29.7 C
Uberlândia
domingo, fevereiro 25, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosFlorestasCresce o uso de fertirrigação em seringueira

Cresce o uso de fertirrigação em seringueira

Débora de Melo AlmeidaEngenheira florestal, técnica em Controle Ambiental e mestranda em Ciências Florestais – Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)debooraalmeida@gmail.com

Bruna Rafaella Ferreira da SilvaEngenheira florestal, técnica em Controle Ambiental e mestranda em Ciência e Tecnologia da Madeira – Universidade Federal de Lavras (UFLA)brunarafaellaf@hotmail.com

João Gilberto Meza Ucella FilhoEngenheiro florestal, técnico em Agronegócio e mestrando em Ciência e Tecnologia da Madeira – UFLA16joaoucella@gmail.com

Floresta – Crédito: Hidroforte

A seringueira (Hevea brasiliensis Muell. Arg) é uma espécie arbórea, nativa do Brasil, com elevada importância econômica, visto que após atingir a maturidade fisiológica, a excisão de uma pequena parte do caule, conhecida como sangria, resulta na liberação de conteúdo citoplasmático com grande quantidade de látex, que constitui a principal matéria-prima utilizada para a produção de borracha natural.

No Brasil, a demanda por borracha natural vem aumentando consideravelmente. Entretanto, o segmento produtivo não consegue atender em quantidade suficiente as indústrias consumidoras, havendo a necessidade de expansão da heveicultura no País, seja por meio da implantação de novas áreas de cultivo, aprimoramento das técnicas de produção ou a inserção de novas tecnologias.

Diante do exposto, para o cultivo da seringueira a utilização da fertirrigação consiste em uma alternativa promissora e com aceitação crescente entre os produtores, em decorrência dos excelentes resultados obtidos em campo, visto que a fertirrigação representa o mais eficiente meio de fertilização, combinando dois fatores essenciais para o crescimento e desenvolvimento das plantas: água e nutrientes. Portanto, a fertirrigação é caracterizada como sendo a aplicação dos fertilizantes via água de irrigação.

A fertirrigação é mais frequentemente utilizada nos sistemas de irrigação localizada, como o gotejamento e a microaspersão, tendo em vista que a fertirrigação localizada é a que melhor distribui os fertilizantes, contemplando maior número de raízes absorventes sob a copa.

Benefícios proporcionados

A introdução da fertirrigação no sistema de produção agrega inúmeras vantagens, destacando-se:

• A uniformidade durante a aplicação dos nutrientes, desde que o sistema de irrigação também apresente boa uniformidade;

• A melhoria da eficiência nutricional, visto que possibilita a redução da dosagem de nutrientes, devido à aplicação ocorrer no período de maior exigência e na quantidade requerida pela cultura;

• O maior aproveitamento do equipamento de irrigação;

• A menor compactação do solo e a redução dos possíveis danos físicos causados às plantas, devido à diminuição do tráfego de máquinas dentro da área de cultivo;

• A redução na contaminação do meio ambiente, em função do melhor aproveitamento dos nutrientes móveis no solo, quando aplicados via irrigação localizada;

• Diminuição da utilização de mão de obra.

Ação e reação

O uso dessa tecnologia permite que seja obtido total conhecimento da quantidade de água e nutrientes que estão sendo aplicados, assim como compreender a sua dinâmica no solo.

Além disso, devido à fertirrigação estar inserida no contexto da produção sustentável e ser considerada o sistema mais racional de aplicação de fertilizantes, torna-se possível obter elevada produtividade, aliado à produção sustentável e com máxima viabilidade econômica.

Limitações da fertirrigação

[rml_read_more]

No emprego da fertirrigação são observadas algumas limitações, destacando-se a corrosão dos equipamentos de irrigação, toxidez ao produtor, toxidade e queima das folhas das plantas, custo inicial elevado do sistema de irrigação e aumento das perdas de carga no sistema de irrigação.

Por onde começar

Para a implantação adequada da fertirrigação, torna-se essencial a contratação de profissionais que possuam conhecimentos técnicos relacionados à nutrição de plantas para selecionar adequadamente os fertilizantes que devem ser utilizados, assim como para o cálculo das dosagens adequadas e o parcelamento dessas doses, evitando a queima das folhas das plantas por toxidez.

Além disso, é necessário o conhecimento do tipo de solo da área de cultivo, da qualidade da água de irrigação, do tipo de injetor, sua posição e da taxa de injeção, assim como do tempo, quantidade e uniformidade de aplicação dos produtos na água de irrigação.

Demanda na seringueira

Na cultura da seringueira, a fertirrigação por gotejamento apresenta uso crescente entre os produtores, pois durante a implantação de um seringal, normalmente, corre perda significativa de mudas causada por déficit hídrico. Ao utilizar esse sistema, além da redução de perdas das mudas, observa-se incremento na produtividade de até 40%.

O uso dessa tecnologia pode antecipar o período de sangria em dois anos, além de proporcionar maior uniformidade no estande de plantas e rápido desenvolvimento, visto que é possível controlar quando a planta será irrigada, o quanto de água será utilizada, que zona do plantio se deseja irrigar e a quantidade de fertilizante que será adicionado à água, sendo tudo feito de forma automatizada, controlada e precisa, otimizando e viabilizando economicamente a produção.

Na produção de mudas de seringueira também cresceu o uso da fertirrigação, porque impede ocorrência de antracnose e garante o vigor da futura árvore, assim como do futuro seringal.

Relação custo x benefício

A relação custo x benefício da adoção da fertirrigação deve ser cuidadosamente analisada, devido a ser frequentemente utilizada nos sistemas de irrigação localizada, que apresentam alto custo. Logo, será viável, principalmente, para culturas que apresentam elevado retorno econômico, como por exemplo, a seringueira.

Viabilidade

De modo geral, a utilização da fertirrigação em plantios de seringueira, especialmente na fase de mudas da espécie, tem se mostrado bastante promissora e vantajosa, principalmente por reduzir o índice de mortalidade das mudas no estágio inicial do plantio, seguido da obtenção de maior produtividade e maior controle nutricional da planta, sem que ocorram desperdícios.

Embora seja necessário um investimento alto no início, a aplicação da fertirrigação propicia a produção de látex em menor tempo, gerando assim lucros ao produtor mais rapidamente, tornando-se uma técnica viável.

ARTIGOS RELACIONADOS

Brasil pode faturar R$ 1 trilhão com reciclagem de resíduos em 2027

Cooperativismo é uma das conquistas brasileiras no Dia Internacional da Reciclagem, em 17 de maio; Movimento Circular afirma que a reciclagem é vital para a economia.

Fertilizante multinutrientes – você conhece?

O trigo (Triticum aestivum L.) é uma planta da família das poáceas (Popper et al., 2006) ...

Cut-to-lengh – Colheita com sustentabilidade

Muito mais que um sistema de colheita de árvores, o método CTL (Cut-to-Length), ou ...

Brasil se destaca na exportação de madeira

Pinus e eucalipto lideram o ranking de madeiras mais comercializadas para fora do País

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!