.

A deficiência de cálcio pode ser vista pelo encurvamento das margens das folhas, prejudicando a expansão foliar. Para o magnésio, a deficiência é identificada nas folhas maduras pelo aparecimento de manchas amareladas entre as nervuras da folha do mamoeiro.

A deficiência de enxofre é caracterizada nas folhas novas em expansão, pois ficam com tonalidade verde-clara até quando completamente expandidas. A deficiência do ferro causa manchas verde-claras nas folhas mais novas e clorose nas folhas maduras.

Para o zinco, a deficiência causa a redução do tamanho da folha e o encurtamento dos internódios. No manganês, sua deficiência pode ser vista pelo aparecimento de manchas verde-claras entre as nervuras laterais.

Com o boro, a deficiência se revela com a forma dos frutos, que tendem a ter protuberâncias, causando deformação. Para o cobre, a deficiência é identificada nas folhas novas, onde há coloração amarelada nas margens da folha (Alves et al, 2003).

Recomendações

Estudos com a cultura do mamoeiro para determinar a absorção de nutrientes demonstraram que a planta absorve quantidades relativamente elevadas de nutrientes e apresenta exigências contínuas, atingindo o máximo aos 12 meses (Crisóstomo, 2009). Dessa forma, é notável a preocupação que se deve ter com a nutrição correta e eficaz do mamoeiro para garantir um desenvolvimento adequado.

Segundo Faria, 2000, a calagem deve ser realizada entre dois e três meses antes do plantio do mamoeiro. Também, deve ser avaliada a opção de substituir 25% do calcário por gesso, com o objetivo de aumentar a saturação por bases nas camadas mais profundas do solo, onde, se houver a necessidade de fazer uma aração no solo, deve ser aplicada a primeira metade antes dela, e a segunda metade antes da gradagem, para garantir uma melhor incorporação.

Pode-se efetuar uma adubação foliar das mudas no viveiro com uma solução a 0,1% de ureia se as folhas velhas se apresentarem amarelas e a 0,5% de ureia, quando o amarelecimento é generalizado (Faria, 2000).

Na adubação de cobertura é recomendada a utilização de 10 g de N/cova e 15 g de K2O/cova. O fósforo deve ser aplicado uma vez, misturado com terra para o enchimento da cova, com os micronutrientes. A recomendação deve ser feita com base nos resultados da análise de solo, sendo, normalmente, utilizada duas a três adubações por ano (Alves et al, 2003).

Os micronutrientes

Para os micronutrientes, deve-se aplicar na cova de 50 a 100 g de FTE- Br-8, FTE Br-9, baseando-se sempre na concentração de boro do produto (de 1 a 2,5 g de B/cova) (Trindade et al., 2000). A adubação de cobertura deve ser feita com frequência, em intervalos mensais ou bimensais, ou de acordo com o regime de chuvas da região, com adubos preferencialmente solúveis e que contenham enxofre (Faria, 2000).

Na adubação de produção, a relação N/K do fertilizante não deve ser menor do que um, ou seja, na adubação do mamoeiro o potássio deve ser usado em quantidade menor ou no máximo igual a de nitrogênio (Alves et al, 2003).

Os micronutrientes podem ser fornecidos via solo e/ou via foliar. Via solo a dose é constituída de 5,0 kg de zinco/ha, 2,0 kg de boro/ha, 2,0 kg de cobre/ha e 4,0 kg de manganês/ha. Quando necessária, a correção de micronutrientes poderá ser feita com pulverização via foliar, mantendo-se as seguintes concentrações: sulfato de manganês a 1%, sulfato ferroso a 1%, sulfato de zinco a 0,6%, ácido bórico a 0,3% e oxicloreto de cobre a 1% (Alves et al, 2003).

Forma orgânica

Se o agricultor optar pela adubação orgânica, encontrará grandes vantagens. Apesar da possibilidade de redução da adubação química, quando se utiliza matéria orgânica, deve-se entender a sua função, principalmente como condicionador do solo, melhorando suas propriedades físicas, químicas e biológicas (Alves et al, 2003).

O mamoeiro responde bem à adubação orgânica, que traz como vantagens a melhoria das condições físicas, químicas e biológicas do solo. Recomenda-se, portanto, sempre que possível, a utilização de adubos como tortas vegetais (mamona, cacau etc.) estercos (bovino e de galinha), compostos diversos e outros (Trindade et al., 2000).

ARTIGOS RELACIONADOS

Agrocultivo investe em tecnologias hidropônicas

  A Agrocultivo é uma empresa que trabalha na área de comércio e exportação, voltada para o segmento de cultivo protegido. Pelo quarto ano a Agrocultivo...

Encontro Brasileiro de Hidroponia reúne profissionais do setor em Florianópolis

Mais de 350 pessoas passaram pelo evento, todos em busca de mais qualidade e sustentabilidade para seu cultivo   O 11º Encontro Brasileiro de Hidroponia, realizado...

Cenouras híbridas apresentam produtividade até 70% superior

Agnaldo D. F. Carvalho Pesquisador da área de Melhoramento Genética da Embrapa Hortaliças   Segundo dados oficiais, a média de produtividade de cenoura no Brasil gira em...

Floral Atlanta – 30 anos de mercado

A Floral Atlanta teve suas expectativas atendidas durante a Hortitec, com o movimento equilibrado de pessoas e alta qualidade de público. “Nossa proposta de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!