25.6 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 22, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiCultivo de flores comestíveis merece hidroponia

Cultivo de flores comestíveis merece hidroponia

 

É sabido por todos que os produtos hidropônicos, além de mais saborosos, por não terem contato com o solo se mostram também mais saudáveis, livres de patógenos e agrotóxicos. Imagine o resultado ao se tratar das flores comestíveis

 

Glaucio da Cruz Genuncio

Doutor em Nutrição Mineral de Plantas ” UFRRJ

glauciogenuncio@gmail.com

Everaldo Zonta

Doutor em Agronomia – UFRRJ

Elisamara Caldeira do Nascimento

MSc em Fitotecnia – UFRRJ

 

Crédito Internet
Crédito Internet

A necessidade de diversificação da produção em hidroponia é constante, dada a profissionalização do setor e a garantia de preços mínimos dos produtos comercializados. Associado a este fator, o crescimento do consumo de flores comestíveis abre um mercado importante no setor de produtos hidropônicos.

Segundo a Epamig, a produção flores comestíveis no estado de Minas Gerais ocupa o segundo lugar no Brasil (São Paulo encontra-se no primeiro lugar) e esse mercado apresenta um potencial de expansão de cerca de 12% por ano.

O volume comercializado de uma única produtora, empresária que se especializou na produção de flores comestíveis, é de aproximadamente 12 mil molhos anuais, com a média de 20 unidades de flores comestíveis por molho. Esta produção é escoada para mercados específicos localizados em Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.

Para estudo quanto ao escoamento de produção, valores comercializados e espécies mais requeridas, é altamente recomendável que se faça um estudo mercadológico baseado em um plano de negócios.

O sistema de hidroponia para flores comestíveis requer conhecimento e acompanhamento técnico - Crédito Janine Farias
O sistema de hidroponia para flores comestíveis requer conhecimento e acompanhamento técnico – Crédito Janine Farias

Espécies comestíveis

Visando a produção de flores comestíveis em sistema hidropônico e baseando-se em artigos científicos publicados sobre este tema, pode-se verificar que a principal flor comestível pesquisada é a Capuchinha ou Nastúrcio (Tropaeo lummajus).

A capuchinha é uma planta que tem como centro de origem o Peru. Destaca-se pelo seu uso como planta ornamental desde o século XVI, quando foi levada, pelos espanhóis, ao continente Europeu.

Tanto a flor como os brotos da capuchinha destacam-se pelo crescente uso no preparo de saladas, principalmente associadas às saladas que utilizam alface e rúcula como base. Já em relação às suas características organolépticas, tais flores e brotos apresentam-se com gosto levemente apimentado, sendo rica em vitamina C, vitamina A e carotenoides. Os frutos ainda verdes também podem ser consumidos na forma de conserva, sendo as suas partes comestíveis de sabor picante e aroma suave.

Outra flor bastante apreciada é a flor de jambu, tipicamente brasileira, que destaca-se por ser muito consumida na região norte e nordeste (Acmella oleracea L.). Possui sabor intenso e diferenciado, que anestesia levemente a boca. É da flor que se obtém o princípio ativo que causa dormência na língua e boca, ao se consumir o tacacá, prato típico da região Norte.

Outra flor comestível que merece destaque é a lavanda (Lavandula angustifólia). Devido à sua diversidade quanto aos usos culinários, é utilizada no preparo de biscoitos, bolos, cheesecakes, geleias, tortas e chá, dentre outros.

Já as violetas (Viola odorata) são, no Brasil, amplamente utilizadas para fins ornamentais, porém, podem ser usadas na confecção de saladas e geleias, via de regra.

Dentre outras flores, pode-se destacar a flor da aboborinha, utilizada na gastronomia para a decoração de pratos e no preparo de saladas e risotos. Destaca-se por ser rica em vitamina C, minerais, flavonoides e ácido salicílico. Por outro lado, as flores de amor-perfeito (Viola tricolor), hemerocallis (Hemerocallis sp), cravina (Dianthus chinensis), girassol (Helianthus sp), crisântemo (Dendranthema grandiflorum), tagetes (Tagetes patula), petúnia (Petunia sp), camomila (Matricaria recutita), dente-de-leão (Taraxacum officinalis), cebolinha (Allium fistolosum), trevo (Oxalis deppei), manjericão (Ocimum basilicum), alecrim (Rosmarinus officinalis), mostarda (Sinapsis alba), pepino (Cucumis sativus), rabanete (Raphanus sativus), cebola (Allium cepa) e de almeirão (Cichorium intybus) podem ter diversas utilidades, tais como: preparo de saladas, gelatinas, patês, sopas, sucos, chá, bolos, aromatizante, além do efeito da ornamentação do prato.

