17.6 C
Uberlândia
quinta-feira, julho 18, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioNotíciasDa Eclésia ao Congresso Nacional: Nossas prioridades estão invertidas

Da Eclésia ao Congresso Nacional: Nossas prioridades estão invertidas

Antônio Carlos de Oliveira/Reprodução

Texto publicado originalmente no Diário de Uberlândia / Por Antônio Carlos de Oliveira

Por volta de 508 a. C. na Grécia antiga, foi criado na cidade de Atenas um novo sistema político – a democracia – que representava uma alternativa à tirania. A proposta era implementar algumas reformas que concediam a cada cidadão um voto nas assembleias sobre assuntos públicos. A igualdade de todos perante a lei alicerçou um conjunto de reformas de inspiração democrática, resultando numa maior participação dos cidadãos na vida política.

No entanto, esta democracia não incluía mulheres, estrangeiros e escravos. Todos os cidadãos do sexo masculino eram livres de assistir às assembleias, que debatiam e ratificavam as questões civis. As decisões respeitavam a opinião da maioria da assembleia nos assuntos abertos ao debate.

Como hoje, o regime democrático ateniense relacionava-se às instituições detentoras dos poderes básicos deste regime: o legislativo, o executivo e o judiciário.

O poder legislativo competia à Assembleia do Povo ou Ecclesia, constituída pela totalidade dos cidadãos e que aprovava as leis; decidia da guerra ou da paz; elegia ou sorteava os membros de outras instituições; votava cidadãos ao ostracismo (isto é, ao exílio).

Os projetos de lei votados na Eclésia eram preparados pela Bulé, um conselho de 500 membros, mudado anualmente e constituído por cidadãos com idades acima dos 30 anos que não podiam repetir o mandato mais do que duas vezes na vida.

O poder executivo, ou seja, o poder de fazer cumprir as leis aprovadas na Eclésia, estava nas mãos de um grupo de magistrados – 10 arcontes e 10 estrategos.

Os arcontes eram sorteados anualmente; presidiam à organização dos tribunais e ao culto dos deuses. Os estrategos eram eleitos pelos cidadãos; chefiavam o Exército e a Marinha e tinham voz preponderante nas decisões importantes da política interna. Péricles foi o mais destacado destes magistrados.

O poder judicial era exercido pelos tribunais. Os casos a que hoje chamamos de delito comum eram julgados pelo Helieu ou Tribunal Popular, composto por seis mil juízes sorteados anualmente.

O Areópago, tribunal constituído por todos os antigos arcontes, julgava os crimes religiosos e de morte. Uma vez que todos os cidadãos podiam participar diretamente no governo da polis, podemos considerar o sistema político ateniense uma democracia direta, mas que apresentava suas limitações.

A democracia ateniense funcionava muito na base da oratória, na arte de bem falar, habilmente explorada por muitos discípulos de sofistas, excelentes oradores, que conseguiam influenciar muitas decisões da assembleia popular e condenar ao ostracismo os adversários políticos.

Um dos problemas impeditivos da participação de todos neste sistema tinha que ver com a não remuneração dos cargos políticos – o que fazia com que apenas os mais ricos os pudessem ocupar.

Aproveitando os tributos sobre os metecos e os lucros da exploração das minas, Péricles instituiu remunerações, para quem ocupasse aqueles cargos, permitindo a mais gente participar ativamente.

Hoje, um grande número ainda não se sente contemplado por direitos que a democracia, em tese, garante. O direito à vida, à demarcação de terras indígenas, à representação política, reafirmados na Constituição Federal de 1988. Como mudar esse cenário?Considerando os ensinamentos da Grécia antiga, podemos constatar que a inversão de prioridades no Brasil é avassaladora. Quando a velha política irá focar no que realmente interessa para a população?

Reflitam comigo: Enquanto houver milhões de brasileiros desempregados e vivendo abaixo da linha da pobreza, o gasto do dinheiro do pagador de impostos com campanhas políticas milionárias; manutenção dos orçamentos secretos; aparelhamento burocrático estatal etc., sequer deveriam ser cogitados.

O sistema político brasileiro apresenta uma série de problemas estruturais e debilidades institucionais, aliados à crise que a democracia vem enfrentando, demonstram a necessidade de debatermos sobre o futuro da democracia, a participação política e as reformas necessárias. Em consequência dos progressos sociais das últimas décadas, houve uma redução de confiança nas instituições políticas por uma grand

e parcela da população, o que representa um novo desafio aos partidos políticos. A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) determina a limitação de gastos, tendo a cautela de resguardar as obrigações legais do ente. A LRF prevê a responsabilização dos agentes políticos que forem negligentes com as finanças. Se o objetivo é garantir equilíbrio entre receitas e despesas, que o governo priorize a reforma tributária, com a redução do bilionário gasto tributário – incentivos fiscais, financeiros ou creditícios concedidos anualmente sem transparência, critério e controle.

Vamos pensar estrategicamente: Nossas experiências de vida até aqui nos mostraram que tudo que é importante requer atenção. Aquilo que é prioritário encontra-se em primeiro lugar em comparação ao resto. Quando não temos noção do que realmente importa, acabamos tomando decisões precipitadas, baseando-nos apenas na ordem que elas surgem.

A síndrome das prioridades invertidas que assola Brasília – “O orçamento secreto basicamente inverteu as responsabilidades. O Executivo deveria ser o responsável por determinar com base em critérios técnicos e em projetos concretos, omitiu do seu papel.

É evidente que existe uma imprevisibilidade das políticas econômicas a serem implementadas, causadas pela necessidade de conciliar os interesses de grupos heterogêneos da sua base, sem o que não há chance de crescimento econômico com o desequilíbrio das contas públicas.

Precisamos estabelecer prioridades, a solução para a retomada do crescimento não se deve a alguma medida ativa do Estado, mas a uma flutuação cíclica da economia mundial.

Um passo de cada vez, com os pés no chão, em que predomine o sentido de continuidade não submetido à irracional lógica eleitoral.

ARTIGOS RELACIONADOS

Academia de Liderança para Mulheres do Agronegócio inicia nova turma com novidades

Iniciativa da Corteva Agriscience, em parceria com a ABAG e a FIA Business School, conta com 175 participantes na edição de 2023 e prevê a capacitação e o desenvolvimento em temas do setor.

Conferência Brasileira de Pós-Colheita – CBP 2023

24 a 26 de outubro, em Rio Verde (GO)

Quando dobraremos o PIB do agronegócio brasileiro?

Para o ano de 2023, estima-se o valor do PIB do agronegócio superando R$2,62 trilhão, equivalendo um quarto do PIB do Brasil.

Tecnologia contribui para a percepção positiva do brasileiro sobre o agro

Ferramentas de agricultura de precisão, por e'xemplo, levam mais sustentabilidade ao campo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!