28 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosHortifrútiCultivo de minipepino em estufas

Cultivo de minipepino em estufas

 

Cresce o mercado de mini-hortaliças no Brasil e os produtores estão se especializando na produção, obtendo alta produtividade e qualidade

 

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock

Assim como os minilegumes, os minipepinos são buscados por mercados exigentes em qualidade devido a características como crocância, sabor e tamanho desejado para consumo individual. Restaurantes procuram estes produtos visando oferecer produtos de qualidade diferenciada para um mercado mais exigente.

Segundo Carlos Reisser Júnior, engenheiro agrícola, doutor e pesquisador da Embrapa Clima Temperado, o valor deste produto está exatamente no sistema de produção que exige que o fruto tenha tamanho e qualidade adequados ao consumo. “Como o crescimento do fruto é muito rápido, isto determina uma atenção diária do produtor, o que lhe toma muito tempo“, considera.

A produção em estufas

A produção de pepinos é um sistema que se adaptou perfeitamente em ambientes protegidos por estufas plásticas, principalmente pela grande adaptação da espécie dentro destes ambientes.

Mesmo em locais onde o clima é adequado em termos de temperatura, a estufa proporciona condições que favorecem o aumento de produtividade e qualidade dos frutos.

“As características dos minipepinos determinam que o preço seja diferenciado, pois a mão de obra para sua colheita é muito grande, principalmente por necessitar de colheitas diárias. Como é possível obter preço diferenciado, surge a adequação da produção em estufa plástica, que é um ambiente de maior investimento, portanto, necessitando de mais recursos por parte do produtor“, expõe Carlos Reisser.

Ainda para o pesquisador, outra característica das estufas é a possibilidade de produção fora das épocas normais de cada região. Por exemplo, no Sul do Brasil o que determina o início da produção de pepinos sem proteção são as temperaturas do ar e do solo que, a partir de determinada condição, as plantas emergem e crescem. Com o uso de estufas plásticas é possível tanto antecipar como prolongar o período de início da produção, mesmo que as condições ideais deixem de existir.

Outro exemplo é a produção de pepinos na região sudeste, que se torna difícil no período de chuvas durante a primavera e o verão. Portanto, o pesquisador Carlos Reisser garante que a proteção da cultura é fundamental para estas condições.

Além dessas vantagens, como melhor qualidade e produtividade, a produção em estufas reduz a necessidade do uso de agrotóxicos tanto na quantidade como no tipo do produto. É importante lembrar que algumas pragas e doenças também se adaptam melhor a estes ambientes protegidos, como pulgões e ácaros, e oídio, além de nematoides, exigindo monitoramento constante.

 Carlos Reisser Júnior, engenheiro agrícola, doutor e pesquisador da Embrapa Clima Temperado - Crédito Arquivo pessoal
Carlos Reisser Júnior, engenheiro agrícola, doutor e pesquisador da Embrapa Clima Temperado – Crédito Arquivo pessoal

Manejo

O manejo da cultura deve ser feito diariamente, com grande atenção à colheita. Normalmente, pontua Carlos Reisser, a cultura é tutorada verticalmente com telas ou fitas, e atenção importante deve ser dada também à irrigação, visto que a planta consome bastante água de qualidade, principalmente relacionada à presença de sais.

Erros

Os erros a serem evitados começam por buscar produção fora da época normal para abastecer a indústria. Normalmente, os preços para industrialização são reduzidos quando comparados à produção fresca.

Para a indústria a produção adequada é fora da proteção quando as condições climáticas são favoráveis à planta, o que reduz o custo de produção. Outro fator a ser cuidado é com relação ao manejo da estufa, que deve ser ventilada ao máximo para a redução de doenças.

Quanto custa?

O cultivo do pepino é de custo reduzido no ambiente natural, exceto quando sua produção não é destinada aos tamanhos pequenos ou mini. Para este mercado especial, que busca um produto diferenciado, Carlos Reisser destaca que a mão de obra encarece o sistema, determinando que o produtor busque preços que lhe sejam favoráveis para maximizar o lucro de sua atividade.

Outro fator importante é o conhecimento do mercado, principalmente sobre seu tamanho, pois a perda de qualidade é grande após alguns dias de armazenamento.

“Tenha na propriedade uma estufa ou local adequado à produção de mudas, nunca dentro do local de desenvolvimento da cultura para produção. A sanidade inicial da muda é fator importante no sistema. Conheça bem as características de mercado e somente produza se tiver comprador comprometido e preço acertado“, conclui o experiente pesquisador.

Essa matéria você encontra na edição de outubro  da revista Campo & Negócios Hortifrúti. Adquira já a sua.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

Fatores determinantes no enraizamento de miniestacas em viveiros clonais de eucalipto

Allan Camatta Mônico Biólogo, mestre em Recursos Florestais e especialista em Manejo de Solos, responsável pela consultoria em viveiros florestais da RR Agroflorestal allan@rragroflorestal.com.br Marta Regina Almeida...

Espécies de açaí e locais de adaptação da planta

Aurélio Herraiz Engenheiro agrônomo e mestrando no MPGAP-INPA aurelio.herraiz@ifam.edu.br Gleiciano Vales Mendes Mestre em Engenharia de Produção e graduado em Administração pela UFAM   O açaí, seja ele a...

Cebola híbrida garante oferta o ano todo

Maria Beatriz Pereira da Silva Graduanda em Agronomia pela UFLA e membro do Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento de Plantas (GEN) mariabeatriz12@gmail.com Nathalia Campos...

Cachaça “Made in Brasil”

Reconhecida como bebida nacional do Brasil por decreto federal, destilado da cana produzido em alambiques ganha espaço no mercado internacional   Reportagem Walace Torres Edição e Fotos...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!