22.7 C
Uberlândia
terça-feira, junho 25, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosDessecação padroniza colheita do feijoeiro

Dessecação padroniza colheita do feijoeiro

 

Leonardo Oliveira Cardoso

Engenheiro Agrônomo, consultor técnico da Cerrado Consultoria e Pesquisa Agrícola

leonardo.agro@zipmail.com.br

 

Colheita mecanizada de feijão - Crédito Nilton Gomes Jaime
Colheita mecanizada de feijão – Crédito Nilton Gomes Jaime

A grande importância da dessecação está na obtenção de grãos mais padronizados, com uma uniformidade melhor na colheita, facilitando a mecanização agrícola e oferecendo ao produtor um produto de boa qualidade e melhor valor na comercialização.

Quando dessecar

A dessecação deve acontecer quando a planta chegar à fase de maturação fisiológica, ou seja, plantas com folhas amareladas e grãos completamente formados; no caso do feijão carioca, quando apresentar em torno de 70% de vagens bem maduras e grãos com rajas, listas características de alguns grupos, como o feijão carioca e os rajados.

A dessecação contribui no sentido da uniformização dos grãos, ou seja, a planta terá vagens bem maduras e ainda em fase de enchimento, ocorrendo sua maturação de forma mais padronizada.

Vantagens econômicas

A padronização da colheita proporciona a obtenção de um produto de maior qualidade, no sentido de cor, peneira de grão, o que agregará mais valor na comercialização.

Entretanto, o manejo da dessecação envolve o monitoramento da cultura, chegando à maturação fisiológica. Ela deve ser feita quando cerca de 70% das vagens estiverem maduras, com grãos bem formados, observando, sobretudo, as variedades, o ciclo, e o clima, para obter uma operação segura.

Custo-benefício

O custo da dessecação está em torno de R$ 60,00 a R$ 80,00, sendo utilizados produtos registrados para a cultura do feijão. Analisando o custo-benefício, vejo que é positivo, porque se gasta em torno de 01 sc/ha e o produtor agrega valor à qualidade e uniformidade, podendo ganhar entre R$ 5,00 e R$ 10,00 por saca de feijão.

Essa prática é muito usada por produtores de feijão, especialmente aqueles que utilizam o cultivo mecanizado ou semimecanizado. Entretanto, existem operações de colheita que dispensam o uso de dessecantes. Os cuidados devem ser redobrados nos períodos chuvosos, quando essa prática se torna de risco, pois o produtor pode dessecar e começar a chover, atrapalhando a colheita.

Outro fator importante é o ponto ideal de dessecar, que, se não for acertado, pode prejudicar a qualidade dos grãos, afetando o peso e o valor final do produto.

ARTIGOS RELACIONADOS

Atlantica Coffee: parceira do produtor 

Empresa do Grupo Montesanto Tavares comemora os resultados da equipe de Boas Práticas que atua nas Matas de Minas. A expectativa é dobrar o...

Dia 14/10,  engenheiros agrônomos lançam livro sobre a evolução do agro nos últimos 50 anos

Obra mostra a evolução da agropecuária nacional e destaca a atuação dos 200 engenheiros agrônomos formados pela Esalq/USP em 1967 Muitas transformações ocorreram na agricultura...

Cultivo de pimenta dedo-de-moça: você sabe por onde começar?

A pimenta dedo-de-moça também conhecida como pimenta vermelha, é uma das mais cultivadas no Brasil, principalmente nas regiões sul e sudeste. Nosso artigo te ensina como produzí-la.

Café de qualidade é influenciado pela colheita

José Braz Matiello Engenheiro agrônomo do MAPA/Procafé jb.matiello@yahoo.com.br   Tecnologias de colheita seletiva de condução separada no terreiro e implantação de terreiros suspensos para o melhoramento dos lotes...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!