29.4 C
Uberlândia
quarta-feira, fevereiro 28, 2024
- Publicidade -
InícioArtigosDesfolha dos cafeeiros: causas e efeitos

Desfolha dos cafeeiros: causas e efeitos

Divulgação

José Braz Matiello
Engenheiro agrônomo – Fundação Procafé
jb.matiello@gmail.com

A desfolha em cafeeiros é um problema que pode causar perdas no desenvolvimento e na produtividade das plantas. Por isso é importante conhecer suas causas e, então, evitar os seus efeitos.

O bom enfolhamento das plantas de café é necessário, pois as folhas são as responsáveis pela síntese de energia para a planta, por meio da fotossíntese. Assim, quanto maior a área foliar por área de terreno (IAF), maior tende a ser o crescimento e a produção do cafeeiro. E esse IAF ideal pode ser obtido por um bom número de plantas por área (pelo espaçamento) e pela manutenção das plantas enfolhadas.

Folhas intactas

O cafeeiro não é planta de folhas caducas, assim, sob condições adequadas, de sombreamento, umidade e nutrição, o cafeeiro pode manter praticamente todas as folhas por vários anos. Porém, nas condições de campo, a pleno sol e sob tratos normais, a vida das folhas do cafeeiro pode durar de três a 20 meses.

Divulgação

O processo que leva à queda de uma folha está ligado ao rompimento da camada de abscisão, existente na região de ligação do pecíolo ao ramo. Ela ocorre devido à alteração dos níveis de auxina e, principalmente, do etileno.

Com o processo natural de senescência, por lesões ou destruição de área do limbo foliar, forma-se um apodrecimento, que produz muito etileno e a zona de abscisão fica sensível, se rompe e causa a desfolha. Também ocorrem desfolhas por causas mecânicas.

Causas

As principais causas de desfolha em cafeeiros são:

1 – Desgaste da folhagem (estresse) por carga das plantas, associada a deficiências nutricionais;

2 – Ataque de pragas e doenças, provocando lesões e aumento de etileno;

3 – Desfolha mecânica na colheita, por ventos fortes ou por queimaduras por pulverizações (sais, herbicidas, etc.);

4 – Ocorrência de condições climáticas adversas, como: estiagem, granizo, geada, ventos frios, desequilíbrio em temperaturas, etc.

Reflexos

Os efeitos da desfolha sobre o crescimento e a produtividade dos cafeeiros dependem do nível e da época da desfolha. A tabela 1 mostra a influência de quatro níveis de desfolha, 0, 30, 60 e 90% em quatro épocas, em fevereiro, maio, agosto e novembro.

Pode-se observar que as perdas produtivas crescem com os maiores níveis de desfolha, especialmente a partir de 60%. Quanto à época, a desfolha se mostra mais prejudicial em maio e agosto, coincidindo quando a planta já, naturalmente, possui um menor nível de enfolhamento.

Divulgação

Em novembro e em fevereiro, quando as plantas se encontram em fase de novo enfolhamento, a desfolha é menos prejudicial.

Em termos gerais, o nível considerado crítico, acima do qual aumentam bastante os prejuízos produtivos, é de 50% de desfolha, ou seja, um enfolhamento de 50%. Isto significa que, por exemplo, um ramo que nos seus seis últimos pares deveria ter 12 folhas, poderia perder até seis delas.

O nível de enfolhamento dos cafeeiros, especialmente aquele verificado no período mais crítico, no pós-colheita e pré-florada, é um parâmetro essencial no pegamento da frutificação. Assim, para saber como a lavoura vai produzir na próxima safra, basta observar o estado de enfolhamento das plantas do talhão, como elas se encontram em agosto-setembro.

Isso ocorre por que as plantas de café concentram suas reservas na folhagem. O cafeeiro frutifica e enche os frutos no período de 80 – 100 dias pós-florada. Nessa ocasião, caso a planta, pela desfolha, não possua boas reservas, acaba abortando e deixando cair frutinhos, o que se chama de mau pegamento da florada, na realidade da frutificação.

Tabela 1– Efeito de níveis e épocas de desfolha em cafeeiros sobre a perda de produtividade – Venda Nova do Imigrante (ES).

ARTIGOS RELACIONADOS

Recuperação de cafezais é uma necessidade

O Brasil é o maior produtor mundial de café há décadas e com isso as lavouras podem estar ficando velhas, desgastadas e/ou depauperadas. Por um motivo ou outro, algumas propriedades não acompanharam as inovações tecnológicas, seja por falta de capital para investir em reformas, por problemas de administração, por longos períodos de seca, por ocorrências de diversos problemas técnicos, ou às vezes por não suportar as crises do setor, que podem ser uma situação cíclica igual a qualquer outra cultura ou empreendimento.

Grão de Ouro e Kimberlit levam resultados para os cafeicultores

  O manejo fisiológico do cafeeiro associado à nutrição da planta, viaExion Vida, tem melhorado a relação solo e planta, proporcionando aumento no desenvolvimento do...

IHARA lança SANMITE EW, acaricida com alto efeito de choque

Produto chega com atuação rápida e eficiência observada em todas as fases de desenvolvimento do ácaro   Com um dos portfólios mais completos do mercado, a...

Americana Albaugh tem novo gerente de marketing Brasil

O executivo Daniel Friedlander acaba de assumir o cargo de gerente de marketing na Albaugh Brasil. Friedlander Bacharel em Publicidade e Comunicação Social com...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!