25.8 C
Uberlândia
segunda-feira, julho 15, 2024
- Publicidade -spot_img
InícioArtigosGrãosDessecação pré-plantio é essencial no planejamento agrícola

Dessecação pré-plantio é essencial no planejamento agrícola

Anna Carolina Abreu Francisco e Silvaannacabreufs@gmail.com

Igor Botega Junqueiraigorbotega@gmail.com

Graduandos em Agronomia – Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Letícia Silva Pereira BasílioDoutoranda em Agronomia/Horticultura – UNESPleticia.ufla@hotmail.com

Crédito Leandro Paiola Albrecht

O planejamento agrícola é uma etapa essencial no processo de produção, realizado com base na avaliação de fatores que possam interferir na produção, sendo necessário planejar todos os insumos necessários para o pleno desenvolvimento da cultura, como as operações, adubos e defensivos agrícolas, sementes e maquinários.  

A dessecação pré-plantio é uma técnica agronômica de manejo realizada com o intuito de eliminar toda a vegetação ainda presente em uma área, como plantas daninhas e restos culturais da safra anterior, antes da semeadura da cultura de interesse. Quando bem realizada e no momento correto, garante melhores resultados de produção, além de uma maior eficiência no uso de defensivos agrícolas.

Esta operação tem por objetivo facilitar o plantio, promover um melhor desenvolvimento para as plantas, aumentos na produtividade e o controle de plantas daninhas.

Danos

A presença de plantas daninhas e restos culturais na lavoura pode funcionar como hospedeira de pragas, pois atacam as culturas no início do ciclo, além de apresentarem a capacidade de sobreviver aos períodos de entressafra e competir junto à cultura principal por água, luz e nutrientes durante todo o desenvolvimento das plantas. 

A dessecação pré-plantio é realizada a partir do uso de um ou mais herbicidas, sistêmicos ou de contato, responsáveis por realizar a secagem das plantas daninhas e remanescentes. A aplicação deve ser realizada em torno de 30 dias antes do plantio, de forma que seja respeitado o período residual do herbicida, evitando assim danos à cultura seguinte.

Para a realização da dessecação, deve-se ter conhecimento do tipo de vegetação presente na área, a partir da identificação das espécies e o estágio de crescimento das plantas, determinando assim o tipo de defensivo químico a ser utilizado.

Técnicas para evitar a resistência

[rml_read_more]

É de suma importância rotacionar técnicas de manejo, com o intuito de evitar a seleção de plantas daninhas resistentes aos herbicidas, o que pode acarretar em grande problema futuro para a lavoura. Como exemplo de herbicidas pré-emergentes, é possível citar alguns de grande importância no cenário agrícola brasileiro e que estão disponíveis no mercado.

São eles: o diclosulam, um herbicida utilizado para o controle do banco de sementes que apresenta ação residual. Sua aplicação deve ser realizada no manejo outonal associado a herbicidas sistêmicos (ex: glifosato), sendo recomendável a aplicação com o solo úmido; o flumioxazin, um herbicida com ação residual utilizado na primeira aplicação do manejo outonal associado juntamente a herbicidas sistêmicos (ex: glifosato); o S-metolachlor, utilizado no sistema de aplique-e-plante da soja, com ação residual, não sendo recomendado para solos arenosos; e o trifluralina, herbicida com ação residual, também utilizado na primeira aplicação do manejo outonal juntamente com herbicidas sistêmicos (ex: glifosato).

Cuidados

As aplicações devem ser realizadas utilizando equipamentos de proteção individual (EPI’s) e seguindo todas as normas de segurança durante todo o processo. O acompanhamento de um técnico durante todas as etapas do planejamento e execução da dessecação é extremamente importante.

As aplicações dos defensivos químicos devem ser realizadas com umidade relativa do ar superior a 55% e nos horários mais frescos do dia. Quando realizada com baixa umidade relativa do ar, a qualidade de aplicação e a absorção pelas folhas são afetadas, e em altas temperaturas ocorre uma rápida evaporação das gotas aplicadas nas plantas.

O vento pode ser um grande vilão no momento da aplicação dos defensivos, uma vez que pode provocar a deriva, responsável pelo deslocamento do produto para locais fora do alvo de aplicação. Aplicações realizadas quando há previsões para chuva correm o risco de serem totalmente perdidas pela lavagem do produto recém aplicado.

Viabilidade

O uso de pulverizadores adequados e que proporcionem uma boa cobertura de cada planta é de suma importância, uma vez que dessecação pré-plantio está diretamente ligada a tecnologia de aplicação. Além disso, é necessário o uso de água e equipamentos limpos e livres de contaminação. 

Em termos de produtividade, com a presença de plantas daninhas e restos culturais na área de plantio, competindo pela sobrevivência, e com a capacidade de hospedar pragas, as perdas podem chegar a 40%, podendo ainda inviabilizar o plantio, gerando grandes perdas ao produtor.

Pesquisas

Como resultado prático, é possível citar o estudo publicado recentemente na Revista Brasileira de Herbicidas, em outubro de 2020 e realizado por Quadros e colaboradores, que analisou as associações de herbicidas na dessecação pré-semeadura da soja. Na cultura da soja transgênica as espécies de plantas daninhas buva (Conyza spp.) e azevém (Lolium multiflorum L.) são de difícil controle e apresentam resistência à ação do herbicida glifosato.

O estudo teve como objetivo avaliar a influência da associação dos herbicidas para o controle de plantas daninhas que são resistentes à ação do glifosato na dessecação pré-semeadura na cultura da soja e o desenvolvimento e produtividade da cultura.

O experimento foi realizado na safra de 2018/19 e as associações utilizadas foram glifosato + setoxidim, glifosato + 2,4-D + setoxidim e glifosato + 2,4-D aplicados 40 dias antes da semeadura da soja TMG 7062 IPRO.

A associação do glifosato ao herbicida 2,4-D proporcionou maior controle de plantas daninhas de folha larga. Já a associação de glifosato ao herbicida setoxidim proporcionou o melhor controle de plantas daninhas de folha estreita. Não foi identificada a presença de efeitos de sinergismo ou antagonismo no combate à buva e ao azevém ao utilizar juntamente os herbicidas glifosato, 2,4-D e setoxidim, acarretando apenas o efeito de adição.

Já na produtividade de soja não houve diferença significativa na produção após a associação dos herbicidas utilizados na dessecação pré-plantio (Quadros et al., 2020). Por fim, é de suma importância a execução de todas as técnicas de forma conjunta, a fim de maximizar os efeitos da dessecação no campo, o que proporcionará um ambiente livre de plantas invasoras para a cultura principal, promovendo assim uma maior produtividade final.

ARTIGOS RELACIONADOS

Amostragem em sistema plantio direto

Em áreas de Sistema Plantio Direto (SPD) já consolidadas, onde não há revolvimento do solo ...

Silício garante mais açúcar na cana

O silício não é considerado um elemento essencial, mas sim benéfico para as plantas, ou seja, sua ausência não levará a planta à morte, porém, em muitos casos ele aumenta o crescimento e a produção.

BASF reforça que o uso do produto Finale® promove excelentes resultados na dessecação pré-colheita do Trigo e Cevada

 Tecnologia é determinante quando se busca o máximo potencial produtivo do Trigo e da Cevada, mantendo a qualidade do grão.

Soja louca II tem novo alvo ” o algodão

Nematoide Aphelenchoides sp., causador da soja louca II é diagnosticado na cultura do algodão no município de Sapezal(MT) Juliana Aparecida Homiak Bióloga, mestre em Agronomia pela...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!