O-mercado-se-mostra-disposto-a-pagar-um-valor-agregado-pelas-flores-comestíveis-Crédito-Internet
O-mercado-se-mostra-disposto-a-pagar-um-valor-agregado-pelas-flores-comestíveis-Crédito-Internet

Fique atento

É importante ressaltar que as flores utilizadas na alimentação não são as mesmas comercializadas em floriculturas. As flores comestíveis devem ser produzidas de forma especializada e não se pode utilizar qualquer tipo de agrotóxico ou outro tratamento químico no seu cultivo, pois o tempo entre a produção e a comercialização é muito curto.

Além disso, é fundamental saber que não são todas as espécies que podem ser ingeridas. Existem flores que apresentam princípios tóxicos e não devem ser usadas na alimentação de forma alguma. Exemplos são a violeta africana (Saintpaulia ionantha), o copo-de-leite (Zantedeschia aethiopica), a azálea (Rhododendron indicum), o bico de papagaio (Euphorbia pulcherrima) e o lírio (Euphorbia pulcherrima). Assim, é imprescindível que se pesquise sobre o produto a ser produzido antes de iniciar qualquer trabalho.

Entre os benefícios da produção de flores em hidroponia está a maior garantia de qualidade do produto - Crédito Janine Farias
Entre os benefícios da produção de flores em hidroponia está a maior garantia de qualidade do produto – Crédito Janine Farias

Hidroponia para flores comestíveis

O custo de produção das flores comestíveis é alto. Tal fato deve-se à alta exigência por qualidade com o mínimo defeito apresentável. Assim, no processo produtivo aproveita-se, em média, apenas 30% da produção.

Foi daí que surgiu a ideia de se plantar em hidroponia, justamente visando reduzir as perdas e otimizar a qualidade dessas flores. O investimento em novas tecnologias relacionadas a estufas, telas, sistemas de irrigação e produção de mudas é um fator determinante para ampliação da renda do produtor.

Como o uso de agroquímicos deve ser nulo, os tratos culturais estão ligados à poda, limpeza da área, tutoramento das plantas, quando necessário, manejo da irrigação, temperatura e adubação, além da aquisição de sementes de qualidade. Neste aspecto, as sementes podem ser adquiridas dos mais diversos locais e produtores, incluindo produção própria.

A colheita das flores tem momento certo para acontecer - Crédito Internet
A colheita das flores tem momento certo para acontecer – Crédito Internet
Deborah Gaiotto, produtora de flores comestíveis na Fazenda Maria, no interior de São Paulo - Crédito Arquivo pessoal
Deborah Gaiotto, produtora de flores comestíveis na Fazenda Maria, no interior de São Paulo – Crédito Arquivo pessoal
O Jardins das Ervas Dei Falci é pioneiro na produção de flores comestíveis em Minas Gerais - Crédito Divulgação
O Jardins das Ervas Dei Falci é pioneiro na produção de flores comestíveis em Minas Gerais – Crédito Divulgação
O nicho de flores comestíveis está em franca expansão - Crédito Internet
O nicho de flores comestíveis está em franca expansão – Crédito Internet

 

Essa é parte da matéria de capa da revista Campo & Negócios Hortifrúti, edição de julho. Adquira a sua para leitura completa!

 

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Isla lança alfaces especiais

  Nos últimos cinco anos, a Isla desenvolveu um intenso projeto de pesquisa para criar uma linha de alfaces dirigida à nova realidade de consumos...

Fundação MT difunde informações agrícolas para mais de duas mil pessoas em Mato Grosso

O tradicional evento realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT, que antecede o plantio da soja, foi encerrado...

Adubação foliar do amendoim sob estresse provocado por herbicidas

Flávio Reigadas Engenheiro agrônomo e RTV da Brandt do Brasil A cana-de-açúcar faz parte da paisagem agrícola brasileira desde o período colonial, quando o foco...

Nutrição e adubação potássica em eucalipto

  Ronaldo Luiz Vaz de Arruda Silveira Consultor na área de Solos e Nutrição Florestal - RR Agroflorestal ronaldo@rragroflorestal.com.br José Luiz Gava Engenheiro responsável pela área...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!