Nova solução em aplicação de defensivos

0
756
Drone – Crédito: Shutterstock

Com o novo programa Landvisor AplicAr-S, a Corteva estima reduzir 1,2 milhão de litros de água entre novembro e março, reforçando seu compromisso em promover a sustentabilidade no setor

Corteva Agriscience – importante empresa americana de produtos químicos e sementes agrícolas, em parceria com a ARPAC – startup de tecnologia para agronegócio -, apresenta ao mercado o Landvisor AplicAr-S, primeiro programa de aplicação de defensivos agrícolas por drones em pastagens do Brasil.

A iniciativa faz parte da Plataforma-S, programa que a companhia deu início este ano, como parte do compromisso público que assumiu com suas Metas Globais de Sustentabilidade 2030, e tem objetivo de oferecer sucesso do pecuarista e dos envolvidos na cadeia; a sinergia entre todos em prol da pecuária sustentável; o comprometimento socioeconômico, por meio de práticas que conectam a comunidade com a atividade do setor; a sustentabilidade em todas as ações do projeto.

O programa inovador foi desenvolvido pelas equipes das duas empresas. Os especialistas da Linha Pastagem da Corteva testaram e validaram os equipamentos e métodos necessários para o sucesso do programa com foco na pecuária. Já a equipe da ARPAC, contribuiu com a expertise obtida na criação e montagem de drones especializados em aplicação de defensivos. O novo método de aplicação deve permitir a economia de mais de 1,2 milhão de litros de água em um período de cinco meses, entre novembro e março, considerando a utilização de cinco módulos de trabalho do AplicAr-S – cada um com capacidade de aplicação média de mil hectares.

“Durante um ano testamos inúmeros parâmetros, com situações climáticas adversas para chegar ao melhor resultado técnico e sustentável. Quando comparamos com o sistema de aplicação tratorizada ou costal, com o AplicAr-S conseguimos alcançar até 96% de redução dos recursos hídricos. Na prática, com a aplicação por drones utilizamos 10 litros de água por hectare, enquanto no tratorizado são gastos em média 250 litros por hectare”, destaca Guilherme Foresti Caldeira, Gerente de Marketing de Campo da Corteva Agriscience no Brasil e líder do projeto.

Os aspectos da qualidade, uniformidade e precisão técnica na aplicação dos defensivos por meio do AplicAr-S, trazem superioridade na cobertura, além de maior e melhor alcance das gotas, que estão diretamente relacionados ao aumento da eficiência no controle das plantas daninhas, segurança contra a deriva e melhor custo benefício para o pecuarista brasileiro. Além dos fatores técnicos exigidos, nos mais de 90 testes realizados foram elencados e comprovados também resultados de crivo ambiental e social.

Durante o processo de pesquisa, Hérvio de Mattos Carbonaro, Agrônomo de Campo Pastagem, Floresta e IVM da Corteva Agriscience no Brasil, ressalta que “além do tamanho das gotas e a velocidade dos ventos procuramos entender todas as variáveis envolvidas na operação para que obtivéssemos sucesso e segurança nas aplicações, seguindo as boas práticas agrícolas. Buscamos encontrar alturas ideais de voo e uma boa cobertura do alvo, visando alcançar bons resultados de eficiência de controle nas aplicações”.

Além de oferecer aplicações precisas e mais segurança ao aplicador, principalmente, quando comparado ao método costal – a aplicação com drone permite uma gestão inteligente dos recursos, pois o software do equipamento possibilita o monitoramento e armazenamento de todas as métricas das operações durante as safras. Com este recurso digital é possível analisar a evolução no controle das plantas daninhas ano após ano, realizar adequações técnicas e comprovar a positividade do custo benefício, isto é, qual a relação do custo da aplicação com drones e o seu impacto no aumento da produtividade das arrobas por hectare. “O programa AplicAr-S é um novo modelo de negócio que vai permitir com que os distribuidores exclusivos de pastagem da Corteva ofereçam soluções integradas e completas ao pecuarista com inovação, diferenciação tecnológica e, principalmente, conectado ao conceito de sustentabilidade da Plataforma-S, que tem como objetivo proporcionar maior produção de arrobas/ha de forma economicamente viável, respeitando o meio ambiente e a relação com a pessoas”, conclui Caldeira.

Capacitação, treinamento e apoio técnico

Para expandir o Landvisor AplicAr-S e contribuir para que os pecuaristas se beneficiem dessa inovação tecnológica, a Corteva e a ARPAC – parceira do projeto e detentora dos equipamentos e tecnologias da aplicação – capacitarão e equiparão os times dos distribuidores exclusivos de pastagens para que levem essa novidade ao campo. Além de treinamentos com aulas práticas e teóricas para a operação do drone, a ARPAC vai fazer a entrega dos equipamentos completos, a adaptação do veículo do profissional para transportá-los e oferecer assistência técnica nas operações.

Sobre a Linha Pastagem da Corteva

A Linha Pastagem, da Corteva Agriscience™, traz o legado de soluções, produtividade e liderança da Dow neste segmento. Os melhores exemplo disso são: a Tecnologia XT, que chegou para trazer o controle foliar eficiente de plantas daninhas duras e muito duras, que antes não existia, e a Tecnologia Ultra-S, que com sua formulação concentrada e exclusiva, rende muito mais hectares por litro de produto do que os demais herbicidas para plantas anuais e bianuais. E isso é só o começo: outros produtos e novas tecnologias virão, com cada vez mais soluções e inovações. Porque, para nós, o propósito de enriquecer a vida de quem produz e de quem consome não é um ideal descolado de nossas ações. É a nossa estratégia de negócio. É da nossa linhagem. É da nossa raça.

Sobre a ARPAC
Fundada em 2016, pelo administrador de empresas e piloto de avião, Eduardo Goerl. A ARPAC nasceu após Eduardo enxergar potencial de utilização de tecnologia de drones para pulverização agrícola. Desde então a ARPAC passou a firmar parcerias com o setor, inclusive com empresas como ACE, BASF, Raízen, Agribela e Taranis, tendo sobrevoado mais de 100 mil hectares para pulverização de químicos, liberação de macro-biológicos e captação de imagens. Com polos de operação no Rio Grande do Sul, São Paulo, Goiás e Mato Grosso, conta com 25 funcionários e já recebeu R$ 2,5 milhões em investimentos (DroneFund, ACE/BASF, BVC, e investidores-anjo).